Cocheira

FAO sob nova direção

Crédito: Vincenzo Pinto/afp

Os grandes investimentos pretendidos pela China em todo o mundo passaram a ter um pé oficial na política de combate à pobreza e na erradicação da fome, ao ganhar a diretoria da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), com sede em Roma. Em um movimento de aproximação com o país asiático, o Brasil trabalhou arduamente pela eleição do chinês Qu Dongyu, vice-ministro de Agriculta, que obteve 108 votos do total de 191 na eleição para o cargo. Qu Dongyu substituirá o agrônomo brasileiro José Graziano da Silva, que dirigiu a entidade por dois mandatos.

Leite
Agrindus no topo

Em meados de junho, o produtor de leite Roberto Hugo Jank Junior, diretor presidente da Agrindus, em Descalvado (SP), tomou um avião rumo à Espanha. Jank foi receber o prêmio de Melhor Iniciativa Agropecuária, promovido pela empresa de seguros Fundación Mapfre e do qual participaram 681 candidatos de várias partes do mundo. Desde a sua criação, há cerca de 40 anos, esta é a primeira vez que um brasileiro se destaca.

A Agrindus criou o projeto A2A2, de genômica, no qual o leite é produzido com a proteína beta-caseína A2 no lugar da A1. A proteína está relacionada com a intolerância à bebida. A empresa, que em 2017 foi eleita a Melhor Fazenda Leiteira no prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL, é uma das três maiores produtoras do Brasil, com 22 milhões de litros por ano.

Leite
Do bule ao robô

Esqueça a figura de um humano por trás de um bom cafezinho. No mês passado, a Mitsubishi Electric, em parceria com o Instituto Mauá de Tecnologia e a Nescafé Dolce Gusto, apresentou robôs que prepararam a bebida. Até agora, esse tipo de equipamento somente era visto em feiras internacionais. No caso, o fato ocorreu durante a Fispal, um dos maiores eventos de tecnologia para o setor alimentício, realizado em São Paulo.

Livros
Biblioteca expandida

Divulgação

Junho foi um mês pródigo no lançamento de obras de referência para os produtores rurais. Entre elas, está a biografia “André Maggi: do cabo da enxada ao centro do agronegócio brasileiro”, da jornalista Martha Baptista. A obra conta a vida do fundador da Amaggi, uma das maiores empresas do setor.

A apresentação, em São Paulo, aconteceu na sede da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial, na qual a Dinheiro Rural coordenou as discussões sobre memória corporativa. Outra obra é “Leite cru – A verdade que vai mudar sua vida”, escrita pelo médico cirurgião Wilson Rondó Júnior. Já o agrônomo Marcos Fava Neves, professor da Universidade de São Paulo, lançou “Novos caminhos da cana”, um compêndio que analisa o mercado sucroenergético entre 2015 e 2018.

Projeto – seca
Plante uma árvore

O Brasil tem 10 milhões de hectares de florestas plantadas, distribuídas em 4,8 mil municípios. Mas a produção ainda é considerada tímida. Para fomentar esse setor, o governo federal apresentou o Plano de Desenvolvimento de Florestas Plantadas. A meta é aumentar a área em 2 milhões de hectares, até 2030, principalmente para a produção de papel e celulose.