• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Economia08/04/2022

Estiagem castiga o sul

PREJUÍZOS Região deve ter safra de grãos 12,7% menor do que na temporada passada, segundo dados da Conab

(Créditos: istockphoto)
Romualdo Venâncio
Texto por:Romualdo Venâncio08/04/22 - 21h26min

Aprodução de grãos da região Sul, que representa mais de 25% do total do País, terá queda de 12,7% na comparação da safra 2021/22 com a anterior. A estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) é de que sejam colhidas cerca de 68 milhões de toneladas na temporada atual, ante as 78 milhões de toneladas do período anterior. Uma das razões para tal retração é a estiagem que se intensificou no terceiro trimestre do ano passado e já gerou grandes prejuízos para os agricultores, pecuaristas e toda a cadeia. O que governos estaduais, prefeituras e entidades de classe vêm fazendo para, no mínimo, amenizar os impactos é levantar em detalhes a real dimensão dessa situação, colocar em prática planos emergenciais e buscar a ajuda do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Ainda de acordo com a Conab, o Rio Grande do Sul é o estado com a maior redução na produção. Enquanto a safra 2020/21 foi de 38 milhões de toneladas, a 2021/22 será de 29 milhões de toneladas, queda de 24,7%. Em janeiro, 200 cidades gaúchas haviam decretado situação de emergência por conta da estiagem, conforme divulgação da Agência Brasil. Dados da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul (Emater-RS) revelaram que 195 mil propriedades tiveram perdas na produção.

ÁGUA

Parte do socorro aos produtores rurais do Rio Grande do Sul vem do programa Avançar, que já soma R$ 4,5 bilhões em investimentos para atender diversos segmentos. Especificamente para a agropecuária e para o desenvolvimento rural, são quase R$ 276 milhões. “Deste valor, R$ 201,4 milhões serão para a qualificação da irrigação. Ou seja, 73% do valor do Avançar na agropecuária será aplicado exatamente nesse tema que estamos discutindo”, afirmou o vice-governador gaúcho, Ranolfo Vieira Júnior.

EFEITO CASCATA De acordo com relatório do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, a perda média na atual safra do estado pode ser de 39% para a soja, 36% no milho e 30% no feijão. Na região Oeste, onde o quadro é mais grave, a perspectiva de quebra é de 71% para a soja; 65%, milho; e 60%, primeira safra de feijão. O prejuízo para o período atual nas terras paranaenses, que vêm sendo afetadas por estiagem desde 2019, pode chegar a R$ 25,6 bilhões.

Os efeitos também são sentidos na pecuária leiteira. O Paraná é o segundo maior produtor de leite do País, com mais de 4,3 bilhões de litros por ano, e tem sofrido com a estiagem mais intensa, os custos de produção mais altos, os preços em queda e a redução de consumo. Parte dos pecuaristas reduziu o rebanho e alguns até abandonaram a atividade.

Em Santa Catarina, sobretudo do extremo Oeste, Oeste e Meio-Oeste, a expectativa de chuvas entre dezembro do ano passado e fevereiro deste ano era de precipitações em torno de 150 mm, mas o índice não passa de 40 mm, segundo dados do Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometerologia (Ciram), órgão da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do estado (Epagri).

Os prejuízos da agricultura catarinense com a estiagem já passam de R$ 3,7 bilhões, segundo a Epagri, somadas as culturas de soja, milho (grão e silagem) e feijão de primeira safra. O maior impacto é na soja, com quebra de 551 mil toneladas na safra ­— a expectativa era de colher mais de 2,5 milhões de toneladas — e perdas de R$ 1,5 bilhão. Na produção de milho grão, a redução na safra é de 34,5%, ou seja, 936 mil toneladas a menos, e prejuízos de R$ 1,4 bilhão. Essa quebra é muito significativa para a economia do estado, fortemente baseada na produção de aves e suínos, que têm o cereal como principal insumo da alimentação. O governo catarinense anunciou investimentos de R$ 150 milhões durante este ano para amenizar a situação.

Todos os estados já apresentaram ao Mapa detalhes sobre o impacto da estiagem. A ministra Tereza Cristina visitou a região em janeiro, conversou com produtores, lideranças do setor e membros dos governos locais, e se dispôs a oferecer socorro, juntamente com os demais órgãos do governo federal ligados ao agronegócio. “Estão comigo não só o time do Ministério da Agricultura, como também a Conab, a Embrapa, o Banco Central e o Banco do Brasil. Não há um modelo pronto do que o governo federal possa fazer, mas temos que dar agilidade para as medidas que já são previstas para a área”, disse ela em sua passagem pelo Paraná.