• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
citaçãoPEDRO FERNANDES, DIRETOR DE AGRONEGÓCIO DO ITAÚ BBAEstamos no começo da descentralização das finanças para o agroLana Pinheiro

Estamos no começo da descentralização das finanças para o agro

Lana Pinheiro
Texto por:Lana Pinheiro08/04/22 - 20h41min

Apenas no último ano, a carteira do agronegócio do Itaú BBA passou de R$ 42 bilhões para R$ 60 bilhões. Mas os esforços do banco em atender o setor são ainda mais estruturais com a criação de produtos específicos e o recente lançamento do primeiro Fiagro da instituição, em 8 de março. “Essas ações mostram a dimensão que o setor tem ganhado para nós”, afirmou Pedro Fernandes, diretor de Agronegócio do Itaú BBA, nesta entrevista exclusiva à RURAL.

Rural — De dois anos para cá, há uma aproximação entre o campo e a Faria Lima. O que explica esse movimento?
PEDRO FERNANDES — Do lado do agronegócio há uma necessidade de capital que aumenta mais rapidamente do que crescem as fontes oficiais de financiamento. E o mercado de capitais passa a enxergar melhor a importância do agro dentro da economia brasileira.

Mais de 70% da produção de alimentos é feita pela agricultura familiar. O mercado de capitais é acessível a eles?
As indústrias de açúcar-etanol e a de proteína animal foram as primeiras a organizar a governança corporativa. A partir daí passamos a ver os outros elos da cadeia com maior nível de acesso ao mercado de capitais. Mas ferramentas como Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA), debêntures e notas comerciais exigem um tíquete mínimo alto para as operações, o que acaba excluindo os pequenos e médios.

Como atender a demanda desse público por crédito?
Temos visto o crescimento de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs) patrocinados por empresas de insumos que têm feito esses recursos chegarem às pequenas revendas e aos seus clientes. Além disso, desde o final de 2021, observamos os Fundos de Investimento das Cadeias Agroindustriais (Fiagros) sendo levantados, o que promoveu uma queda relevante no volume mínimo para as transações. A partir daí, empresas e produtores de porte médio passarão a ter mais acesso a novos bolsos de financiamento. Estamos no começo de uma longa jornada da descentralização das finanças para o agro.

Em fevereiro, a cinco meses para o fim da safra, o BNDES suspendeu da contratação do crédito rural subsidiado. De onde virão os recursos que os produtores precisam?
Essa é uma dor que vem do aumento da necessidade de financiamento dos produtores. O preço dos insumos aumentou, ele precisa de mais dinheiro para o pacote da safra e o volume de crédito é finito. Esses recursos muito provavelmente vão vir em grande parte da indústria de insumos através dos barters e dos bancos por meio das Cédulas do Produto Rural (CPRs).

No dia 8 de março, vocês lançaram o primeiro Fiagro do Itaú BBA. Quais são as expectativas do banco?
Acompanhamos toda a agenda legislativa de criação do Fiagro e, quando o instrumento foi lançado, tínhamos dois caminhos. Ou a Itaú Asset Management criava todas as competências para montar um Fiagro ou a gente faria o ecossistema do Itaú trabalhar da melhor forma. Escolhemos a última opção. No Fiagro Rural 11 que estamos lançando, a área de agronegócio presta consultoria para o gestor. Isso significa que fazemos toda a parte de seleção, avaliação e indicação dos ativos. Essa nossa capacidade de originação, de entender o que está acontecendo no agronegócio graças às 300 pessoas que vivem o setor 365 dias por ano, nos dá a possibilidade de levar as melhores recomendações para os gestores do Fiagro decidirem onde alocarão os recursos.

Dentro das novas ofertas, cresce também a emissão de títulos verdes no agronegócio. Como o Banco enxerga este mercado?
A jornada de produtos verdes se tornou central em 2021 e no Itaú fizemos uma mudança importante: sair de uma área que só pensa sustentabilidade, para que o ESG se tornasse uma área estratégica. Então a área de produtos verdes está ligada à área de agronegócio e não institucional. Essa foi a maneira pela qual conseguimos canalizar os compromissos do banco e toda a força que a sociedade civil coloca sobre a agenda para alterar a realidade do cliente.

Quais soluções o banco oferece alinhados aos critérios ESG?
Nossa definição do que são produtos verdes foi construída com a Imaflora onde estabelecemos uma régua de cinco frentes que queremos atacar.

