Notícias

Embrapa e Ceplac criam unidade mista de pesquisa de cacau em Ilhéus

Crédito: Foto: divulgação

Expectativa é de que unidade contribua com soluções tecnológicas para impulsionar a produção de cacau no País (Crédito: Foto: divulgação )

São Paulo, 18 – A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) assinaram na terça-feira, 17, acordo de cooperação técnica para instalação de uma Unidade Mista de Pesquisa e Inovação (Umipi), com sede no Centro de Pesquisas do Cacau (Cepec/Ceplac), em Ilhéus (BA). A Umipi Cacau vai centralizar os estudos científicos nessa área, abrangendo também os Estados do Pará e Rondônia.

Custos de produção de suínos e de aves batem recorde em outubro, diz Embrapa

Embrapa: planta amazônica ajuda a combater pragas agrícolas

A expectativa da Embrapa e da Ceplac é que a nova Umipi contribua com soluções tecnológicas para impulsionar a produção de cacau no País. O Brasil, que já foi o segundo maior produtor mundial de cacau, figura atualmente na sétima posição no mercado mundial. Grande parte dessa queda se deve à incidência, do fungo Moniliophtora perniciosa, causador da doença conhecida como vassoura-de-bruxa, na região cacaueira da Bahia.

O coordenador-geral de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Ceplac, Manfred Müller, disse no comunicado que essa doença levou a uma derrocada drástica da produção brasileira de cacau, de 450 mil toneladas na década de 1980 para cerca de 240 mil em 2019, de acordo com dados do IBGE. “A Bahia, severamente afetada pela vassoura-de-bruxa, não se recuperou até hoje e, atualmente, é a segunda maior região produtora em nível nacional, com cerca de 110 mil toneladas, atrás do Pará, que produz aproximadamente 111 mil toneladas.” Depois, vem Espírito Santo, Rondônia, Amazonas e Mato Grosso.

Picapes respondem por 12% dos recalls de 2019, aponta pesquisa
5 dicas para conservar (ou comprar) uma picape
As 10 picapes mais vendidas no Brasil em janeiro