• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias07/10/2021

Moody’s eleva previsão de preços de petróleo a médio prazo

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo07/10/21 - 09h26min

A agência de classificação de risco Moody's elevou nesta quinta-feira, 7, sua previsão para os preços do barril de petróleo a médio prazo. Agora, a Moody's prevê cotações entre US$ 50 e US$ 70 por barril, mesma estimativa que tinha antes do impacto da pandemia da covid-19 sobre os preços.

Segundo a Moody's, a nova previsão reflete a expectativa de que os custos de produção por barril continuarão a subir, em linha com uma demanda também crescente. "Estamos retomando a faixa de preços de médio prazo que tínhamos antes da pandemia do coronavírus, dado que esperamos que o custo de produção continue a subir em linha com a recuperação na demanda. Também esperamos que uma oferta restrita continue a dar suporte ao aumento dos preços do petróleo", afirma a vice-presidente sênior da Moody's Elena Nadtotchi.

A casa afirma que o setor de exploração e produção ("upstream") continua a investir muito menos que no pré-pandemia mesmo com o salto dos preços de petróleo e gás natural em 2021. Além disso, as empresas do segmento sinalizam que o patamar de investimento seguirá baixo no ano que vem.

Segundo a Moody's, os desembolsos em exploração e produção de petróleo subiram apenas de forma marginal neste ano, após uma queda de 30% em 2020. Este fator, combinado à recuperação da demanda, deve dar suporte aos preços. A agência espera uma "modesta alta" nos investimentos em 2022, mesmo com a cautela demonstrada pelas empresas.

"Nossa análise demonstra que as empresas de exploração e produção precisarão aumentar seus investimentos consideravelmente no médio prazo para repor totalmente as reservas e evitar o declínio da produção no futuro", diz em nota o vice-presidente da Moody's Sajjad Alam.

A agência espera que grandes empresas independentes, assim como as petroleiras integradas e nacionais, mantenham a disciplina de produção em 2022, elevando a oferta de forma gradual para atender a alta da demanda. A velocidade do aumento de oferta, porém, deve variar de acordo com a região do mundo.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
Moodys