Negócios

México pode abrir mercado para entrada de arroz brasileiro

O comércio do produto foi tema do encontro da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), juntamente com representantes da indústria mexicana

México pode abrir mercado para entrada de arroz brasileiro

O arroz brasileiro deve parar em pratos mexicanos. Se depender da vontade de produtores e indústrias de ambos os países, a nação da América do Norte vai se tornar a nova rota para o grão do Brasil. O comércio do produto foi tema de encontro da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), juntamente com o Instituto Riograndense do Arroz (Irga) e representantes da indústria com integrantes do setor no México e da Federación Centroamericana de Arroceros (Fecarroz).

A reunião ocorreu durante Rice Market & Technology Convention, que ocorre em Cancun, no México. Segundo o presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, o início das conversas demonstrou que há espaço para que os mexicanos possam investir no arroz brasileiro. O dirigente informa que o objetivo é concretizar negócios tanto direto com o produtor quanto com a indústria. “Se criou um diálogo bastante positivo em resolver os problemas que hoje são meramente burocráticos para que se estabeleça o envio de arroz para aquele país, tanto em casca quanto industrializado. E possivelmente nos próximos meses nós deveremos ter uma grata surpresa, pois eles buscam arroz de qualidade”, salienta.

Participaram também da reunião o presidente do Irga, Guinter Frantz, e o diretor comercial do instituto, Tiago Barata, que apresentou as potencialidades do produto brasileiro. Entre os problemas apontados, de acordo com Dornelles, está a questão logística, que já vem sendo negociada com o governo federal por Barata e o vice-presidente de Mercado da Federarroz, Daire Coutinho. Por outro lado, os brasileiros pedem a revisão das taxas de importação ao país, que hoje são de 9% para o arroz em casca e 20% para o arroz beneficiado. “Esta redução das taxas nos ajuda a dar mais competitividade ao arroz brasileiro”, reforça o presidente da Federarroz.

Os mexicanos colhem atualmente 158,3 mil toneladas de arroz, uma queda de 80,4% nos últimos 30 anos. Em 1985, a produção do país era de 807 mil toneladas. Enquanto isso, no mesmo período, o consumo cresceu de 850 mil para 1,1 milhão de toneladas conforme dados apresentados pelo Comité Nacional Sistema Producto Arroz del Mexico durante a XII Conferência Internacional de Arroz para a América Latina e Caribe, realizada em fevereiro em Porto Alegre (RS). Fonte: Federarroz