• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Geral02/02/2022

Fundecitrus: incidência de CVC no parque citrícola cai ao menor nível em 20 anos

No início dos anos 2000, a incidência chegou a 46,8%

No início dos anos 2000, a incidência chegou a 46,8%

(Créditos: Arquivo / Embrapa)
Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo02/02/22 - 10h45min - Atualizado em 02/02/22 - 14h28min

São Paulo, 2 - A ocorrência da Clorose Variegada dos Citros (CVC), que já foi considerada a doença mais severa da citricultura, continua em queda no cinturão citrícola (São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro), seguindo a tendência dos últimos anos. No início dos anos 2000, a incidência chegou a 46,8%. Agora, está presente em apenas 0,46% das laranjeiras, número cem vezes menor e que corresponde a aproximadamente 890 mil plantas. Em 2020, o índice era de 1,04%; e, em 2019, 1,71%. Os números fazem parte de levantamento anual realizado pelo Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus).

O gerente-geral do Fundecitrus, Juliano Ayres, destaca em comunicado a importância de todo o conhecimento adquirido nos últimos anos e das rigorosas medidas de manejo adotadas pelos citricultores para o controle da doença. "Este é o menor índice de CVC dos últimos 20 anos, o que deve ser considerado um caso de sucesso e um exemplo a ser seguido no manejo do greening (doença que, em 2021, atingiu o maior nível já registrado no cinturão citrícola desde 2004, com 22,37% das laranjeiras doentes)", comenta.

+ Laranja: levantamento do Fundecitrus mostra diminuição do cancro cítrico em 2021

Também conhecida como "amarelinho", a CVC provoca o amadurecimento precoce e a redução acentuada do tamanho dos frutos, que podem perder até 75% de seu peso, levando à diminuição da produtividade. O pesquisador do Fundecitrus Silvio Lopes explica que o baixo índice de CVC é resultado de uma série de fatores. "O uso de mudas sadias, o bom controle das cigarrinhas vetoras da CVC, que é feito com os mesmos inseticidas que controlam o inseto vetor do greening, o psilídeo, e a extensa eliminação de plantas doentes são os principais responsáveis pela redução da doença", explica.

Conforme o Fundecitrus, na maior parte das plantas com CVC, os sintomas estavam nos estágios iniciais, relata Lopes. "Como as perdas por conta da doença estão associadas à severidade dos sintomas, as perdas atribuídas à CVC devem ser, na média, muito baixas no parque citrícola na safra 2021-22", conclui.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
citricultura no brasil 2020