Edição nº 163 10.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Nos próximos cinco anos, o Brasil vai parar de vacinar bovinos

Divulgação

Nos próximos cinco anos, o Brasil vai parar de vacinar bovinos

Guilherme Henrique Figueiredo Marques, diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa, fala sobre os próximos passos para a erradicação total da febre aftosa no País

Fábio Moitinho
Edição 06/08/2018 - nº 160

Dentro de cinco anos, o Brasil poderá integrar um seleto grupo, hoje formado por 68 países. Entre eles estão potências globais, como os Estados Unidos, a Alemanha e o Canadá, e também vizinhos como o Chile, o Peru e até o Suriname. Esses países são considerados zonas livres de febre aftosa sem vacinação, certificados pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE, na sigla em inglês), com sede em Paris. O trabalho não será fácil para uma doença transmitida por vírus e que pode levar à morte bovinos e também bubalinos, ovinos, caprinos, suínos e animais silvestres. Até aqui, o País já lutou por quase seis décadas para erradicar a doença do rebanho bovino. Só para comparação, os americanos realizaram tal tarefa em 1929. “De forma gradual, a meta é parar de vacinar o gado”, diz o médico veterinário Guilherme Henrique Figueiredo Marques, 48 anos, diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e representante do Brasil na OIE. Marques vai comandar os 18,5 mil servidores nessa tarefa, em 5,5 mil escritórios de vigilância sanitária no País. Dono de um mercado global da ordem de US$ 6,3 bilhões em exportações, o Brasil poderia ganhar mais se a febre aftosa, ou a presença atenuada do vírus em vacinas, não fosse um impeditivo para que muitos países ainda deixem de comprar carne aqui ou a desvalorize por questões sanitárias.

DINHEIRO RURAL – Por que o Brasil demorou tanto tempo para ter o status de país livre de febre aftosa, embora ainda com vacinação?
GUILHERME HENRIQUE FIGUEIREDO MARQUES – Porque, até no início da década de 1990, a OIE apenas reconhecia livre da doença um país como um todo. Essa condição somente foi alcançada pelo Brasil neste ano. O País se tornou o maior exportador de carne bovina porque em 1992 a OIE estabeleceu uma nova regra internacional. Por ela, foi possível dividir o Brasil em zonas livres e ir solicitando o reconhecimento por etapas. Aos poucos, foram criadas as zonas livres com vacinação, um trabalho de quase 60 anos. Foi muito tempo, sim, especialmente porque somos um país continental, com 220 milhões de bovinos que se tornou o maior rebanho comercial do mundo. Se a regra de 1990 tivesse sido mantida, somente a partir de agora o País passaria a ser um grande exportador para muitos mercados.

Vasto campo: o País é dono do maior rebanho comercial de bovinos do mundo, com 218,2 milhões de animais (Crédito:Divulgação)

RURAL – Em valores, o que a aftosa significa ao País?
MARQUES – Por ano, significa cerca de US$ 1 bilhão gastos com controle sanitário. Os produtores são os que mais contribuem, com cerca de 70% desse valor. Mas é um investimento que tem retorno. Para cada US$ 1 investido no controle da aftosa, retornam US$ 30 para a cadeia, através das exportações. É o projeto de maior êxito que o Brasil já realizou na pecuária. Esse retorno é muito maior que o de qualquer usina hidrelétrica já instalada no País.

RURAL – Cinco anos serão suficientes para tornar o Brasil livre da doença, sem vacinar o rebanho?
MARQUES – Sim. O reconhecimento da última zona livre de aftosa com vacinação, os Estados de Roraima, Amazonas e Amapá e parte do Pará, era a peça que faltava no quebra-cabeça do projeto que o governo vinha, gradativamente, colocando em prática. Regras foram estabelecidas e avançamos. Hoje, o País possui um sistema veterinário satisfatório, com profissionais treinados para a tarefa. Aliás, essa é uma exigência e um pré-requisito para poder fazer jus ao reconhecimento que alcançamos na OIE.

RURAL – Qual deve ser o próximo passo?
MARQUES – O próximo passo já está definido desde o fim do ano passado. É um plano estratégico para mais dez anos. De forma gradual, nos próximos cinco anos, o Brasil vai parar de vacinar bovinos. Nos cinco anos seguintes vamos fazer um monitoramento fino da situação, o que vai exigir do Ministério da Agricultura uma equipe técnica ainda mais fortalecida. Quando se retira a vacinação, o risco de um eventual surto é maior. Por isso, é preciso um total controle de fronteira com outros países e um sistema muito eficiente de comunicação na notificação de um surto.

RURAL – O atual time de fiscais será capaz de cumprir essa tarefa?
MARQUES – Sim, mas precisamos ir além. Hoje, cerca de 8,5 mil servidores públicos trabalham na área de vigilância sanitária em todo o País. É um exército que pode chegar a qualquer propriedade rural em um prazo máximo de até 12 horas. Se houver uma notificação de suspeita de uma doença, o governo vai saber. Aliás, criamos um sistema robusto e capaz de vigiar não somente a aftosa, como outras doenças críticas que podem acometer os animais, entre elas a brucelose e a febre do Nilo em equinos. Mas a vitória sobre a febre aftosa tem um gosto muito especial, porque ela se tornou um divisor de águas.

RURAL – Divisor de águas em que sentido?
MARQUES – A aftosa é uma enfermidade emblemática e pode causar um alto impacto comercial e econômico. Todo país no mundo, que tem um serviço veterinário confiável e quer agregar valor aos seus produtos, é reconhecido como livre sem vacinação. A presença da febre aftosa é o que realmente separa um país subdesenvolvido de um desenvolvido, porque hoje já existem excelentes vacinas, além de estudos de epidemiologia que podem erradicar a doença. Conseguimos tirar o Brasil dessa condição, mas não podemos parar porque corremos o risco de a qualquer momento ter uma reaparição da doença. Vale lembrar que o último surto da doença foi em 2006.

Embarque garantido: no ano passado, o Brasil exportou 1,5 milhão de toneladas de carne bovina, por US$ 6,3 bilhões (Crédito:MÁRCIO FERNANDES)

RURAL – Onde estaria esse risco?
MARQUES – Nos vizinhos, principalmente.
Ele estaria na Venezuela e na Colômbia. São os mais arriscados países da América do Sul. A Venezuela tem em torno de dois milhões de bovinos e a Colômbia cerca de 13 milhões. Não há um reconhecimento internacional da Venezuela como país livre da aftosa, pela dificuldade político-econômica que passa o país. É bem provável que possa estar ocorrendo algum foco por lá e isso é muito preocupante. Já na Colômbia houve a detecção de um foco de aftosa no ano passado.

RURAL – Colocar outros países além do Brasil nessa conta não é um exagero?
MARQUES – Não, porque nós ainda não acabamos com a doença, acabamos com a circulação do vírus no País. Isso significa que nossa tarefa é redobrar as atenções nas barreiras primárias, que são aquelas em fronteira com outros países e em aeroportos, para coibir qualquer ação de bioterrorismo. Há interesse de diversos setores, que não vou nomear, para que seja mantida a vacinação por muitos anos. O governo tem monitorado isso, sistematicamente. As ameaças nessa área sanitária podem vir até de outros países que competem com o Brasil nas exportações de carnes.

RURAL – Episódios como o da Carne Fraca não arranham a imagem do sistema de fiscalização sanitária do País?
MARQUES – De forma alguma. O que foi colocado em xeque foi a imagem do País e não o que de fato aconteceu. A carne brasileira não é fraca, a carne é forte. O que aconteceu foi uma atuação errônea de alguns funcionários do Mapa, os quais já penalizados. Estamos falando de 12 pessoas,
contra um universo de 18,5 mil funcionários. Então, não é justo transferir esse peso a todo o sistema. Acredito que no atual embate internacional, há que prevalecer o reconhecimento do trabalho de vigilância sanitária nacional.

RURAL – No futuro, o que aconteceria com o Brasil, caso houvesse um surto, já que a indústria veterinária deve parar a produção de vacinas?
MARQUES – Nada muda no modo de agir. Temos um plano estratégico de contingência da doença e já realizamos simulações de emergências sanitárias. O plano estratégico prevê a criação de um banco com estoque de cerca de 450 milhões de doses de vacina. Além disso, também haverá laboratórios que manterão um banco de antígenos, que é a matéria-prima da vacina. Há muitas indústrias interessadas em cuidar dessa tarefa para o governo. No entanto, é uma interpretação equivocada acreditar que a vacina é a tábua da salvação. Ela é apenas um instrumento importante quando se tem mais de seis mil focos da febre, como já ocorreu com o Brasil no passado. Hoje não temos mais isso. Mas, caso haja algum surto, vacina é o que não vai faltar. A peste clássica suína é um exemplo prático disso. Há cerca de dez anos a doença foi erradicada no País e não vacinamos mais os
animais. Todavia, há uma indústria que mantém o estoque estratégico e que também exporta a vacina para outros países.

Tereza Cristina tem conhecimento técnico e respaldo político

ABPA

Tereza Cristina tem conhecimento técnico e respaldo político

‘Recebemos da melhor forma Tereza Cristina como futura ministra’

Abag

‘Recebemos da melhor forma Tereza Cristina como futura ministra’

Confirmado pelo Twitter que Tereza Cristina será ministra da Agricultura

Bolsonaro

Confirmado pelo Twitter que Tereza Cristina será ministra da Agricultura


Comunicação

DINHEIRO RURAL vence 32º Prêmio Veículos de Comunicação

Revista Especializada

Revista Especializada

DINHEIRO RURAL vence 32º Prêmio Veículos de Comunicação


Entrevista

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho

Jacyr Costa Filho

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho, diretor do grupo Tereos Brasil e presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp, fala sobre as eleições no País e o ambiente de negócios para o setor


Índice de Commodities do Banco Central cai 6,11% em outubro ante setembro

Mercado

Índice de Commodities do Banco Central cai 6,11% em outubro ante setembro

Tribunal barra venda de produtos com agrotóxicos no Mercado Livre

Comércio

Tribunal barra venda de produtos com agrotóxicos no Mercado Livre


Fogo nas relações entre Brasil e China

Internacional

Fogo nas relações entre Brasil e China

Na mitologia chinesa, o dragão foi um dos quatro animais convocados para ajudar na criação do mundo. Além de tudo que representa na cultura do maior país asiático, como poder e audácia, ele também simboliza o controle das águas em terras de agricultura. Nada mais natural, já que tratar da proteção do alimento é uma questão de sobrevivência em uma nação de 1,4 bilhão de pessoas.

Churrasco queimado

Argentina

Churrasco queimado

Os produtores argentinos voltam a pagar sobretaxas sobre a exportação, levando o campo a perdas que podem chegar a US$ 6 bilhões


Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

cacau

Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

Açúcar e Bioenergia

Biosev tem prejuízo de R$ 155,567 milhões no 2º trimestre da safra 18/19

São Martinho:

Não há planos no curto prazo de grandes investimentos

Máquinas Agrícolas

CNH Industrial registra no 3º tri lucro de US$ 231 mi, alta de 285%


Especial - Logística em pauta

Uma nova ordem nas estradas

Frete

Frete

Uma nova ordem nas estradas

O tabelamento do frete impõe novos desafios para empresas e produtores rurais. Saiba quais são as estratégias para superar esse jogo

A linha de montagem do futuro

Indústria

A linha de montagem do futuro

Como as indústrias estão criando caminhões cada vez nais seguros e inteligentes

Inteligência artificial nas estradas

revolução digital

Inteligência artificial nas estradas

Como a revolução digital pode livrar os nós logísticos do País

Os trilhos do desenvolvimento

Novos caminhos

Os trilhos do desenvolvimento

Ainda pequeno, o modal ferroviário tem um grande potencial para elevar o fluxo logístico nacional

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

Ampliando a capacidade produtiva

Ampliando a capacidade produtiva

Cooperativas agrícolas do País apostam no crédito rural para agregar valor ao produto e sair na frente na corrida por inovações sustentáveis

De olho no custeio antecipado

De olho no custeio antecipado

Com preços em queda e boas taxas de crédito, produtores rurais podem apostar na antecipação da compras de insumos para a safra 2018/2019


Reportagens de capa


Reportagens de capa

O caçador de negócios

Domingo Lastra

O caçador de negócios

Conheça a estratégia da trading americana Archer Daniels Midland, companhia global que fatura US$ 60 bilhões e que tem apostado em uma nova gestão corporativa para continuar crescendo no Brasil

A super cooperativa

Castrolanda, Frísia e Capal

A super cooperativa

As paranaenses Castrolanda, Frísia e Capal investiram quase R$ 700 milhões em um projeto para industrializar leite, processar suínos e moer trigo. Conheça o modelo inédito de intercooperação, que reúne 4,5 mil produtores e que fatura R$ 1,8 bilhão por ano

A corrida da bioenergia

Rafael Chang

A corrida da bioenergia

Pela primeira vez na história, uma montadora desenvolveu um carro híbrido que funciona movido a etanol e a eletricidade. saiba o que a Toyota e outras gigantes, como Raízen, Tereos e Copersucar, estão fazendo para tornar a matriz energética brasileira cada vez mais sustentável

Mais perto do campo

Octavio de Lazzari

Mais perto do campo

Os maiores bancos comerciais se aproximam cada vez mais do agronegócio. Saiba o que eles têm feito para atrair os produtores e conquistar definitivamente um lugar no segmento mais pujante da economia brasileira

A conquista do mundo

Paulo de Castro Marques

A conquista do mundo

Um campo para as franquias

José Carlos Semenzato e João Arantes Júnior

Um campo para as franquias

O empresário José Carlos Semenzato fez fortuna no mundo do franchising. Agora, ele quer transportar essa experiência para o agronegócio e se tornar vendedor de genética bovina. Conheça seus planos

JBS Biolins amplia capacidade de geração de energia limpa e fontes 100% renováveis

TERMELÉTRICA

TERMELÉTRICA

JBS Biolins amplia capacidade de geração de energia limpa e fontes 100% renováveis

Nos próximos cinco anos, o Brasil vai parar de vacinar bovinos

Nos próximos cinco anos, o Brasil vai parar de vacinar bovinos

Guilherme Henrique Figueiredo Marques, diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa, fala sobre os próximos passos para a erradicação total da febre aftosa no País


O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun

O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun, presidente da americana Corteva Agriscience no Brasil, divisão agrícola da DowDuPont, fala sobre o bilionário mercado de defensivos e sementes

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil  não sabe o que quer da China

Marcos Jank

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil não sabe o que quer da China

Marcos Sawaya Jank, da Asia Brazil Alliance, fala de comércio internacional e dos desafios do País lá fora

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups

No campo

No campo

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups


Céu compartilhado

Aviação agrícola

Céu compartilhado

Como a aviação agrícola vai dividir suas tarefas com os drones

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

Blockchain

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

O Blockchain está chegando para mudar as relações no agronegócio. Agora, é preciso entender o que a ferramenta pode fazer por uma propriedade


Mulheres do Agronegócio


Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Cenário

Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Em levantamento da Corteva Agriscience, Divisão Agrícola da DowDuPont, produtoras rurais dizem que há progresso das mulheres no agro, mas ainda é lento. Disparidade financeira, falta de reconhecimento e pouco acesso a treinamentos são os principais entraves. No Brasil, 78% afirmam que existe discriminação de gênero

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas

Evento

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas


Uma mulher à frente de seu tempo

Alida Bellandi

Uma mulher à frente de seu tempo

Como Alida Bellandi tomou as rédeas de sua carreira e se tornou presidente da Guarany, empresa de equipamentos agrícolas. Ela é uma das poucas executivas do agronegócio que chegou ao topo da carreira

A hora da virada

Álvaro Peixoto

A hora da virada

Por que executivos deixam companhias globais para trabalhar em empresas de menor porte e com menos exposição no mercado

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

José Luiz Tejon

José Luiz Tejon

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Carlos Dutra

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Fernando Sampaio

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

Carlos Alberto Forcelini

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.