Economia

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2015/2016 SUPEROU AS EXPECTATIVAS, DIZ PRESIDENTE DA CNA

Para João Martins, mesmo com o ajuste fiscais do governo federal, o volume maior de recursos compensa a alta dos juros e vai possibilitar excelente safra

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2015/2016 SUPEROU AS EXPECTATIVAS, DIZ PRESIDENTE DA CNA

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, disse que o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2015/2016, anunciado nesta terça-feira (2/6), no Palácio do Planalto, em Brasília, superou as expectativas. Em decorrência dos ajustes fiscais do governo federal e do contingenciamento dos recursos do orçamento, havia entre os produtores rurais temor de não haver recursos suficientes para o plantio da próxima safra, que começa em 1º de julho.

Apesar do aumento das taxas de juros da maioria dos programas do PAP, ele avalia que o aumento de volume de crédito, de R$ 187,7 bilhões – 20% a mais em relação ao plano 2014/2015-, vai compensar a alta dos juros. “Com certeza foi além do que esperávamos. O país vive um momento de incertezas e perspectivas não muito boas e nosso receio era não haver recursos, mas este volume vai nos proporcionar que tenhamos uma excelente safra”, destacou João Martins, presente na cerimônia de lançamento.

O presidente da CNA ressaltou que a alta dos juros não pode ser ignorada, mas reconheceu que a questão é decorrência do período inflacionário pelo qual o país passa. “Claro que é um aumento significante e que vai ter peso nos custos de produção. Mas é melhor ter juros maiores com mais recursos do que não termos crédito suficiente”.

João Martins elogiou, também, a criação do Grupo de Alto Nível da Lei Plurianual da Produção Agrícola Brasileira (LPAB), responsável por discutir uma política de planejamento estratégico para o setor, que seria equivalente a um Plano Agrícola e Pecuário Plurianual. Esta medida vinha sendo defendida pela CNA para que o produtor rural planeje melhor sua atividade e tenha uma safra mais previsível. “Precisamos de um plano mais consistente, para que o produtor rural já se programe para a safra seguinte e já tenha recursos para o pré-custeio”, afirmou. Fonte: CNA