• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias02/06/2022

Inflação e juros elevados impediram alta maior no consumo das famílias, diz IBGE

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo02/06/22 - 14h27min

A demanda reprimida por serviços elevou o consumo das famílias no primeiro trimestre deste ano, mas a inflação e o juro elevado impediram um crescimento maior, segundo Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No primeiro trimestre, o consumo das famílias cresceu 0,7% no primeiro trimestre de 2022 ante o quarto trimestre de 2021. Em relação ao primeiro trimestre de 2021, a alta foi de 2,2% no primeiro trimestre de 2022, a quarta expansão consecutiva nesse tipo de comparação.

Ainda assim, o consumo das famílias está 0,7% abaixo do nível do quarto trimestre de 2019, no pré-pandemia, e 1,2% aquém do pico da série, registrado no primeiro trimestre de 2014.

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurada pelo IBGE, encerrou o mês de março de 2022 com uma alta acumulada de 11,30%. Em abril, subiu a 12,13%. Já a taxa básica de juros, a Selic, está atualmente em 12,75% ao ano. Até meados de março era de 10,75% ao ano. Um ano antes, em meados de março de 2021, a Selic estava em apenas 2,00% ao ano.

"Não fosse inflação e Selic, o consumo poderia ter aumentando mais", afirmou Rebeca Palis. "E o mercado de trabalho está meio de lado ainda. Cresce a ocupação, mas com rendimento em queda. A massa salarial real está muito afetada pela inflação", completou.

Por outro lado, a expansão do crédito e a liberação de recursos do governo para as famílias, como Auxílio Brasil e antecipação do décimo terceiro salário de aposentados e pensionistas do INSS, ajudaram o desempenho positivo.

Rebeca Palis frisou que os saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) só começaram a ser pagos em abril, portanto ainda não influenciaram o PIB do primeiro trimestre.

O avanço de 1,0% registrado no primeiro trimestre de 2022 ante o quarto trimestre de 2021 no PIB do País foi impulsionado pelo desempenho do setor de serviços, segundo o IBGE. O PIB de serviços cresceu também 1,0% no período, e já está 2,2% acima do patamar do quarto trimestre de 2019, no pré-crise sanitária.

"Neste trimestre (primeiro trimestre de 2022), a retomada da demanda por serviços foi bastante importante", apontou Rebeca Palis. "Os serviços estavam bastante represados", acrescentou.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
1º trimestre