Edição nº 163 10.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Não tem dinheiro fácil na agricultura

Não tem dinheiro fácil na agricultura

Pedro Barreto Fernandes, o novo diretor de Agronegócios do Itaú BBA, fala sobre as oportunidades e os desafios do setor

Béth Mélo
Edição 18/07/2017 - nº 149

Nos últimos anos, o Itaú, maior banco privado do País, com ativos da ordem de R$ 1,4 trilhão, passou a intensificar sua atuação no agronegócio por meio do Itaú BBA, a operação voltada ao atacado. A ordem é estreitar relacionamento com todos os setores do agro e não concentrar esforços apenas no segmento de cana-de-açúcar, onde sempre teve uma forte presença. Prova disso é que a instituição financeira criou, no mês passado, uma diretoria voltada exclusivamente ao agronegócio. O responsável por ela é o engenheiro de produção Pedro Barreto Fernandes, 37 anos, profundo conhecedor do campo. “Para ser agricultor, tem que acordar cedo e trabalhar muito para ganhar algum dinheiro”, disse Fernandes à DINHEIRO RURAL. O executivo chegou ao banco em 2002 e se tornou um dos maiores especialistas em bioenergia. Agora, vai comandar uma carteira rural de R$ 14 bilhões. A presença ainda é tímida se comparada ao estatal Banco do Brasil, que encerrou 2016 com R$ 178,9 bilhões. Mas o Itaú BBA quer mudar essa história. “Assim como temos nosso grande atendimento de clientes nos centros urbanos, estamos desenvolvendo uma metodologia para atender ao público rural”, diz Fernandes.

DINHEIRO RURAL – O sr. acaba de assumir a recém-criada diretoria de Agronegócios, um setor que deve ter recorde de produção. Como vê esse cenário de superoferta de commodities?
PEDRO BARRETO FERNANDES – O aumento do volume de grãos faz com que os preços nominais das commodities não sejam tão atrativos. Mas é preciso olhar caso a caso. Para o milho, vimos cenários antagônicos de preços entre a safra passada, com preços elevados, e a safrinha que está sendo colhida. Os preços atuais não são remuneradores em algumas regiões, embora não estejam tão negativos. Já na soja, no ciclo passado, o preço bastante elevado capitalizou os produtores. Neste ano, a comercialização está mais lenta e o preço mais baixo, mas ainda assim é remunerador. A oscilação no preço da soja ainda está no campo do azul e não do vermelho.

RURAL – O que o banco fará para atingir os 700 maiores produtores do país?
FERNANDES – Temos escritórios em dez praças, em dez pólos de produção, focados em grandes produtores de grãos, café e frutas, sendo um em Minas, um no interior de São Paulo e os outros na região do cerrado. Montamos uma estrutura para atender esses produtores. Assim como temos nosso grande atendimento de clientes nos centros urbanos, estamos desenvolvendo uma metodologia para atender ao público rural.

RURAL – Como o sr. analisa os impactos do escândalos políticos da Lava Jato e a delação dos irmãos Batista?
FERNANDES – Para ser agricultor tem que acordar cedo e trabalhar muito para ganhar algum dinheiro. Não tem dinheiro fácil na agricultura. Obviamente, há uma pressão no preço da arroba de boi, pós-delação da JBS, mas esta, talvez, seja a única influência da operação Lava Jato. No nosso caso, em operações de longo prazo, não há nada que vá alterar a nossa estratégia de financiamento para os pecuaristas.

RURAL – E especificamente em relação aos confinamentos?
FERNANDES – Sobre os confinadores, em parte, a gente volta àquilo que chamamos de gestão de risco. Os confinadores que travaram o preço de arroba conseguiram um bom resultado e estão preparados para enfrentar a turbulência. Já os que não cuidaram tanto da precificação, terão uma menor atratividade, reduzindo bastante o volume de confinamento. A única certeza é que os bois serão abatidos e a carne será consumida. Uma eventual diminuição da escala na produção de algum player vai ser compensada por um aumento de turno em outra planta, ou seja, o boi vai ter que andar um pouco mais e a rentabilidade desse ciclo pode ficar comprometida para o pecuarista, caso o preço da arroba fique deprimido por um tempo mais longo. Mas, com exceção do preço da arroba, não existe nenhuma contaminação ou diminuição do apetite dos bancos, do apetite por produtos brasileiros por parte dos compradores ou dos consumidores da carne brasileira. Esse é um setor que anda de uma forma muito independente do governo.

