Edição nº 163 10.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

José Simas

Eu acredito demais na pecuária a pasto do Brasil

Claudio Gatti

Eu acredito demais na pecuária a pasto do Brasil

Vera Ondei
Edição 04/05/2017 - nº 147

As Américas terão, daqui para frente, um protagonismo cada vez maior no desenvolvimento do agronegócio mundial e na capacidade de superar desafios. E o Brasil terá um papel de destaque. Essa é a crença do zootecnista português José Simas, diretor global de Operações da Elanco para a América Latina, empresa que pertence à multinacional americana Eli Lilly, uma gigante que fatura US$ 20 bilhões por ano. À frente da farmacêutica animal desde janeiro, sediado nos EUA,Simas, que está na empresa há 16 anos, conhece muito bem a realidade do País e acompanha com lupa o que ocorre no mundo. No Brasil, ele viveu entre os dez anos de idade e a formatura na Universidade de São Paulo. Como executivo, ele tem participado das decisões da Elanco em várias partes do mundo. Acompanhe:

Qual o papel da pecuária brasileira hoje?
O Brasil tem muita tecnologia e vai ter cada vez mais um papel de liderança no destino das Américas, junto com os Estados Unidos. Estou bastante confiante do seu papel na América Latina. O País tem um modelo de criação de gado que é sustentável e que nenhum outro lugar alcançou o mesmo patamar. Eu acredito demais na pecuária a pasto do Brasil. Sim, houve muitas mudanças nos últimos 30 anos, apesar de às vezes as pessoas acreditarem que mudou pouco. Qualquer índice de produtividade que se pegar hoje é muito diferente. Há seis anos o Brasil produzia seis milhões de toneladas de carne bovina e hoje são quase dez milhões, para um rebanho praticamente igual.

O País dará conta de ser protagonista?
A economia tende a reagir. É dado como certo o retorno do crescimento do PIB daqui para frente. Há uma relação muito forte do agronegócio na sua composicão que, creio, é único no mundo. O mundo vê o Brasil como um celeiro. Isso é uma realidade, olhando para a frente de 2020.

Nos Estados Unidos, qual o principal desafio do agronegócio?
Mesmo antes do evento Trump, eu diria que a dor de cabeça número um é a mão de obra, é o capital humano, a qualificação. Um pouco como ocorre no Brasil. O desafio é como reter a mão de obra qualificada. Outro ponto é o comércio internacional. O grande celeiro do mundo são as Américas, embora nos acordos entre países a sua agropecuária acabe ficando envolvidas em acordos, por exemplo, sobre aço ou carros. O terceiro ponto é como o consumidor está se tornando um protagonista ao ditar práticas e modelos de produção. É preciso ouvir as suas demandas.

O presidente Trump está dificultando as relações na agropecuária americana?
Eu diria que as opiniões estão divididas entre sim não. Nos Estados Unidos, o que está em jogo é o trabalho, porque o campo depende da mão de obra da imigração. Ainda não está definido qual modelo e qual processo de imigração o país terá, associado com a mão de obra. O Brasil não tem esse problema. Mas Trump escolheu como secretário de agricultura um personagem do meio rural, um veterinário. Sonny Perdue foi governador do Estado da Geórgia, entende muito de agricultura e de pecuária. Por isso, diversas associações têm tido uma posição positiva em relação à sua nomeação.

Em relação ao acordo Transpacífico, colocado no chão pelo governo Trump, existe a possibilidade de retorno?
É público que o governo americano tem a intenção de desenvolver acordos bilaterais. Esse é o modelo. O governo vai sim colocar freios em acordos multilaterais.

Qual a saída para países exportadores que têm apostado em blocos?
Não vejo dificuldade nas commodities. O mundo precisa de soja e de milho. Nos próximo anos, o aumento do consumo per capita vai ser alimentado pela produção dos Estados Unidos, do Brasil e da Argentina. Acordos passarão por esses países.

