Negócios

GranBio e Rhodia fecham acordo para parceria em químicos de fonte renovável

O objetivo das empresas é instalar, no Brasil, a primeira fábrica de bio n-butanol do mundo

A GranBio, empresa de biotecnologia 100% brasileira, e a Rhodia, empresa do grupo Solvay – principal fabricante latino-americana de Fenol e Derivados e Solventes Oxigenados – assinaram acordo para a criação de uma parceria
voltada à produção de bio n-butanol. O produto será feito a partir de palha e bagaço de cana-de-açúcar, mesma matéria-prima utilizada na fabricação de etanol de segunda geração e disponível em abundância no país.  A intenção
dessa parceria é construir, no Brasil, a primeira fábrica do mundo de n-butanol feito a partir de biomassa, com previsão de iniciar suas operações em 2015. As companhias se beneficiarão de acordos já fechados com empresas
detentoras de tecnologias. “A parceria com a Rhodia está totalmente alinhada com nosso modelo associativo de negócios e nossa estratégia de desenvolver soluções capazes de substituir combustíveis e químicos de origem fóssil por
produtos renováveis”, diz Bernardo Gradin, presidente da GranBio.

O acordo marca o avanço da GranBio e da Rhodia na fabricação de bioquímicos. “Esse projeto inovador reflete nossa aposta em tecnologias com base em fonte renovável, e a parceria com a brasileira GranBio demonstra  nossa confiança
no grande potencial do país nesse campo”, afirma Vincent Kamel, presidente da Rhodia Coatis, unidade de negócios global dirigida a partir do Brasil. O bio n-butanol é um composto químico essencial para a produção de acrilatos e
metacrilatos, além de ser muito usado na indústria de tintas e solventes, mercado em que a Rhodia é líder no América do Sul. O investimento depende da aprovação do conselho de administração das empresas. A formação do acordo
será submetida à avaliação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).