• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Geral27/01/2022

Laranja: levantamento do Fundecitrus mostra diminuição do cancro cítrico em 2021

O número corresponde a 21 milhões de plantas, de acordo com o mais recente levantamento do Fundecitrus

O número corresponde a 21 milhões de plantas, de acordo com o mais recente levantamento do Fundecitrus

(Créditos: Arquivo / Embrapa)
Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo27/01/22 - 08h00min - Atualizado em 27/01/22 - 11h20min

São Paulo, 27 - O cancro cítrico registrou redução de 38% em 2021 em comparação com o ano anterior. A doença está presente em 10,76% das laranjeiras do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro, o que corresponde a 21 milhões de plantas, de acordo com o mais recente levantamento do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus).

Apesar disso, informa o fundo em comunicado, períodos chuvosos exigem atenção ao manejo adequado. "A menor prevalência do cancro cítrico nos pomares não indica que o produtor pode relaxar nas medias de manejo da doença, pois sua fase crítica começa na primavera e vai até o fim do verão", destaca o Fundecitrus.

+ Safra de laranja 2021/22 em SP/MG deve ser de 264,14 milhões de caixas

"Como a ocorrência de chuvas acompanhadas de ventos é a principal forma de disseminação da bactéria que causa o cancro cítrico, a redução da doença já era esperada por causa do clima desfavorável e intensa estiagem no cinturão desde 2020", explicou na nota o pesquisador do Fundecitrus Franklin Behlau.

"É provável que o cancro cítrico continue presente nas propriedades e que, durante o período chuvoso, novas infecções aconteçam se o pomar não estiver adequadamente protegido", alertou Behlau. "Hoje, é possível neutralizar ou minimizar as perdas pelo cancro cítrico utilizando até 70% menos água e produto. Com o avanço das pesquisas, o controle se tornou mais eficiente e sustentável", acrescentou o pesquisador.

A presença da doença foi menor na maioria das regiões em 2021. As maiores incidências estão em Votuporanga (45,78%) e São José do Rio Preto (37,99%), já as menores nas regiões de Altinópolis (0,43%), Itapetininga (1,53%) e Porto Ferreira (1,28%).

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
citricultura no brasil 2020