As Melhores da Dinheiro Rural 2018

Noite de gala do agronegócio

Editora Três apresentou os ganhadores do prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL 2018

Crédito: Claudio Gatti

Flavio Vargas, CFO da Camil, recebeu o troféu de Empresa do Ano (Crédito: Claudio Gatti)

Carlos José Marques, diretor editorial da Editora Três destacou os 15 anos da revista Dinheiro Rural na busca por histórias de sucesso do setor agropecuário (Crédito:Marco Ankosqui)

O agronegócio nacional seguiu na trilha dos recordes de produção e de superação de obstáculos no ano passado. Não por menos, é o setor que mais deve crescer nos próximos 10 anos. Nas lavouras, de um resultado de 228,3 milhões de toneladas na safra 2017/2018 de grãos, a expectativa é de que o País chegue a 354,8 milhões de toneladas, segundo as projeções do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Na pecuária, a produção de carne de frango, bovina e suína sairia de 27 milhões de toneladas para 34,2 milhões de toneladas. As rédeas desse futuro promissor do campo estão nas mãos de empresas, cooperativas agropecuárias e produtores rurais que buscam a superação de seus resultados.

Foi desse grupo, que a Editora Três selecionou as grandes campeãs do prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL, no dia 11 de dezembro, na capital paulista. O evento foi criado em 2013, para mostrar os grandes agentes do setor que sustenta a economia brasileira. “Nós acompanhamos, ao longo desses 15 anos da DINHEIRO RURAL, grandes histórias de sucesso”, disse Carlos José Marques, diretor editorial da Editora Três. “É uma honra e um orgulho poder homenageá-las”.

O evento contou com a presença do ex-ministro da Agricultura, o agrônomo Roberto Rodrigues, coordenador do Centro de Agronegócios da Fundação Getúlio Vargas e Embaixador Especial da FAO para o Cooperativismo. “Celebrar o agronegócio é sempre preciso”, disse Rodrigues. “É um dos trabalhos mais importantes do planeta.” A Camil Alimentos venceu como a Empresa do Ano. Além disso, foi campeã na categoria Agronegócio Direto – Grupo Especial e no setor Grãos. Com sede na capital paulista, a Camil se tornou a maior empresa processadora de grãos inserida no mercado varejista, com o beneficiamento de arroz e feijão. A companhia também está no mercado de açúcar e pescados. “Um reconhecimento como esse é muito importante, porque o ano foi de muitas conquistas e desafios”, declarou o engenheiro mecânico Flavio Vargas, CFO da Camil. “Não foi fácil para ninguém, mas conseguimos bons resultados.” Em 2017, a Camil faturou R$ 4,6 bilhões, o dobro de cinco anos antes.

GRANDES VENCEDORAS Além da Camil, 23 empresas e cooperativas foram premiadas, das quais 19 receberam os grandes prêmios: BRF, Cargill, Tereos Açúcar e Energia Brasil, Anaconda, Laticínios Jussara, Gonçalves Salles, Agrícola Xingu, Ambev, Bayer, Ihara, DSM Tortuga, Albaugh, Phibro Saúde Animal Brasil, Duratex Florestal, Coamo, Coopercitrus, Coagril, Cooperja e Ambev. O prêmio contemplou 11 destaques nos setores de atuação: Camil (Grãos), Copersucar (Açúcar e Bioenergia), Ihara (Agroquímicos e Fertilizantes), Minerva Foods e Barra Mansa Alimentos (Frigoríficos), Gonçalves Salles (Laticínios), Jacto (Máquinas e Equipamentos Agrícolas), Anaconda (Moinhos, Massas e Pães), Phibro Saúde Animal Brasil (Nutrição Animal), Cargill (Óleos Vegetais).

Os prêmios foram para Eduardo Coelho, da Genética Aditiva, em Campo Grande (MS), na categoria Genética Nelore; Augusto Caldeirão, da Brangus Santa Cruz, Tapejara (PR), na categoria Genética Rebanho Nacional; Rubens Catenacci, da Fazenda 3R, em Figueirão (MS), em Gado de Produção; André Luiz Perrone, da Companhia Agropecuária Monte Alegre, de Barretos (SP), na categoria Confinamento; BBQ Secrets, de Roberto Barcellos e Luciano Pascon, em Lençóis Paulista (SP), como Marca de Carne; Jonadan Ma, da Fazenda Boa Fé, em Conquista (MG), por Fazenda Sustentável; Reinaldo Figueiredo e Luiz Carlos Figueiredo, da Fazenda Figueiredo, em Cristalina (GO), na categoria Gado Leiteiro; Marilei Schoeler Della Pasqua, da Granja do Cedro, de Missal (PR), como Produção de Aves; Diego Schoeler, da Schoeler Suínos, em Piraí do Sul (PR), na categoria Produção de Suínos; e Lourenço Miguel Campo, diretor da Central Leilões, de Araçatuba (SP), no segmento de Leilões.

 

AGRONEGÓCIO INDIRETO
As empresas que atuam na produção de insumos, dando suporte ao crescimento do setor, também foram premiadas pela dinheiro rural

Destaques da pecuária
A seleção dos melhores produtores rurais do País que fazem o setor de proteína animal ganhar cada vez mais lucratividade