• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias01/12/2021

IPC-S avança a 1,08% em novembro, após 0,77% em outubro, diz FGV

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo01/12/21 - 09h02min

O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) acelerou a 1,08% no fechamento de novembro, após variação de 0,77% em outubro e de 0,96% na terceira quadrissemana do mês. A informação foi divulgada nesta quarta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador acumulou inflação de 9,89% nos 12 meses até novembro, maior que o avanço de 9,73% ocorrido até outubro.

O resultado mensal veio acima do teto da pesquisa Projeções Broadcast, de 1,04%, com mediana de 0,98% e piso de 0,91%. A taxa em 12 meses também superou a expectativa mais alta do levantamento, que tinha estimativas de 9,70% a 9,84% e mediana de 9,80%.

Das oito categorias de despesas que compõem o indicador, quatro avançaram na variação da terceira quadrissemana de novembro para o fechamento do mês, com destaque para Educação, Leitura e Recreação, que saltou de 0,57% para 1,51%. Em outubro, a taxa havia sido de 1,57%. A maior contribuição foi de passagem aérea, cuja variação subiu de 2,88% para 8,87% na comparação quadrissemanal.

Habitação (0,36% para 0,56%), Transportes (2,98% para 3,07%) e Vestuário (0,48% para 0,59%) também registraram avanço ante a terceira quadrissemana. Nessas classes de despesa, houve participações importantes de condomínio residencial (0,28% para 1,43%), etanol (9,83% para 10,61%) e roupas femininas (0,32% para 0,60%), respectivamente.

Na direção oposta, Alimentação (0,78% para 0,66%), Comunicação (0,15% para 0,09%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,21% para 0,16%) e Despesas Diversas (0,22% para 0,20%) tiveram alívio na inflação. Os itens hortaliças e legumes (9,61% para 6,68%), tarifa de telefone residencial (1,38% para 0,25%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,43% para 0,17%) e alimentos para animais domésticos (1,52% para 1,00%) contribuíram para a desaceleração.

Influências individuais

Os itens que mais pressionaram o IPC-S para cima no fechamento de novembro foram gasolina (7,28% para 7,44%), passagem aérea (2,88% para 8,87%) e etanol (9,83% para 10,61%). Condomínio residencial (0,28% para 1,43%) e tarifa de eletricidade residencial (0,19% para 0,63%) completam a lista.

Já leite tipo longa vida (-2,80% para -2,88%), perfume (-0,30% para -0,98%) e banana-prata (-4,59% para -3,59%) tiveram as maiores influências de baixa no resultado quadrissemanal, seguidos por arroz (-0,83% para -1,38%) e costela bovina (-2,32% para -1,87%).

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais