Economia

MT encerra colheita de soja e estimativa de produção é mantida, diz Imea

Crédito: Arquivo / Agência Brasil

Segundo o Imea, as regiões que concluíram a colheita do grão na última semana foram o centro-sul do Estado, nordeste e sudeste (Crédito: Arquivo / Agência Brasil)

São Paulo, 20 – A colheita de soja da safra 2020/21 em Mato Grosso foi encerrada na última sexta-feira (16), informou o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), em boletim semanal. Segundo o Imea, as regiões que concluíram a colheita do grão na última semana foram o centro-sul do Estado, nordeste e sudeste.

O instituto manteve a estimativa de produção em 35,74 milhões de toneladas, 0,94% acima do colhido na temporada 2019/20. Desse montante, 10,61 milhões de toneladas devem ser esmagadas pela indústria local, volume 2,33% maior que o do ciclo 2019/20, prevê o Imea. “Apesar do aumento (no processamento local) ante à safra anterior, a estimativa foi reduzida em comparação ao número anterior reportado pelo Imea, (em março) pois a colheita ocorreu mais tarde do que o esperado, com chuvas em excesso prejudicando os trabalhos a campo no fim de fevereiro e início de março”, explica o instituto.

+ Colheita de milho no RS atinge 77% da área e da soja, 54%, diz Emater

Segundo o Imea, esse atraso na colheita da soja fez com que menor volume estivesse disponível para processamento no início do ano, o que pressionou as expectativas de esmagamento para algumas indústrias. Outras 2,41 milhões de toneladas de soja mato-grossense tendem a ser destinadas para indústrias de outros Estados.

Quanto às exportações do Estado, o Imea prevê vendas externas de 22,73 milhões de toneladas, 0,24% mais que o estimado anteriormente pelo instituto. “Aguarda-se um número recorde para o Estado, 1,96% acima do ano anterior, ciclo até então com maiores volumes escoados da história, de 22,29 milhões de toneladas”, destacou o instituto.

Milho

A produção de milho em Mato Grosso deve recuar 1,33% na safra 2020/21 ante a temporada 2019/20, para 34,98 milhões de toneladas, estima o Imea, em boletim semanal. “O atraso na semeadura do cereal, que apresentou 45,34% das áreas cultivadas fora da janela considerada ideal, pressionou as projeções da produção no Estado”, diz o instituto.

Do montante a ser colhido no ciclo 2020/21, o Imea prevê que 11,57 milhões de toneladas sejam direcionadas à indústria local, 16,33% a mais que o processado no ciclo anterior. A alta no consumo local, segundo o instituto, deve-se à demanda firme pelas usinas de etanol que poderá compensar a retração prevista no uso do cereal para o setor animal. Já o volume destinado à exportação deve cair 5,5% para 20,96 milhões de toneladas em 2020/21. Outras 2,45 milhões de toneladas tendem a ser comercializadas para indústrias de outros Estados.

Custo de produção

O custo de produção do milho de alta tecnologia da safra 2021/22 em Mato Grosso subiu em março, disse o Imea. O custo operacional total aumentou 2,77% ante fevereiro, para R$ 3.151,90 por hectare. Só o custeio subiu 3,76%, pautado pelo aumento dos fertilizantes e corretivos (6,56%). O Imea também apontou aumento de 4,56% nas operações mecanizadas. Apesar do aumento, a relação de troca continua favorável ao produtor diante da alta contínua dos preços do cereal, aponta o instituto.

Veja também

+ Restaurante japonês que fez festa de swing lança prato chamado “suruba”
+ Cantor Ovelha abre frangaria em São Paulo com a ajuda de Ratinho
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mineral de Marte raro na Terra é achado na Antártida
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Atriz pornô é demitida de restaurante por causa de “cliente cristão”
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?