Série grandes feiras do Agronegócio

Espaço da Emater/RS-Ascar é autossustentável

Crédito: Rogério Fernandes/Emater

No primeiro dia da Expointer 2019, neste sábado (24/08), foi demonstrada a instalação de placas de energia fotovoltaica no Espaço da Emater/RS-Ascar para autoridades estaduais visitantes. O presidente da Instituição, Geraldo Sandri, o diretor Técnico, Alencar Rugeri, e o gerente Técnico, Rogério Mazzardo, receberam visita do secretário e adjunto da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), Covatti Filho e Luiz Fernando Rodriguez Júnior, respectivamente, e do presidente da Ceasa, Ailton dos Santos Machado. Ainda durante a semana, a mesma demonstração será feita para o governador Eduardo Leite durante sua visita à Expointer e ao Espaço da Emater/RS-Ascar.

De acordo com o engenheiro agrônomo e extensionista da Instituição, Alex Correa, do Escritório Municipal de Palmares do Sul e que atuou na montagem das placas fotovoltaicas do parque, com a instalação de uma uma placa de 1,5KW, o Espaço da Emater, de 14 mil metros quadrados, é totalmente autossustentável o ano todo. “O que gera uma economia mensal, na média, de R$ 150 por mês”, compara Correa.

Quem for ao local, durante a Expointer, poderá buscar mais informações, tirar dúvidas e ainda dimensionar projetos de energia solar fotovoltaica no intuito de diminuir custos de produção. “Atualmente, o custo com energia elétrica é um dos que mais onera as propriedades rurais e a Emater/RS-Ascar pode ajudar fazendo o dimensionamento e adequando o projeto às necessidades dos produtores, bem como verificando o acesso a linhas de crédito, para que os agricultores tenham autonomia na propriedade rural”, ressalta.

O custo do insumo energia elétrica no meio rural, destinado a atividades agropecuárias, aumentou em 100% de outubro de 2013 a abril de 2015. A previsão das instituições que administram o Sistema Nacional de Energia Elétrica é de que nos próximos anos ocorram novos ajustes na tarifa, nesta mesma escala.

Além do valor na energia elétrica, pelo fato do Rio Grande do Sul ser um Estado extenso e com uma economia baseada essencialmente na agricultura, ter luz no campo e em áreas à beira-mar era uma dificuldade, que vem sendo superada com a adoção da energia solar fotovoltaica. Devagar, mas expressivamente, as alternativas energéticas começam a alcançar pagos distantes, iluminando lares, proporcionando melhores condições de vida, melhorando a produção e pesando menos no bolso do produtor.

É por isto que a microgeração distribuída de energia elétrica a partir de fontes renováveis, em especial a energia fotovoltaica, se coloca no contexto atual como uma ferramenta importante na autonomia produtiva, geração de renda, pleno controle e previsão de gastos, além de reduzir gradualmente o custo deste insumo a curto prazo em mais de 90% para os agricultores.

A Emater/RS-Ascar, vendo a energia solar fotovoltaica como uma importante fonte de melhoria de condições para os produtores rurais, desenvolve várias ações nesta área. Neste sentido foram estruturados projetos para geração de energia elétrica a partir da energia solar fotovoltaica em sistema que não utiliza baterias, mas sim injeta a energia gerada na rede elétrica, em um sistema de compensação de energia. As análises de viabilidade econômica, técnica e linhas de financiamento existentes têm apontado para a viabilidade do sistema e são encaminhamentos feitos pela Emater/RS-Ascar, conforme o engenheiro agrônomo e responsável pela área de energias renováveis no Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Porto Alegre, Luís Bohn.