A oscilação no preço da soja ainda está no campo do azul e não do vermelho

indústria: as usinas vêm trabalhando para ter sobra de caixa, visando investimentos no setor da cana-de-açúcar o País caminha para uma safra recorde, com a soja em primeiro lugar entre as commodities produzidas

RURAL – O que deve ocorrer no campo, com o Plano Safra 2017/2018 que começou a valer a partir deste mês?
FERNANDES – Não vemos grande efeito que o plano agrícola possa trazer a uma parte importante do agronegócio. A agricultura empresarial é pouco dependente dos recursos subsidiados. Estes têm um limite por Cadastro de Pessoa Física, o CPF, que vai até R$ 3 milhões. Para a nossa clientela, na safra passada o crédito rural teve um peso inferior a 10% do total captado. O plano impacta pequenos e médios produtores, dada a preponderância do crédito rural no total financiado.

RURAL – Qual é o perfil dos produtores que utilizam os serviços do Itaú BBA?
FERNANDES – A cadeia de açúcar e álcool é a segunda principal em termos de exposição para o banco, depois de energia. Nosso foco são produtores e empresas que processam a partir de três milhões de toneladas. Temos uma exposição de crédito ao redor de R$ 11,5 bilhões. Há três anos, o banco vem se aproximando dos produtores rurais, com foco na soja, no milho, no algodão, no café e na pecuária. Com isso, o banco já tem uma exposição superior a R$ 2,5 bilhões, com uma carteira de 180 clientes ativos. Mas queremos atender os 700 maiores produtores rurais do País até 2022.

RURAL – No setor da cana, no qual o Itaú BBA tem uma presença consolidada, como o sr. analisa a situação das usinas?
FERNANDES – Neste início de safra, olhando a amostra de clientes com os quais trabalhamos, formada por 60 grupos econômicos que processam cerca de 400 milhões de toneladas de cana, vemos uma boa fixação de preço para o ciclo, de até 80% do açúcar a ser produzido. Isso deve garantir boas margens. A safra encerrada em março deste ano, por exemplo, possibilitou uma diminuição de 10% no estoque de dívida e um aumento de geração de caixa de 50%. Nessas usinas, existe uma preocupação grande sobre a geração de caixa nos próximos ciclos, mesmo que os fundamentos do mercado nos leve a acreditar em preço internacional de equilíbrio muito acima do preço atual de mercado.

RURAL – Mas continuam na iminência de serem fechadas ou estão em situação econômica ruim.
FERNANDES – De modo geral, os preços atuais não são remuneradores para os grupos em dificuldade financeira, o que pode levar a uma deterioração ainda maior dos ativos e culminar com o fechamento de mais unidades, em especial as de menor eficiência industrial. No geral, a saúde do setor é boa. As boas usinas têm sido capazes de gerar caixa para renovar o canavial, servir a dívida e ter alguma sobra para remunerar o acionista, ou para investir em novos projetos. Mesmo com o fechamento de usinas, a disponibilidade de cana permaneceu estável nos últimos cinco anos, com as variações que o clima impõe a esse volume. O Brasil deve colher nesta safra 647,6 milhões de toneladas de cana.

Mesmo com o fechamento de usinas, a disponibilidade de cana permaneceu estável nos últimos cinco anos

Indústria: as usinas vêm trabalhando para ter sobra de caixa, visando investimentos no setor da cana-de-açúcar

RURAL – Mas o etanol não é fator de desequilíbrio?
FERNANDES – Sim, por isso aguardamos com apreensão as medidas que o governo tomará para regular a sua importação. Especificamente no Nordeste, a entrada de produto estrangeiro tem prejudicado a performance das usinas e o preço do etanol, com reflexos no Centro-Sul pela remessa entre essas duas regiões. Esse desequilíbrio gera volatilidade, diminuindo a rentabilidade, a previsibilidade de preços e traz riscos ao atendimento da demanda. Porque enquanto o preço é vantajoso ao produtor brasileiro, o governo está trazendo o etanol de milho dos Estados Unidos.

