• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias10/08/2021

IBGE vê repasse de alta de custos do empresário para o consumidor final

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo10/08/21 - 13h02min

Diversos fatores explicam os aumentos de preços na economia, como o reajuste de itens monitorados e o repasse por empresários da alta de custos para o consumidor final, afirmou André Almeida, analista do Sistema Nacional de Índices de Preços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo ele, ainda não é possível mensurar se há pressão de demanda sobre a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

"São diversos os fatores que influenciam no movimento de preços. Existe a questão de repasse de custos, altas de energia elétrica, combustíveis, gás. Isso tudo pode influenciar lojista e empresário a repassar esse aumento de custos para o consumidor final", disse Almeida. "O mês de julho teve influência, principalmente, da alta da energia elétrica, gás, combustíveis, passagens aéreas", completou.

O IPCA acelerou de 0,53% em junho para 0,96% em julho. Dentro do índice, a inflação de serviços - usada como termômetro de pressões de demanda sobre a inflação - passou de uma alta de 0,23% em junho para 0,67% em julho. Já a inflação de itens monitorados pelo governo acelerou de 0,81% em junho para 1,68% em julho.

A inflação de serviços acumulada em 12 meses saiu de 2,24% em junho para 3,03% em julho. A inflação de monitorados em 12 meses passou de 12,99% em junho para 13,49% em julho. A taxa do IPCA como um todo acumulada em 12 meses acelerou de 8,35% para 8,99% no período.

O analista do IBGE lembra que os aumentos sucessivos em itens monitorados como a energia elétrica e os combustíveis vêm contribuindo para a aceleração do IPCA em 12 meses, junto com o encarecimento das carnes. "Todos esses fatores contribuíram para aceleração no acumulado em 12 meses", afirmou Almeida.

As carnes ficaram 34,28% mais caras nos últimos 12 meses. A energia elétrica acumula um aumento de 20,09%. A gasolina subiu 39,65% nos 12 meses encerrados em julho, enquanto o etanol aumentou 57,27%.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais