• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias30/08/2021

IGP-M desacelera a 0,66% em agosto, de 0,78% em julho, revela FGV

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo30/08/21 - 08h53min

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou de 0,78% em julho para 0,66% em agosto, informou nesta segunda-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). A inflação acumulada pelo índice em 12 meses cedeu de 33,83% para 31,12% no período. O resultado ficou abaixo da mediana de mercado apurada pelo Projeções Broadcast, que indicava alta de 0,78% para o índice. O piso da pesquisa era de variação de 0,45% e o teto, de 1,42%.

Nas aberturas, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) desacelerou de 0,71% para 0,66%. O indicador acumula alta de 39,97% nos 12 meses encerrados em agosto e de 20,62% em 2021.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) também arrefeceu, de 0,83% em julho para 0,75% em agosto. Em 12 meses, o índice acumula inflação de 8,60% e, em 2021, de 5,05%.

O Índice Nacional de Custos da Construção (INCC-M) desacelerou de 1,24% para 0,56% no período. o indicador acumula alta de 17,05% em 12 meses e de 11,37% no ano.

Três das oito classes de despesa componentes do IPC-M registraram decréscimo em suas taxas de agosto. A principal contribuição foi de Educação, Leitura e Recreação, que passou de 2,16% para 0,53%, puxada por passagem aérea (24,69% para 3,17%).

Também apresentaram alívio em suas taxas de variação os grupos Habitação (1,66% para 1,05%) e Comunicação (0,00% para -0,11%). Neles, os maiores pesos de itens foram de tarifa de eletricidade residencial (5,87% para 3,26%) e combo de telefonia, internet e TV por assinatura (0,02% para -0,26%).

Na direção oposta, cinco classes de despesas avançaram em relação a julho, com destaque para Alimentação (0,59% para 1,17%). A maior pressão veio do segmento de hortaliças e legumes, que passou de deflação de 5,13% para inflação de 5,42%.

Saúde e Cuidados Pessoais (-0,07% para 0,42%), Despesas Diversas (0,06% para 0,19%), Transportes (0,73% para 0,76%) e Vestuário (0,26% para 0,29%) também registraram aceleração na passagem de julho para agosto do IPC-M. As maiores influências nesses grupos partiram de plano e seguro de saúde (-1,27% para 0,42%), serviços bancários (0,01% para 0,24%), etanol (-1,26% para 0,70%) e acessórios do vestuário (-0,14% para 0,46%).

Influências individuais

Segundo a FGV, os itens que mais contribuíram para o alívio do IPC-M em agosto foram cebola (-14,07% para -14,29%), arroz (-1,79% para -1,89%) e mamão papaia (-0,68% para -6,52%). Combo de telefonia, internet e TV por assinatura (0,02% para -0,26%) e alho (-2,39% para -3,34%) completam a lista.

As principais influências individuais de alta foram tarifa de eletricidade residencial (5,87% para 3,26%), gasolina (1,44% para 1,55%) e tomate (2,18% para 4,60%), seguidas por gás de botijão (4,05% para 3,34%) e passagem aérea (24,69% para 3,17%).

IPAs

Os preços ao produtor industrial tiveram deflação de 1,25% no IGP-M de agosto, após alta de 1,50% em julho, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O grupo puxou a desaceleração do IPA-M no período, de 0,71% para 0,66%.

Em movimento oposto, o IPA-M agropecuário também inverteu o sinal e avançou 5,70% no mês, após registrar deflação de 1,33% em julho.

O IPA-M acumula inflação de 39,97% nos 12 meses encerrados em agosto, com altas de 47,91% dos preços ao produtor agropecuário e de 37,0% dos preços ao produtor industrial.

Nas aberturas por estágios de processamento, a desaceleração do índice na margem foi puxada pelas matérias-primas brutas. Os preços do grupo caíram 1,64% em agosto, após alta de 0,09% em julho.

O recuo da taxa foi puxado pelo minério de ferro (2,70% para -15,32%), bovinos (1,73% para -0,34%) e leite in natura (5,74% para 2,32%). Na outra ponta, ajudaram a conter a deflação do grupo a soja em grão (-5,92% para 7,78%), milho em grão (-4,58% para 10,97%) e café em grão (0,04% para 20,98%).

Os bens finais aceleraram de 1,08% em julho para 2,22% em agosto, puxados pelo subgrupo de alimentos in natura (-1,14% para 8,28%). Os bens intermediários também avançaram, de 1,15% em julho para 2,11% em agosto, pressionados por materiais e componentes para a manufatura (0,11% para 1,68%).

As matérias-primas brutas acumulam inflação de 48,27% em 12 meses. Nesta base, a alta é de 25,08% para os bens finais e de 45,27% para os bens intermediários.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
agosto