• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias13/01/2022

Fipe/Bionexo: preços de medicamentos para hospitais anotam alta de 5,96% em 2021

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo13/01/22 - 07h27min

O Índice de Preços de Medicamentos para Hospitais (IPM-H) registrou avanço de 5,96% em 2021, abaixo da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no período, de 10,06%. A informação foi apurada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com a Bionexo, healthtech de soluções digitais para gestão em saúde.

O resultado foi menor do que o registrado em 2020, quando houve crescimento de 14,36%, mas superou as altas de 2019 (3,97%), 2018 (4,97%), 2017 (3,94%), 2016 (4,97%) e 2015 (4,74%). Após seis meses consecutivos de queda na margem, o IPM-H registrou avanço de 0,19% em dezembro. Em novembro, o índice apresentou recuo de 0,17%.

"O avanço nos preços do ano passado pode ser atribuído em partes aos aumentos registrados entre março e maio, período que combinou o agravamento do quadro da pandemia e os reajustes nos preços pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED)", avalia o CEO da Bionexo, Rafael Barbosa.

Os grupos de medicamento com maior contribuição para o avanço do IPM-H em 2021 foram preparados hormonais (27,54% em 12 meses), sangue e órgãos hematopoiéticos (17,28%) e imunoterápicos, vacinas e antialérgicos (14,69%). Órgãos sensitivos (10,05%), aparelho respiratório (6,62%), agentes antineoplásicos (5,06%), aparelho digestivo e metabolismo (4,27%), aparelho geniturinário (3,53%) e sistema nervoso (1,96%) completam a lista.

Por outro lado, ao longo do ano, apenas três grupos de medicamentos monitorados registraram queda nos preços aos hospitais. São eles: aparelho cardiovascular (-10,69%), anti-infecciosos (-2,85%) e sistema musculoesquelético (-1,21%).

Pandemia

O IPM-H registra alta acumulada de 18,84% desde o início da pandemia da Covid-19, em março de 2020. O crescimento foi impulsionado por variações positivas na maior parte dos grupos de medicamentos no período, com destaque para aparelho digestivo e metabolismo (56,02% entre março de 2020 e dezembro de 2021), sistema nervoso (48,99%) e preparados hormonais (16,65%).

Os medicamentos de aparelho cardiovascular (37,20%), sangue e órgãos hematopoiéticos (30,77%), imunoterápicos, vacinas e antialérgicos (21,62%) e sistema musculoesquelético (19,90%) também tiveram contribuição expressiva no intervalo analisado.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
hospitais