• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Economia25/05/2022

Naufrágio logístico

Romualdo Venâncio
Texto por:Romualdo Venâncio25/05/22 - 17h01min

ALTO CUSTO

De um simples aparelho eletrônico até um contêiner de carne bovina, 90% de todo o comércio internacional é feito por navios. A logística acaba sendo, portanto, importante termômetro do mercado global e da economia. Uma prova é que o transporte marítimo mostra os impactos sofridos pela sequência de fenômenos que iniciou com a pandemia da Covid-19 e seguiu com a guerra no leste europeu. Falar sobre essa desastrosa combinação gera uma sensação de estar navegando em círculos, mas é a dura realidade. E quanto mais tempo persistir o conflito entre Rússia e Ucrânia, mais difícil será ter qualquer previsão de normalidade nos mares e oceanos.

Durante os dois primeiros anos de pandemia (por mais branda que esteja, ainda não terminou), com o aumento da demanda pelo comércio marítimo, o tempo para completar as rotas ficou maior. De acordo com o advogado sócio do escritório RC Law, Larry John Rabb Carvalho, antes da Covid um contêiner viajava quatro vezes entre a China e a costa do Pacífico. Agora a frequência caiu a menos de duas. “Exatamente por conta dos gargalos nos portos, e isso aumenta o frete”, afirmou.

Essa alta dos preços de frete é confirmada pela plataforma Costdrivers: o índice Harpex de preços de transporte de contêiner cresceu 43,62% em 2020; no ano passado, o aumento chegou aos três dígitos, alcançando 268,46%. Conforme o economista da empresa, Rodrigo Scolaro, no primeiro trimestre de 2022 a variação acumulada foi de 20%. “A previsão para 2023 segue de encarecimento, ainda que menos expressivo”, afirmou.

Os ataques à Ucrânia acertaram em cheio o transporte marítimo, literalmente. O início do conflito provocou o fechamento do Mar de Azov. Em seguida, o Porto de Odessa, ponto estratégico do comércio internacional no Mar Negro, também virou alvo. “Cerca de 30% de todo o transporte de grãos passa por ali”, disse Larry Carvalho. Os russos têm intensificado os bombardeios na cidade. “O cenário que era para melhorar acabou piorando.”

A pane na logística bate forte em setores como o de grãos, o de insumos (com destaque para os fertilizantes), o de carnes e também o de autopeças para máquinas agrícolas. A Rech, considerada a maior rede do segmento, enfrenta problemas com os altos preços de frete. “O ano passado começou um pouco mais difícil, pois o custo de um contêiner de 20 pés vindo da Ásia para o Brasil chegou US$ 12 mil. Este ano já conseguimos a US$ 6,5 mil”, afirmou o diretor comercial da empresa, Renato Donaton. O quadro só não é mais complicado porque a empresa mantém estoque de prazo mais longo. “Procuramos trabalhar com seis meses à frente.”

“A frota marítima global de cerca de 30 mil navios está envelhecendo, e a revonação não acontece de imediato”

Essa situação toda acaba agravando um problema que já vinha ocorrendo há mais tempo. De acordo com Larry Carvalho, do RC Law, a frota marítima global, que é de aproximadamente 30 mil navios, está envelhecendo e o processo de reposição e expansão da quantidade de navios não é algo que acontece de imediato. “É como construir um prédio, demora dois ou três anos para ficar pronto”, afirmou o advogado.

Ainda assim, há quem esteja conseguindo bons resultados em meio a esse turbilhão. É o caso da TCP, administradora do Terminal de Contêineres de Paranaguá, uma das principais conexões do Brasil com o mercado internacional. “Apesar da crise de falta de contêineres que atingiu todos os principais portos do mundo, a TCP continua aumentando sua capacidade de movimentação”, disse o diretor comercial e institucional do Terminal, Thomas Lima. Em 2021, foram mais de 1,1 milhão de TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés), volume 12% acima do registrado em 2020 e um recorde para a empresa.