• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Negócios30/05/2022

Marketplaces conquistam o produtor

O uso de meios digitais pelo produtor rural subiu de 36% para 46%

(Créditos: Arte: Evandro Rodrigues Sobre fotos Istock)
Lana Pinheiro
Texto por:Lana Pinheiro30/05/22 - 19h41min

Em uma crise há os que choram e os que vendem lenços. A frase, cuja autoria é indefinida, já virou mantra entre os empreendedores, tamanha é sua aplicabilidade no mundo dos negócios. Em tempos de uma das mais graves crises
sanitárias dos últimos tempos, ela caiu com uma luva para o agronegócio. O setor que, acreditava-se, precisava de
uma intensa relação interpessoal para o sucesso de transações comerciais, viu a tendência dos marketplaces —
já comum no varejo — ganhar um espaço impensável há dez ou cinco anos. Alguns fatores fizeram essa nova realidade possível. Entre elas a determinação do produtor de ganhar mercado nacional e internacionalmente a despeito das dificuldades impostas pela pandemia, a rápida aderência do produtor brasileiro a novas tecnologias,
além de grandes marcas como Agrofy, Lavouro e Nutrien resolverem apostar alto nesta nova maneira de oferecer produtos e serviços ao agro brasileiro.

"Em 2006, o produtor nos olhava com desconfiança. Hoje, somos vistos como parceiros”

Primeiro, aos dados. Segundo o estudo A Cabeça do Agricultor na Era Digital, publicado pela McKinsey no ano passado, o uso dos meios digitais no Brasil entre os anos de 2020 e 2021 cresceu de 36% para 46%. O incremento de dez pontos porcentuais é maior do que o registrado nos Estados Unidos que passou de 24% para 31% e na Europa
que foi de 15% para 22%. Essa alta taxa de digitalização do produtor brasileiro, segundo o que disse o professor de Agronegócios do Insper, Marcos Jank, durante o lançamento da pesquisa, acaba com um mito comum quando se fala do setor: a função da internet hoje vai muito além da consulta de preços, como se acreditava no passado. “Na verdade, ele a usa em toda a jornada”, afirmou. Isso significa que os canais on-line são cada vez mais procurados para pesquisar, comprar, avaliar, cotar, comprar, obter suporte e recomprar mercadorias para o campo.

"Para a safra que começa, vamos investir outros R$ 30 milhões [no comércio digital]”

CONCORRÊNCIA Mesmo com plano bem estruturado, a empresa de Maximiliano encontrará desafios pela frente. Um deles é a concorrência. A Lavoro, uma das maiores distribuidoras de insumos para o agronegócio, resolveu entrar de cabeça no comércio digital. Só no ano passado, disse Marcelo Abud, presidente da companhia, foram investidos R$ 15 milhões. “Para a safra que começa, vamos investir outros R$ 30 milhões”.Tudo isso feito com muita cautela para ganhar a confiança do consumidor.

O e-commerce está em toda a jornada do produtor, desde compra de sementes

representantes distribuídos por todos os estados do País. “O objetivo é entregar o que o produtor quer comprar
e tornar o Brasil e a América Latina mais competitivos globalmente”, afirmou Abud.

No mesmo ritmo está a canadense Nutrien, que anunciou investimentos de R$ 600 milhões no Brasil para transformar suas lojas em centros de experiência, criar logística inteligente e entregar produtos e serviços agregados. O esforço, afirmou o presidente da Nutrien América Latina, André Dias, tem um objetivo bem específico: “Estamos em criação e consolidação de um modelo diferente. Vejo aparecendo alguns Walmart [no agro], não vejo ninguém criando a Amazon ou algo pós-Amazon”, disse.

Traduzindo, o executivo quer entregar soluções integradas e digitalizadas aos produtores, principalmente aos de pequeno e médio portes com áreas entre 100 e 3 mil hectares. Esse é o caminho escolhido por Dias, para fazer crescer a receita do País que no ano passado contribuiu com R$ 3 bilhões nos US$ 27,7 bilhões da faturamento global. A competição para quem será o Jeff Bezos do agronegócio brasileiro está aberta, para a sorte do produtor. (Com reportagem de Romualdo Venâncio e Beto Silva)