Quais são elas?
Agricultura de Baixo Carbono, Eficiência Energética, Eficiência de Recursos Hídricos, Biodiversidade e Bem-Estar Animal. Em dezembro de 2021 lançamos o primeiro produto na linha de Biodiversidade na frente de conservação. O Reserva Legal+ é destinado ao produtor que tem um percentual de vegetação nativa dentro de sua propriedade acima do que é exigido pela legislação. A nossa primeira operação de Reserva Legal+ foi de R$ 1 milhão o que mostra que é possível fazer operações com tíquetes mais reduzidos em relação com outros produtos verdes. Queremos democratizar o acesso a produtos ESG, mesmo que a gente abra mão do nosso retorno em alguns casos.

E para as outras linhas?
Os produtos estão sendo estruturados. Uma das nossas grandes preocupações é determinar como reconhecer a externalidade positiva e como conseguir fazer a verificação de uma maneira economicamente eficiente. Um dos principais desafios para o crédito de carbono é medir o nível de fixação do solo. O custo da verificação acaba tornando a monetização de uma melhor prática muito difícil.

Durante a COP-26, o governo assumiu o compromisso de reduzir os níveis de emissão de CO2 em 50% até 2030, reduzir a emissão de metano e caminhar para o desmatamento zero. Como esses compromissos afetarão o agro?
A primeira coisa que precisa ficar clara é a centralidade que o agronegócio tem na agenda. O setor sofre os impactos do clima e contribui para a sua mudança. Mais de 40% das emissões de gases de efeito estufa do Brasil vêm de mudanças de uso de solo. Dentro do banco, trabalhamos para termos protocolos mais adaptados à agricultura tropical e com objetivos atingíveis e monetizáveis.

Existe hoje uma movimentação do governo em apoiar o agro na transição para uma economia de baixo carbono?
O governo tem iniciativas muito boas como a CPR Verde em que reconhece o lastro florestal como um ativo a ser financiado, além de outras para reconhecer o serviço ambiental. Só que essas iniciativas ainda não produziram os efeitos esperados. São projetos ambiciosos que necessitam de uma alocação de recursos relevante, mas há um descompasso entre o que pessoas e governo querem e a capacidade de alocar esse capital. Faltam recursos para que a agricultura de baixo carbono seja implementada em escala e há também a necessidade de corrigir decisões tomadas no passado.

Como quais?
A regularização fundiária é uma dívida que o País tem com quase 1 milhão de agricultores. É preciso resolver este problema tanto por uma questão social como também para garantir o nível de organização necessário para poder remunerar por serviços ambientais. Se não conseguimos nem dar acesso a crédito para quem não tem título de terra, como remunerar por serviços ambientais? É preciso implementar uma série de iniciativas, mas é necessário também resolver problemas da década de 1980. E aí visões antagônicas dentro das esferas do governo nos impedem de avançar.

Sem avanços nas políticas ambientais, crescem as ameaças de embargos a commodities brasileiras. Qual o impacto se o fluxo de comércio for interrompido?
Trabalhando com o agronegócio há 20 anos, eu diria que poderíamos evitar quase todos os embargos. Isso passa por dois pontos. O primeiro é contarmos melhor a nossa história. É deixar mais transparente o quanto nossas organizações têm gasto tempo e recursos dentro da agenda ESG. Não dá para o mercado continuar pensando que a laranja produzida em São Paulo tem relação com o desmatamento na Amazônia.

E o segundo?
O agro precisa ter um maior nível de intransigência com o que são práticas ilegais. É necessário ter clareza do que precisa ser tratado pelo ministério da Agricultura e o que é demanda para o da Justiça. O setor tem que ter mais energia para expelir players e indivíduos que prejudicam os produtores. A gente viu a veemência do cancelamento e da condenação de um grande banco em função de um posicionamento sobre pecuária, mas não vemos a mesma veemência para excluir produtores com práticas criminosas.

A despeito de todos esses desafios, a resiliência do agro vem se confirmando por meio de bons resultados. O que podemos esperar para o encerramento da Safra 2021/2022?
Estamos acompanhando, com preocupação, essa variabilidade de produtividade especialmente na safra verão. Mas, ainda assim, mesmo com performances heterogêneas será uma safra bastante rentável. A safrinha, por sua vez, vem sendo plantada em uma janela muito melhor do que no ano passado. Então a expectativa é boa. Quando a gente olha para proteína animal, principalmente aves e suínos, teremos uma receita muito comprimida, com margem operacional negativa.

E para a safra 2022/2023?
Teremos um aumento importante no custo de plantação o que vai obrigar uma tomada de recursos maior por parte dos produtores em um cenário de juros mais elevado. Quando olhamos as relações de troca, a gente tem uma margem da safra de verão convergindo para uma média histórica que não é tão alta como nas últimas três safras. Ainda assim bastante boa, mas sobrará menos.