RURAL – Qual o futuro do setor?
FERNANDES – Podemos ter dois cenários. Sem o RenovaBio, programa que visa atender uma demanda futura de combustíveis para veículos leves (leia mais na pág. 30), a moagem de cana do Brasil deve ficar estável ou crescer até 3% nos próximos anos. Isso é inferior a 10 milhões de toneladas por ano, com produção mais voltada para o açúcar. No outro cenário, com uma política de longo prazo, as empresas podem retomar os planos de expansão, através da ampliação e da construção de novas unidades.

RURAL – Como o sr. analisa a saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris, que versa sobre o clima do planeta e que por isso afeta o agronegócio?
FERNANDES – Acredito que o governo americano, no futuro, voltará a seguir uma série de obrigações ambientais. Isso porque o país é o segundo maior emissor de gases de efeito estufa. O Estados Unidos haviam assumido o compromisso de reduzir 25% de suas emissões até 2025, além de contribuir com US$ 3 bilhões até 2020, dos quais liberou só US$ 1 bilhão. O governo brasileiro ratificou o acordo, mesmo com o anúncio do presidente Donald Trump. Para o Brasil, é importante a participação nesse acordo, para mostrar ao mundo a preservação de sua cobertura vegetal.

RURAL – Trump teria força para barrar esse tratado do clima, como fez com o acordo comercial multilateral, o chamado Transpacífico, anulado por ele?
FERNANDES – Uma das poucas certezas com relação ao governo do presidente americano Donald Trump é a sua imprevisibilidade. Acredito que teremos que aguardar novos eventos para avaliar os efeitos de sua política no campo da sustentabilidade. Trump havia, por exemplo, assumido em campanha o compromisso de incentivar o mercado de etanol, mas parece que já abandonou a ideia.

Os vencedores de 2018

Os vencedores de 2018

Conheça as empresas, cooperativas e produtores rurais que se destacaram em práticas sustentáveis de gestão financeira e corporativa


Campeã em Agronegócio Direto Conglomerado

BRF

Campeã em Agronegócio Direto Conglomerado

Campeã em Gestão Corporativa em Agronegócio Direto Grupo Especial

TEREOS

Campeã em Gestão Corporativa em Agronegócio Direto Grupo Especial


Cooperativa paranaense é vencedora entre as Mega Cooperativas

COAMO

Cooperativa paranaense é vencedora entre as Mega Cooperativas

Campeã em Agronegócio Indireto Conglomerado

AMBEV

Campeã em Agronegócio Indireto Conglomerado


Genética Aditiva é campeã em Genética Nelore

Genética Aditiva é campeã em Genética Nelore

Fazenda 3R é campeã em Gado de Produção

Fazenda 3R é campeã em Gado de Produção

Granja do Cedro é campeã em Produção de Aves

Granja do Cedro é campeã em Produção de Aves

Fazenda Figueiredo é campeã em Gado Leiteiro

Fazenda Figueiredo é campeã em Gado Leiteiro

Lourenço Miguel Campo é o destaque em Leilões

Lourenço Miguel Campo é o destaque em Leilões

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro

Meio ambiente

Meio ambiente

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro


Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

cacau

Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

Açúcar e Bioenergia

Biosev tem prejuízo de R$ 155,567 milhões no 2º trimestre da safra 18/19

São Martinho:

Não há planos no curto prazo de grandes investimentos

Máquinas Agrícolas

CNH Industrial registra no 3º tri lucro de US$ 231 mi, alta de 285%


Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups

No campo

No campo

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups


Especial - Logística em pauta

Uma nova ordem nas estradas

Frete

Frete

Uma nova ordem nas estradas

O tabelamento do frete impõe novos desafios para empresas e produtores rurais. Saiba quais são as estratégias para superar esse jogo

A linha de montagem do futuro

Indústria

A linha de montagem do futuro

Como as indústrias estão criando caminhões cada vez nais seguros e inteligentes

Inteligência artificial nas estradas

revolução digital

Inteligência artificial nas estradas

Como a revolução digital pode livrar os nós logísticos do País

Os trilhos do desenvolvimento

Novos caminhos

Os trilhos do desenvolvimento

Ainda pequeno, o modal ferroviário tem um grande potencial para elevar o fluxo logístico nacional

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

Ampliando a capacidade produtiva

Ampliando a capacidade produtiva

Cooperativas agrícolas do País apostam no crédito rural para agregar valor ao produto e sair na frente na corrida por inovações sustentáveis

De olho no custeio antecipado

De olho no custeio antecipado

Com preços em queda e boas taxas de crédito, produtores rurais podem apostar na antecipação da compras de insumos para a safra 2018/2019

O PoupaTerra do século 21

Plantio Direto

Plantio Direto

O PoupaTerra do século 21

O produtor paranaense Franke Djikstra é um dos pais da técnica de plantio direto, um sistema conservacionista que ajuda o agricultor a melhorar a produtividade de sua lavoura e no qual o brasil é o campeão mundial, com 32 milhões de hectares. Saiba como sua adoção pode significar uma economia de pelo menos R$ 12,3 bilhões por safra

O caçador de negócios

Domingo Lastra

O caçador de negócios

Conheça a estratégia da trading americana Archer Daniels Midland, companhia global que fatura US$ 60 bilhões e que tem apostado em uma nova gestão corporativa para continuar crescendo no Brasil

A super cooperativa

Castrolanda, Frísia e Capal

A super cooperativa

As paranaenses Castrolanda, Frísia e Capal investiram quase R$ 700 milhões em um projeto para industrializar leite, processar suínos e moer trigo. Conheça o modelo inédito de intercooperação, que reúne 4,5 mil produtores e que fatura R$ 1,8 bilhão por ano

A corrida da bioenergia

Rafael Chang

A corrida da bioenergia

Pela primeira vez na história, uma montadora desenvolveu um carro híbrido que funciona movido a etanol e a eletricidade. saiba o que a Toyota e outras gigantes, como Raízen, Tereos e Copersucar, estão fazendo para tornar a matriz energética brasileira cada vez mais sustentável

Mais perto do campo

Octavio de Lazzari

Mais perto do campo

Os maiores bancos comerciais se aproximam cada vez mais do agronegócio. Saiba o que eles têm feito para atrair os produtores e conquistar definitivamente um lugar no segmento mais pujante da economia brasileira

A conquista do mundo

Paulo de Castro Marques

A conquista do mundo

Um campo para as franquias

José Carlos Semenzato e João Arantes Júnior

Um campo para as franquias

O empresário José Carlos Semenzato fez fortuna no mundo do franchising. Agora, ele quer transportar essa experiência para o agronegócio e se tornar vendedor de genética bovina. Conheça seus planos


Entrevista

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho

Jacyr Costa Filho

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho, diretor do grupo Tereos Brasil e presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp, fala sobre as eleições no País e o ambiente de negócios para o setor

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, da Cargill

Luiz Pretti, da Cargill

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, CEO da Cargill, fala sobre os planos e os desafios da companhia


O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun

O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun, presidente da americana Corteva Agriscience no Brasil, divisão agrícola da DowDuPont, fala sobre o bilionário mercado de defensivos e sementes

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil  não sabe o que quer da China

Marcos Jank

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil não sabe o que quer da China

Marcos Sawaya Jank, da Asia Brazil Alliance, fala de comércio internacional e dos desafios do País lá fora


Céu compartilhado

Aviação agrícola

Céu compartilhado

Como a aviação agrícola vai dividir suas tarefas com os drones

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

Blockchain

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

O Blockchain está chegando para mudar as relações no agronegócio. Agora, é preciso entender o que a ferramenta pode fazer por uma propriedade


Mulheres do Agronegócio


Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Cenário

Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Em levantamento da Corteva Agriscience, Divisão Agrícola da DowDuPont, produtoras rurais dizem que há progresso das mulheres no agro, mas ainda é lento. Disparidade financeira, falta de reconhecimento e pouco acesso a treinamentos são os principais entraves. No Brasil, 78% afirmam que existe discriminação de gênero

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas

Evento

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas


Uma mulher à frente de seu tempo

Alida Bellandi

Uma mulher à frente de seu tempo

Como Alida Bellandi tomou as rédeas de sua carreira e se tornou presidente da Guarany, empresa de equipamentos agrícolas. Ela é uma das poucas executivas do agronegócio que chegou ao topo da carreira

A hora da virada

Álvaro Peixoto

A hora da virada

Por que executivos deixam companhias globais para trabalhar em empresas de menor porte e com menos exposição no mercado

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

José Luiz Tejon

José Luiz Tejon

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Carlos Dutra

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Fernando Sampaio

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

Carlos Alberto Forcelini

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.