Gente de fora: empresas de hortaliças que operam na Califórina precisam da mão de obra de imigrantes mexicanos

“Nos Estados Unidos, o campo depende da mão de obra da imigração. No Brasil, não”

O Brasil tem alguma chance com países como, por exemplo, o México?
O México é um grande importador de proteína animal e vegetal, mas é quase um Estado americano. Se houver a falência do Nafta, o Brasil estará preparado para mandar carne e grãos para lá.

Como as multinacionais, entre elas a Elanco, se inserem nesse contexto?
Ficando do lado da produção Nós, historicamente, temos um portfólio focado na saúde animal, que se reflete em produtividade. E queremos crescer. Recentemente fizemos muitas aquisições. A Novartis foi comprada por US$ 5,4 milhões. Compramos também o centro de pesquisa da Boehinger. Basicamente, o que move o agronegócio é o conjunto das pesquisas. São elas que precisam responder aos desafios. Nós criamos, por exemplo, a Unidade de Nutrição focada na saúde de monogástricos. Mas as pesquisas vão avançar para ruminantes, para os bovinos.

Qual o focos dessas pesquisas?
O que temos como horizonte é exatamente como as tecnologias e as ciências impactam a sociedade e o consumidor. Daí surgiu a plataforma Human Health. Como ajustamos nossas estratégias e como as inovações impactam o meio ambiente, o bem estar e a saúde animal, e qual o impacto em saúde pública. É um caminho sem volta. Hoje, já existem produtos que reduzem a emissão de amônia, a emissão de gases de efeito estufa. São as tecnologias que responderão a uma crítica severa que a sociedade faz ao campo. Por isso, sob todos os pontos de vista, os espaços de inovação devem ser associados com o produtor.

Essa resposta, em forma de tecnologias, chegará em quanto tempo?
Em breve e algumas já estão adiantadas. Atualmente, temos 50 projetos em fase de desenvolvimento, dos quais oito estão progredindo para a fase experimental, e 21 projetos estão em provas de conceito.


Se o clima favorecer, safra de 2019 pode chegar bem próximo de recorde

IBGE

Se o clima favorecer, safra de 2019 pode chegar bem próximo de recorde

Com 3,6 milhões de toneladas, produção de café é a maior da história

Grãos

Com 3,6 milhões de toneladas, produção de café é a maior da história


Safra 2018/19 será de 275,75 milhões de caixas, aponta 3º levantamento

Laranja

Safra 2018/19 será de 275,75 milhões de caixas, aponta 3º levantamento

Exportação sobe 26,93% em volume e 36,64% em receita

Algodão

Exportação sobe 26,93% em volume e 36,64% em receita

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro

Meio ambiente

Meio ambiente

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro


Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

cacau

Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

Açúcar e Bioenergia

Biosev tem prejuízo de R$ 155,567 milhões no 2º trimestre da safra 18/19

São Martinho:

Não há planos no curto prazo de grandes investimentos

Máquinas Agrícolas

CNH Industrial registra no 3º tri lucro de US$ 231 mi, alta de 285%


Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups

No campo

No campo

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups


Especial - Logística em pauta

Uma nova ordem nas estradas

Frete

Frete

Uma nova ordem nas estradas

O tabelamento do frete impõe novos desafios para empresas e produtores rurais. Saiba quais são as estratégias para superar esse jogo

A linha de montagem do futuro

Indústria

A linha de montagem do futuro

Como as indústrias estão criando caminhões cada vez nais seguros e inteligentes

Inteligência artificial nas estradas

revolução digital

Inteligência artificial nas estradas

Como a revolução digital pode livrar os nós logísticos do País

Os trilhos do desenvolvimento

Novos caminhos

Os trilhos do desenvolvimento

Ainda pequeno, o modal ferroviário tem um grande potencial para elevar o fluxo logístico nacional

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

Ampliando a capacidade produtiva

Ampliando a capacidade produtiva

Cooperativas agrícolas do País apostam no crédito rural para agregar valor ao produto e sair na frente na corrida por inovações sustentáveis

De olho no custeio antecipado

De olho no custeio antecipado

Com preços em queda e boas taxas de crédito, produtores rurais podem apostar na antecipação da compras de insumos para a safra 2018/2019

O PoupaTerra do século 21

Plantio Direto

Plantio Direto

O PoupaTerra do século 21

O produtor paranaense Franke Djikstra é um dos pais da técnica de plantio direto, um sistema conservacionista que ajuda o agricultor a melhorar a produtividade de sua lavoura e no qual o brasil é o campeão mundial, com 32 milhões de hectares. Saiba como sua adoção pode significar uma economia de pelo menos R$ 12,3 bilhões por safra

O caçador de negócios

Domingo Lastra

O caçador de negócios

Conheça a estratégia da trading americana Archer Daniels Midland, companhia global que fatura US$ 60 bilhões e que tem apostado em uma nova gestão corporativa para continuar crescendo no Brasil

A super cooperativa

Castrolanda, Frísia e Capal

A super cooperativa

As paranaenses Castrolanda, Frísia e Capal investiram quase R$ 700 milhões em um projeto para industrializar leite, processar suínos e moer trigo. Conheça o modelo inédito de intercooperação, que reúne 4,5 mil produtores e que fatura R$ 1,8 bilhão por ano

A corrida da bioenergia

Rafael Chang

A corrida da bioenergia

Pela primeira vez na história, uma montadora desenvolveu um carro híbrido que funciona movido a etanol e a eletricidade. saiba o que a Toyota e outras gigantes, como Raízen, Tereos e Copersucar, estão fazendo para tornar a matriz energética brasileira cada vez mais sustentável

Mais perto do campo

Octavio de Lazzari

Mais perto do campo

Os maiores bancos comerciais se aproximam cada vez mais do agronegócio. Saiba o que eles têm feito para atrair os produtores e conquistar definitivamente um lugar no segmento mais pujante da economia brasileira

A conquista do mundo

Paulo de Castro Marques

A conquista do mundo

Um campo para as franquias

José Carlos Semenzato e João Arantes Júnior

Um campo para as franquias

O empresário José Carlos Semenzato fez fortuna no mundo do franchising. Agora, ele quer transportar essa experiência para o agronegócio e se tornar vendedor de genética bovina. Conheça seus planos


Entrevista

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho

Jacyr Costa Filho

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho, diretor do grupo Tereos Brasil e presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp, fala sobre as eleições no País e o ambiente de negócios para o setor

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, da Cargill

Luiz Pretti, da Cargill

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, CEO da Cargill, fala sobre os planos e os desafios da companhia


O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun

O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun, presidente da americana Corteva Agriscience no Brasil, divisão agrícola da DowDuPont, fala sobre o bilionário mercado de defensivos e sementes

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil  não sabe o que quer da China

Marcos Jank

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil não sabe o que quer da China

Marcos Sawaya Jank, da Asia Brazil Alliance, fala de comércio internacional e dos desafios do País lá fora


Céu compartilhado

Aviação agrícola

Céu compartilhado

Como a aviação agrícola vai dividir suas tarefas com os drones

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

Blockchain

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

O Blockchain está chegando para mudar as relações no agronegócio. Agora, é preciso entender o que a ferramenta pode fazer por uma propriedade


Mulheres do Agronegócio


Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Cenário

Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Em levantamento da Corteva Agriscience, Divisão Agrícola da DowDuPont, produtoras rurais dizem que há progresso das mulheres no agro, mas ainda é lento. Disparidade financeira, falta de reconhecimento e pouco acesso a treinamentos são os principais entraves. No Brasil, 78% afirmam que existe discriminação de gênero

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas

Evento

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas


Uma mulher à frente de seu tempo

Alida Bellandi

Uma mulher à frente de seu tempo

Como Alida Bellandi tomou as rédeas de sua carreira e se tornou presidente da Guarany, empresa de equipamentos agrícolas. Ela é uma das poucas executivas do agronegócio que chegou ao topo da carreira

A hora da virada

Álvaro Peixoto

A hora da virada

Por que executivos deixam companhias globais para trabalhar em empresas de menor porte e com menos exposição no mercado

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

José Luiz Tejon

José Luiz Tejon

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Carlos Dutra

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Fernando Sampaio

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

Carlos Alberto Forcelini

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.