• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias25/01/2022

EUA suspende uso de dois tratamentos com anticorpos monoclonais contra covid

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo25/01/22 - 17h42min

A Food and Drug Administration (FDA), agência americana equivalente à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), suspendeu o uso de dois tratamentos com anticorpos monoclonais contra a covid-19: o da empresa Regeneron (casirivimabe e imdevimabe) e o da Eli Lilly (bamlanivimabe e etesevimabe). O órgão regulador aponta que dados "fortemente" indicam que eles não são eficazes contra a Ômicron - variante dominante no país.

Ambos têm autorização de uso emergencial no Brasil. A Anvisa informa que notificou as empresas Eli Lily e Roche (responsável por comercializar o medicamento da Regeneron) para que apresentem justificativas para a manutenção da liberação.

"Os dados disponíveis e limitações quanto à eficácia contra variantes estão previstos em bula, ficando a cargo do prescritor a avaliação clínica de eventual benefício quando da utilização do tratamento", diz a agência brasileira. Na nota, ainda destaca que é obrigação dos laboratórios monitorar o perfil de eficácia dos medicamentos frente às novas cepas.

O documento assinado por Patrizia Cavazzoni, diretora do Centro de Avaliação e Pesquisa de Medicamentos da FDA, aponta que "no futuro, se houver probabilidade de pacientes em determinadas regiões geográficas serem infectados ou expostos a uma variante suscetível a esses tratamentos, o uso deles poderá ser autorizado nessas regiões". A decisão se deu após um painel independente de especialistas (o NIH COVID-19 Treatment Guidelines Panel, em inglês) recomendar a suspensão.

Anticorpos monoclonais são proteínas fabricadas em laboratório que imitam a capacidade do sistema imunológico de combater patógenos nocivos, como o coronavírus, por exemplo. Assim como qualquer organismo infeccioso, o vírus causador da covid sofre mutações, o que pode minar a eficácia de determinado tratamento. "Esse é o caso desses dois tratamentos para os quais estamos fazendo alterações hoje", escreveu Patrizia.

Conforme dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a Ômicron representa mais de 99% dos casos de covid nos Estados Unidos. Por isso, a agência americana acredita ser improvável que algum paciente do país busque tratamento estando infectado por outra cepa no momento.

No documento, a FDA destaca que há outros tratamentos autorizados que provavelmente são eficazes contra a Ômicron aprovados. A agência cita, por exemplo, o Paxlovid, tratamento oral da Pfizer. Também reforça que os tratamentos autorizados não substituem a vacinação.

A Regeneron disse, em nota, que "continua a desenvolver anticorpos de próxima geração que são ativos contra Ômicron, Delta (B.1.617.2) e outras variantes de preocupação". Informou que trabalha, em colaboração com a FDA, para determinar como trazer tratamentos adicionais de anticorpos monoclonais seguros e eficazes para os pacientes o mais rápido possível.

Brasil

A associação de casirivimabe e imdevimabe, da Regeneron, recebeu autorização de uso emergencial da Anvisa em abril de 2021. O coquetel tem uso restrito a hospitais, em pacientes com quadros leves ou moderados. O tratamento foi liberado para ser administrado em pessoas a partir de 12 anos, com mais de 40 quilogramas. Ele é administrado de forma intravenosa.

Em maio do ano passado, a agência autorizou a associação dos anticorpos banlanivimabe e etesevimabe, da farmacêutica Eli Lilly. A indicação do órgão foi a administração para pacientes com quadros leves e moderados da doença, com 12 anos ou mais e que pesem pelo menos 40 quilos. O tratamento deve ser administrado em ambiente hospitalar por infusão intravenosa, indicou a Anvisa.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
CORONAVÍRUS/EUA/FDA/ANTICORPOS MONOCLONAIS/SUSPENSÃO