Edição nº 170 20.06 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Nos próximos cinco anos, o Brasil vai parar de vacinar bovinos

Divulgação

Nos próximos cinco anos, o Brasil vai parar de vacinar bovinos

Guilherme Henrique Figueiredo Marques, diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa, fala sobre os próximos passos para a erradicação total da febre aftosa no País

Fábio Moitinho
Edição 06/08/2018 - nº 160

Dentro de cinco anos, o Brasil poderá integrar um seleto grupo, hoje formado por 68 países. Entre eles estão potências globais, como os Estados Unidos, a Alemanha e o Canadá, e também vizinhos como o Chile, o Peru e até o Suriname. Esses países são considerados zonas livres de febre aftosa sem vacinação, certificados pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE, na sigla em inglês), com sede em Paris. O trabalho não será fácil para uma doença transmitida por vírus e que pode levar à morte bovinos e também bubalinos, ovinos, caprinos, suínos e animais silvestres. Até aqui, o País já lutou por quase seis décadas para erradicar a doença do rebanho bovino. Só para comparação, os americanos realizaram tal tarefa em 1929. “De forma gradual, a meta é parar de vacinar o gado”, diz o médico veterinário Guilherme Henrique Figueiredo Marques, 48 anos, diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e representante do Brasil na OIE. Marques vai comandar os 18,5 mil servidores nessa tarefa, em 5,5 mil escritórios de vigilância sanitária no País. Dono de um mercado global da ordem de US$ 6,3 bilhões em exportações, o Brasil poderia ganhar mais se a febre aftosa, ou a presença atenuada do vírus em vacinas, não fosse um impeditivo para que muitos países ainda deixem de comprar carne aqui ou a desvalorize por questões sanitárias.

DINHEIRO RURAL – Por que o Brasil demorou tanto tempo para ter o status de país livre de febre aftosa, embora ainda com vacinação?
GUILHERME HENRIQUE FIGUEIREDO MARQUES – Porque, até no início da década de 1990, a OIE apenas reconhecia livre da doença um país como um todo. Essa condição somente foi alcançada pelo Brasil neste ano. O País se tornou o maior exportador de carne bovina porque em 1992 a OIE estabeleceu uma nova regra internacional. Por ela, foi possível dividir o Brasil em zonas livres e ir solicitando o reconhecimento por etapas. Aos poucos, foram criadas as zonas livres com vacinação, um trabalho de quase 60 anos. Foi muito tempo, sim, especialmente porque somos um país continental, com 220 milhões de bovinos que se tornou o maior rebanho comercial do mundo. Se a regra de 1990 tivesse sido mantida, somente a partir de agora o País passaria a ser um grande exportador para muitos mercados.

Vasto campo: o País é dono do maior rebanho comercial de bovinos do mundo, com 218,2 milhões de animais (Crédito:Divulgação)

RURAL – Em valores, o que a aftosa significa ao País?
MARQUES – Por ano, significa cerca de US$ 1 bilhão gastos com controle sanitário. Os produtores são os que mais contribuem, com cerca de 70% desse valor. Mas é um investimento que tem retorno. Para cada US$ 1 investido no controle da aftosa, retornam US$ 30 para a cadeia, através das exportações. É o projeto de maior êxito que o Brasil já realizou na pecuária. Esse retorno é muito maior que o de qualquer usina hidrelétrica já instalada no País.

RURAL – Cinco anos serão suficientes para tornar o Brasil livre da doença, sem vacinar o rebanho?
MARQUES – Sim. O reconhecimento da última zona livre de aftosa com vacinação, os Estados de Roraima, Amazonas e Amapá e parte do Pará, era a peça que faltava no quebra-cabeça do projeto que o governo vinha, gradativamente, colocando em prática. Regras foram estabelecidas e avançamos. Hoje, o País possui um sistema veterinário satisfatório, com profissionais treinados para a tarefa. Aliás, essa é uma exigência e um pré-requisito para poder fazer jus ao reconhecimento que alcançamos na OIE.

RURAL – Qual deve ser o próximo passo?
MARQUES – O próximo passo já está definido desde o fim do ano passado. É um plano estratégico para mais dez anos. De forma gradual, nos próximos cinco anos, o Brasil vai parar de vacinar bovinos. Nos cinco anos seguintes vamos fazer um monitoramento fino da situação, o que vai exigir do Ministério da Agricultura uma equipe técnica ainda mais fortalecida. Quando se retira a vacinação, o risco de um eventual surto é maior. Por isso, é preciso um total controle de fronteira com outros países e um sistema muito eficiente de comunicação na notificação de um surto.

RURAL – O atual time de fiscais será capaz de cumprir essa tarefa?
MARQUES – Sim, mas precisamos ir além. Hoje, cerca de 8,5 mil servidores públicos trabalham na área de vigilância sanitária em todo o País. É um exército que pode chegar a qualquer propriedade rural em um prazo máximo de até 12 horas. Se houver uma notificação de suspeita de uma doença, o governo vai saber. Aliás, criamos um sistema robusto e capaz de vigiar não somente a aftosa, como outras doenças críticas que podem acometer os animais, entre elas a brucelose e a febre do Nilo em equinos. Mas a vitória sobre a febre aftosa tem um gosto muito especial, porque ela se tornou um divisor de águas.

RURAL – Divisor de águas em que sentido?
MARQUES – A aftosa é uma enfermidade emblemática e pode causar um alto impacto comercial e econômico. Todo país no mundo, que tem um serviço veterinário confiável e quer agregar valor aos seus produtos, é reconhecido como livre sem vacinação. A presença da febre aftosa é o que realmente separa um país subdesenvolvido de um desenvolvido, porque hoje já existem excelentes vacinas, além de estudos de epidemiologia que podem erradicar a doença. Conseguimos tirar o Brasil dessa condição, mas não podemos parar porque corremos o risco de a qualquer momento ter uma reaparição da doença. Vale lembrar que o último surto da doença foi em 2006.

Embarque garantido: no ano passado, o Brasil exportou 1,5 milhão de toneladas de carne bovina, por US$ 6,3 bilhões (Crédito:MÁRCIO FERNANDES)

RURAL – Onde estaria esse risco?
MARQUES – Nos vizinhos, principalmente.
Ele estaria na Venezuela e na Colômbia. São os mais arriscados países da América do Sul. A Venezuela tem em torno de dois milhões de bovinos e a Colômbia cerca de 13 milhões. Não há um reconhecimento internacional da Venezuela como país livre da aftosa, pela dificuldade político-econômica que passa o país. É bem provável que possa estar ocorrendo algum foco por lá e isso é muito preocupante. Já na Colômbia houve a detecção de um foco de aftosa no ano passado.

RURAL – Colocar outros países além do Brasil nessa conta não é um exagero?
MARQUES – Não, porque nós ainda não acabamos com a doença, acabamos com a circulação do vírus no País. Isso significa que nossa tarefa é redobrar as atenções nas barreiras primárias, que são aquelas em fronteira com outros países e em aeroportos, para coibir qualquer ação de bioterrorismo. Há interesse de diversos setores, que não vou nomear, para que seja mantida a vacinação por muitos anos. O governo tem monitorado isso, sistematicamente. As ameaças nessa área sanitária podem vir até de outros países que competem com o Brasil nas exportações de carnes.

RURAL – Episódios como o da Carne Fraca não arranham a imagem do sistema de fiscalização sanitária do País?
MARQUES – De forma alguma. O que foi colocado em xeque foi a imagem do País e não o que de fato aconteceu. A carne brasileira não é fraca, a carne é forte. O que aconteceu foi uma atuação errônea de alguns funcionários do Mapa, os quais já penalizados. Estamos falando de 12 pessoas,
contra um universo de 18,5 mil funcionários. Então, não é justo transferir esse peso a todo o sistema. Acredito que no atual embate internacional, há que prevalecer o reconhecimento do trabalho de vigilância sanitária nacional.

RURAL – No futuro, o que aconteceria com o Brasil, caso houvesse um surto, já que a indústria veterinária deve parar a produção de vacinas?
MARQUES – Nada muda no modo de agir. Temos um plano estratégico de contingência da doença e já realizamos simulações de emergências sanitárias. O plano estratégico prevê a criação de um banco com estoque de cerca de 450 milhões de doses de vacina. Além disso, também haverá laboratórios que manterão um banco de antígenos, que é a matéria-prima da vacina. Há muitas indústrias interessadas em cuidar dessa tarefa para o governo. No entanto, é uma interpretação equivocada acreditar que a vacina é a tábua da salvação. Ela é apenas um instrumento importante quando se tem mais de seis mil focos da febre, como já ocorreu com o Brasil no passado. Hoje não temos mais isso. Mas, caso haja algum surto, vacina é o que não vai faltar. A peste clássica suína é um exemplo prático disso. Há cerca de dez anos a doença foi erradicada no País e não vacinamos mais os
animais. Todavia, há uma indústria que mantém o estoque estratégico e que também exporta a vacina para outros países.

 Piso mínimo do frete tem que dar a adequada retribuição ao caminhoneiro

CNTA

CNTA

Piso mínimo do frete tem que dar a adequada retribuição ao caminhoneiro

Colheita da safra 2018/19 deve ser recorde, diz governo

Argentina

Argentina

Colheita da safra 2018/19 deve ser recorde, diz governo

 efeito da geada em cafezais ainda pode influenciar preço

INTL FCStone

efeito da geada em cafezais ainda pode influenciar preço

Colheita de café da safra 2019 alcança 66,40% até 12 de julho

Cooxupé

Colheita de café da safra 2019 alcança 66,40% até 12 de julho

Santa Catarina exporta 56% mais no primeiro semestre do ano

Carnes

Santa Catarina exporta 56% mais no primeiro semestre do ano

CNA

Conselho do Agro debate PL que regulamenta terras para estrangeiros

Energia

Produtor de Santa Catarina deve fazer recadastramento para garantir tarifa rural

Soja

Agricultura publica portarias com regras para zoneamento climático

São positivas prévias para resultados de JBS, BRF e Marfrig

BB-BI:

BB-BI:

São positivas prévias para resultados de JBS, BRF e Marfrig

Biocombustíveis

São Martinho coloca em consulta pública dados da Usina Iracema

McDonald’s

Empresa amplia compra de carne proveniente da pecuária sustentável

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

Recursos do Funcafé liberados na safra 2018/19 atingem recorde de R$ 3,5 bilhões

Café

Café

Recursos do Funcafé liberados na safra 2018/19 atingem recorde de R$ 3,5 bilhões

FGV

Indicador Antecedente da Economia sobe 0,9% em junho

Internacional

Países se comprometem a impulsionar economia verde no continente

Pequenos

Relatório de crédito extra eleva em R$ 80 milhões recursos ao Pronaf

BRF vai reutilizar 100% de água na fábrica de Abu Dabi

Internacional

Internacional

BRF vai reutilizar 100% de água na fábrica de Abu Dabi


Educação sem limites

Qualificação

Educação sem limites

Cada vez mais, o ensino À distância é utilizado no agronegócio, que passa a trabalhar com sofisticadas estratégias de análise e interpretação de dados

Cresce a procura por profissionais mais sêniores no agronegócio

Michael Page

Cresce a procura por profissionais mais sêniores no agronegócio

Consultoria aponta alta de 40% por executivos capazes de liderar grandes projetos


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção


Governo publica novas normas para importação de animais e genética

Mercosul

Governo publica novas normas para importação de animais e genética

Expectativa é comprovar importância da tecnologia

rallydapecuaria

Expectativa é comprovar importância da tecnologia


Grandes Feiras do Agronegócio


Grandes Feiras do Agronegócio

“Jovens brasileiros, preparai-vos!”

Luiz Tejon Megido

“Jovens brasileiros, preparai-vos!”

A importância da alimentação balanceada

Prevenção de doenças

A importância da alimentação balanceada

A tecnologia salva o produtor e o ambiente

Leandro Aranha

A tecnologia salva o produtor e o ambiente

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.