• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias28/09/2021

Fitch revisa previsão de déficit do Brasil em 2021 de 2,4% para 1,5% do PIB

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo28/09/21 - 22h20min

A agência de classificação de risco anunciou, na tarde desta terça-feira, revisões no cenário fiscal brasileiro. A previsão de déficit primário, por exemplo, passou de 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB) para 1,5%. Já a relação dívida/PIB deve ceder de 88,8% em 2020 para 81,5% este ano (de 84,2% previstos anteriormente).

"As perspectivas fiscais melhoraram devido à forte recuperação das receitas e ao crescimento contido dos gastos", apontou a Fitch. "O maior crescimento das receitas reflete o elevado crescimento do PIB nominal e um consumo maior de bens do que de serviços, sendo o primeiro mais tributado", prosseguiu a agência, ponderando que a melhoria do desempenho de governos regionais também contribuiu para a melhora da percepção fiscal do País.

Para 2022, contudo, a agência pontuou a necessidade de melhorias fiscais. Os analistas lembram que o Auxílio Brasil é um projeto ainda sem detalhe de como será financiado e que há impasse também na questão do pagamento de precatórios.

Sobre o teto, a agência de risco alertou que as propostas políticas que o coloquem em risco "podem causar uma deterioração ainda maior nas condições financeiras".

A Fitch salientou ainda outros pontos de atenção para 2022, que será marcado por uma desaceleração do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 5% este ano a 2% ano que vem, por causa do desaquecimento da economia da China, do aperto monetário do Banco Central (BC) e da seca.

"A incerteza política é ampliada pela aproximação das eleições em 2022. A incerteza em torno do processo e resultado eleitoral pode aumentar a volatilidade do mercado financeiro e pesar sobre o investimento, enfraquecendo o crescimento e aumentando os custos de financiamento do governo", lembram.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
Brasil