Economia

Maersk busca 1,8 mil contêineres refrigerados da Ásia para atender setor agrícola

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Segundo a Maersk, os contêineres chegam essa semana e serão distribuídos de acordo com a demanda dos clientes para ajudá-los a manter seus produtos em movimento (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)

São Paulo, 9 – A Maersk, a maior empresa de logística integrada de contêineres do mundo, está trazendo 1.800 contêineres refrigerados vazios de 40 pés da Ásia para ajudar no transporte de frutas e proteína do Brasil. A operação é uma forma de compensar a escassez de contêineres refrigerados no Brasil, algo já esperado pelo setor por causa do atraso das descargas ocorridas em portos congestionados na Ásia durante o auge do surto do corona vírus naquela região.

Segundo a Maersk, os contêineres chegam essa semana e serão distribuídos de acordo com a demanda dos clientes para ajudá-los a manter seus produtos em movimento. Eles serão amplamente distribuídos no Brasil, mas também atenderão clientes de frutas e proteínas na Argentina.

+ Antaq restringe embarque e desembarque nos portos
+ Portos funcionam normalmente, diz Anec 

O congestionamento nos principais portos da China entre fevereiro e março fez esses contêineres serem usados como unidades de refrigeração para proteger as mercadorias brasileiras enviadas para a Ásia.

Segundo a empresa, no atual cenário de crise, a logística reversa se provou ser uma questão importante para o setor global de armadores.

“Essa é uma situação desafiadora para todo o setor marítimo, mas agora a Maersk possui contêineres refrigerados suficientes para ajudar os clientes a manter seus produtos em movimento durante a colheita de frutas e apoiar a demanda robusta da Ásia e do Oriente Médio de proteína brasileira”, diz Roberto Rodrigues, diretor administrativo da Maersk Costa Leste da América do Sul. “Com o real atingindo o valor mais baixo de todos os tempos e a alta do consumo de produtos frescos na Europa, EUA e Ásia, as exportações permanecem fortes.”