• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias11/01/2022

Inflação de 2022 deve terminar em patamar bem inferior ao de 2021, diz BC

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo11/01/22 - 17h43min

Após o IPCA ter registrado alta de 10,06% em 2021, muito acima do teto da meta de 5,25% para o ano passado, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, alegou em carta aberta ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que as projeções do órgão apontam para uma queda na inflação já no começo de 2022, chegando a dezembro em um patamar "significativamente" inferior ao de 2021.

No documento, Campos Neto cita as projeções do Relatório Trimestral de Inflação de dezembro, de um IPCA de 4,7% em 2022, 3,2% em 2023 e 2,6% em 2024. Apenas neste ano, a queda projetada pelo BC na inflação é de 5,4 pontos porcentuais. Para 2022, o centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) é de 3,50%, com tolerância de 1,5 p.p. (2,00% a 5,00%).

"O cenário é de convergência da inflação para as metas ao longo do horizonte relevante. Nesse cenário, em 2022, a inflação ainda se mantém superior à meta, embora dentro do intervalo de tolerância, em virtude dos efeitos inerciais da inflação de 2021. Esses efeitos são contrabalançados pela política monetária, embora não de forma integral, em virtude das diferenças temporais entre os impactos inerciais dos choques, de prazo mais curto, e os efeitos da política monetária, mais concentrados no médio prazo", argumenta o presidente do BC na carta.

Campos Neto repete ainda no documento o comunicado da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que elevou a Selic para 9,25% ao ano em dezembro, destacando ser apropriado que o ciclo de aperto monetário avance significativamente em território contracionista. Ele também mantém a sinalização de um novo aumento de 1,5 p.p. na reunião de fevereiro, para 10,75% ao ano. "O Comitê irá perseverar em sua estratégia até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas", repete a carta.

A carta aberta é uma exigência do sistema de metas, quando a inflação fica fora do intervalo de tolerância, para explicar as razões do descumprimento e indicar providências para o retorno à meta, assim como o prazo para que isso ocorra.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
2021