Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“Fusão traz um custo menor às operações de um negócio”

Divulgação

“Fusão traz um custo menor às operações de um negócio”

Cauê Vizzaccaro
Edição 15/06/2018 - nº 159

É esperada para o próximo mês a aprovação da fusão da holandesa Koepon Holding BV, dona da Alta Genetics, com a americana Cooperative Resources International (CRI). No ano passado, as duas centrais de genética bovina venderam no mundo 28 milhões de doses de sêmen. O negócio anunciado no fim do ano passado cria a maior empresa global do setor, à frente da também americana ABS Global, do grupo Genus, e da holandesa CRV. A Alta Genetics e a CRI, que atuam, respectivamente, em 90 países e 76 países, têm uma forte presença no Brasil. No País, o mercado de sêmen e de serviços é estimado em R$ 540 milhões, por ano. Confira a entrevista com Heverardo Rezende, diretor da Alta Genetics Brasil.

A concentração de empresas deve continuar nesse setor?
Sim. Nos Estados Unidos, a Select Sires comprou a Accelerated Genetics, no ano passado. A Select Sires poderá adquirir
outras empresas.

Qual o benefício dessa fusão para a genética bovina mundial?
A importância está na cooperação entre as duas empresas. Todas as áreas irão se juntar, menos os departamentos comerciais. Fusão traz um custo menor às operações de um negócio e mais recursos à pesquisa e ao desenvolvimento de produtos.

Sem unificação comercial será possível evitar conflitos?
Eles serão os mesmos de todos os concorrentes. Não haverá novos conflitos e sim sinergia.

A quais sinergias o sr. se refere?
Foi proposto que a Alta e CRI, que já passou a se chamar Genex, trabalhassem em conjunto para verificar todas as sinergias. Por exemplo, no Brasil, a Alta Genetics possui uma central de coleta em Uberaba (MG). A CRI não possuia uma central. Ela trabalhava com terceiros. Mas agora poderá usar a central. Com uma maior produção de sêmen, os custos caem.

E as culturas das empresas?
A cultura de integração já existia na Alta Genetics e na CRI. Apesar de pertencer a um grupo holandês, o negócio da Alta sempre foi no Canadá. E em função do dono da Koepon ser um fazendeiro, a cultura de prestadora de serviço ao criador sempre prevaleceu. Já a CRI, por ser uma cooperativa, sempre teve em sua gestão a cultura do cooperado.

Já há um calendário para a fusão?
Ele ainda não está definido, mas a partir de junho, ou assim que a Federal Trade Commission (FTC), órgão regulatório americano, der o parecer, os detalhes começarão a ser conhecidos.

Como serão os investimentos em pesquisa?
Eles aumentarão. Somente a Alta reserva R$ 2 milhões por ano. Mas haverá cortes no que está sendo feito em duplicidade.

Qual a expectativa de venda de sêmen?
No ano passado, as empresas venderam no mundo 28 milhões de doses de sêmen bovino e para este ano são esperadas 30 milhões de doses.

E o impacto na exportação de sêmen a partir do Brasil?
A nossa central atende todas as exigências de organismos internacionais. Podemos exportar à África e aos países da Ásia. No mês passado, assinamos um protocolo com a Índia.

Qual o futuro da genética?
O futuro passa pelo genoma. É uma realidade para as raças europeias e está crescendo nas raças zebuínas. Antigamente, um touro da raça holandesa era o melhor reprodutor do mundo, por até quatro anos. Hoje, em oito meses, já aparece um melhor.

EUA impõem novo revés ao Brasil ao manter veto à carne e frustram governo

Exportações

Exportações

EUA impõem novo revés ao Brasil ao manter veto à carne e frustram governo

Doria oficializa transferência de local da Ceagesp e concessão de entrepostos

Mudança

Mudança

Doria oficializa transferência de local da Ceagesp e concessão de entrepostos


Recorde de estudantes no Vacathon, o hackathon do movimento Ideas For Milk

Inquietos

Recorde de estudantes no Vacathon, o hackathon do movimento Ideas For Milk

O movimento feminista do agro é por poder

A nova onda

O movimento feminista do agro é por poder

Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio mostra o caminho que elas estão traçando


Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central

Embrapa

Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL


Ligados pelo Araguaia

Movimento

Ligados pelo Araguaia

Na região de Mato Grosso, que já foi chamada de “vale dos esquecidos”, fazendeiros unem forças para provar que produçãocombina, sim, com conservação,intensificação e novos negócios

Aqui não tem carne

Revolução na mesa

Aqui não tem carne

Começou uma verdadeira revolução na produção de alimentos. Carnes vegetais, hambúrguer à base de ervilha, filés feitos com células de boi. Estamos na era dos alimentos sem abates de animais, um negócio que pode movimentar mais de US$ 1 trilhão


Associativismo

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Angus Beef Week terá agenda em São Paulo, Porto Alegre e Curitiba em 2019

Pecuária

Pecuária

Angus Beef Week terá agenda em São Paulo, Porto Alegre e Curitiba em 2019

Prejuízo líquido  cresce 130% no 3º tri para R$ 53,337 milhões

Terra Santa

Terra Santa

Prejuízo líquido cresce 130% no 3º tri para R$ 53,337 milhões

Sementes e agroquímicos

Corteva registra prejuízo líquido de US$ 494 milhões no 3º trimestre

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça

A transformação digital e o agronegócio

Antonio Carlos de Oliveira Freitas

Antonio Carlos de Oliveira Freitas

A transformação digital e o agronegócio

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”


Agroindústria


Agroindústria


X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.