• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias27/01/2022

Ingresso de capital externo no país soma US$ 46,4 bi em 2021

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo27/01/22 - 08h25min

Os investimentos estrangeiros diretos (IDP) na economia brasileira somaram US$ 46,441 bilhões em 2021, aumento de 23% em relação a 2020, segundo dados divulgados ontem pelo Banco Central. Dessa forma, foram suficientes para cobrir o rombo das contas externas no ano passado - que foi de US$ 28 bilhões.

O IDP engloba investimentos mais duradouros no País, como em uma nova fábrica ou na ampliação da capacidade de uma instalação já existente. O resultado foi beneficiado pela recuperação dos fluxos de investimento após o impacto mais severo da pandemia na economia mundial em 2020. Mas alguns especialistas observam que a entrada de recursos no País é limitada por problemas internos, como os de natureza fiscal, diante das dúvidas sobre a sustentabilidade das contas públicas.

Em dezembro passado, por exemplo, o fluxo surpreendeu ao fechar com resultado negativo de US$ 3,935 bilhões, o pior da série histórica do BC. No mesmo período de 2020, o montante havia sido positivo em US$ 1,102 bilhão. "Foi um resultado pontual que não se projeta para os demais períodos, não deve se repetir", disse o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha.

Para o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, o fluxo negativo no último mês de 2021 reforça a preocupação dos agentes econômicos com o Brasil, principalmente os investidores internacionais. "Isso é um fato raro de acontecer e mostra justamente a preocupação com o caminhar da carruagem. O risco do governo com o endividamento e flertando com o populismo mexe com as expectativas, e elas vão para o lado negativo."

Setor externo

O Brasil registrou rombo em transações correntes de US$ 28,110 bilhões em 2021, ante US$ 24,492 bilhões em 2020, segundo o BC. Foi o maior déficit para um ano desde 2019 (US$ 65,030 bilhões), conforme a série do BC, iniciada em 1995. O déficit representa 1,75% do PIB.

O resultado de transações correntes, um dos principais indicadores do setor externo do País, é formado pela balança comercial (comércio de produtos entre o Brasil e outros países), pelos serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e pelas rendas (remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior).

Para 2022, o BC estima que o déficit em transações correntes somará US$ 21 bilhões.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
BC/SETOR EXTERNO/DEZEMBRO/IDP/CONSOLIDA