• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias30/11/2021

Guedes: Previsões de recessão em 2022 são exageradas; inflação vai incomodar mais

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo30/11/21 - 14h42min

O ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou como "exageradas" as previsões de que a economia brasileira sofrerá recessão no próximo ano, mas reconheceu que a inflação "vai incomodar mais".

"Inflação está subindo, tipo chato, de choque de oferta, subida de custo, de energia, combustível, energia. É do tipo indigesto, muito ruim, desacelera, sim, por isso não vamos crescer 4,5%, 5%, vai crescer bem menos. Mas partir daí para dizer que vamos ter recessão, é de novo da turma da falsa narrativa. Não é isso que vai acontecer", afirmou Guedes no 93º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), nesta terça-feira, 30.

Para Guedes, não é possível falar em recessão da economia, mas, sim, numa "desacelerada forte". "Juros subindo, justamente para combater a inflação. Está tranquilo quando os juros estiverem na frente da inflação", continuou o ministro, elogiando a atuação de Roberto Campos Neto à frente do Banco Central e afirmando que é do "tempo" em que se derrubava a inflação a "machadada". "Tem toda metodologia de combate baseada nas metas de inflação, nos avisos. A geração antiga derrubava inflação a machadada", afirmou o ministro, que ressaltou o desemprego caindo em "alta velocidade".

Questionado ainda sobre as perspectivas para a construção civil em 2022, Guedes disse que será um ano "com muito barulho político". "Eu acho que vai haver crescimento, mais baixo, porém haverá. Nós, setorialmente, podemos minimizar o impacto se conversarmos. Temos ferramentas, seja alongamento das prestações, dos prazos, para tornar coisa compatível, seja recursos do Auxílio Brasil que vamos dar", disse o ministro, falando ainda em "acelerar um pouco a abertura da economia" em setores que estejam "exagerando nos reajustes".

"Para não deixar um setor explorar o outro só porque está com a economia superaquecida", completou.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
economia