Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Antonio Mello Alvarenga Neto

“O agronegócio deslancharia com a venda de terras para estrangeiros”

FOTO: FELIPE GABRIEL

“O agronegócio deslancharia com a venda de terras para estrangeiros”

Marcela Caetano
Edição 11/11/2016 - nº 142

O produtor rural Antonio Mello Alvarenga Neto, 63 anos, é um dos homens mais influentes do agronegócio e sempre é procurado pelos grandes empresários do setor para dar suas opiniões sobre os mais diversos temas. Não é para menos. Há seis anos ele comanda a Sociedade Nacional da Agricultura (SNA), uma das principais entidades do setor, próxima de completar 120 anos de história. Alvarenga Neto também integra a Academia Nacional de Agricultura, da qual fazem parte os ex-ministros Roberto Rodrigues, Izabela Teixeira, Alysson Paolinelli, Rubens Ricúpero, Francisco Turra e Antonio Delfim Neto. Em entrevista à DINHEIRO RURAL, ele fala sobre infraestrutura, seguro rural e a polêmica autorização para estrangeiros comprarem terra por aqui. Acompanhe:

O governo do presidente Michel Temer pretende fazer mudanças na legislação trabalhista. Que impacto elas teriam no agronegócio?

De uma forma geral, a legislação trabalhista brasileira é uma catástrofe e precisa de mudanças tanto na cidade quanto no campo. Para resolver o problema, é preciso terceirizar. Temos processos trabalhistas demais na justiça, que é muito paternalista. Além disso, questões como a das horas “in itinere.”, que é o tempo gasto no trajeto entre a casa do trabalhador a propriedade rural, precisam ser resolvidas. No campo, esse período em que o trabalhador está em trânsito já conta como hora de trabalho. É algo que não faz o menor sentido. E para mudar isso será preciso o apoio do Congresso.

Como na questão da venda de terras para investidores estrangeiros?

Sim. O mundo inteiro quer comprar terras no Brasil porque sabe que o País é um sucesso no agronegócio. Mas hoje os estrangeiros só podem investir em parceria com empresas nacionais e sem maioria de capital. Estão todos aguardando o projeto de lei 4059/12 ser votado na Câmara, onde está na pauta há mais de um ano. Isso é uma questão importantíssima porque o Brasil é um dos poucos países capazes de atender a demanda mundial por alimento, mas não tem dinheiro para isso. Não há como prescindir do capital estrangeiro. Sem receber investimentos, o País não atenderá a meta estipulada pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) de ampliar em 40% a produção de alimentos até 2050. O agronegócio deslancharia com a venda de terras para estrangeiros.

Quais benefícios o setor teria com essa abertura?

Esses investidores têm dinheiro e podem ajudar a construir a estrutura que nos falta. Ao investir na produção, eles também trazem aportes para a infraestrutura e para a agroindústria.

O sr. é a favor da entrada de estrangeiros no País em quais condições?

Em 2010, um parecer da Advocacia Geral da União (AGU) limitou a venda de terras a estrangeiros. Há quem defenda um novo parecer da AGU, mas acredito que isso é frágil. É preciso uma nova lei que estabeleça limites de onde e quanto de terra o estrangeiro pode comprar. Não estamos reivindicando que se venda o Brasil todo a um chinês, mas deve-se fazer uma liberação controlada

Que outras medidas ajudariam o setor a obter resultados ainda melhores?

Acho que o Brasil precisa exportar mais. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, está dando segmento ao trabalho de apresentar os nossos produtos no exterior, com uma série de viagens. Ele está certíssimo em fazer isso e mostrar que o Brasil pode comercializar produtos como a carne brasileira, por exemplo, em maior quantidade. Precisamos fazer isso com outros produtos de maior valor agregado.

Como mudar isso?

É bom que o País exporte muito produto primário, mas ainda não é o suficiente. Quando o Brasil vende a matéria prima não está de fato vendendo, mas está sendo comprado. Não tem esforço nenhum. O que tem que ser feito é mostrar para o mundo as nossas qualidades e tentar romper as barreiras comerciais para que as exportações aumentem.

Como o sr. avalia a infraestrutra brasileira para escoamento da produção?

Está melhorando de forma lenta. Devagar, os portos do Arco Norte já estão funcionando e ampliando a exportação. Esse ano, por exemplo, não se viu reclamação de filas nos portos. Claro que a infraestrutura ainda demanda muito investimento e o País está quebrado. Mas espero que o Programa de Parcerias e Investimento (PPI), coordenado pelo secretário Moreira Franco, permita o crescimento da área.

Insegurança: falta de subsídio ao seguro rural é um dos principais entreves para a produção agrícola brasileira
Insegurança: falta de subsídio ao seguro rural é um dos principais entreves para a produção agrícola brasileira

Qual a maior dificuldade do agronegócio brasileiro atualmente ?

Sem dúvida é o seguro rural. O Brasil tem hoje somente 13% de lavoura coberta, ou seja, quase nada. E o produtor rural não pode viver desse jeito. Ele é um empresário que, como os outros, enfrenta os riscos do negócio, como a flutuação no mercado internacional, praga e problema climático. Por isso, os governos, em qualquer lugar do mundo, dão subvenção ao seguro rural. No Brasil, é preciso que se institucionalize um bom seguro rural e que o governo aumente a subvenção do seguro rural, que ainda é ínfima.

O Centro de Inteligência em Orgânicos (CIO), da SNA, tem uma campanha para alertar sobre os “falsos” orgânicos. Como evitar esse tipo de problema?

Isso precisa ser proibido, é um crime e quem faz isso deve ser multado. Essa campanha é parte da função do CIO de incentivar o consumo e a produção de orgânicos e mostrar ao consumidor que ele não pode levar gato por lebre. O ideal é que o cliente compre em um local seguro, como um supermercado, onde tenha garatia de origem.

O que representa o mercado de orgânicos hoje no Brasil?

O segmento está crescendo no mundo inteiro, mas não acredito que será um mercado dominante. No Brasil, este segmento movimentou R$ 2,5 bilhões em 2015 e deverá superar R$ 3 bilhões neste ano. Há uma tendência de o consumidor
procurar alimento saudável e cultivado com responsabilidade social, o que os orgânicos oferecem. Além disso, o há uma vantagem para o produtor, já que o mercado de hortigranjeiros tende a remunerar melhor esses produtos. Há um público para esses produtos e não podemos prescindir de atendê-lo.

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

CNA

CNA

Agropecuária é setor menos subsidiado e 54% da desoneração não vai a produtor

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Alimentos

Alimentos

Bunge anuncia acordo para compra de 30% da Agrofel Grãos e Insumos

Glifosato

Bayer pede anulação de veredicto que concede indenização de US$ 2 bi

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Nexus Hub seleciona startups até 7 de outubro

Processo seletivo é gratuito e inclui workshop de modelo de negócios Canvas a todos os inscritos

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Chilena lança uma solução de rastreamento do leite

Com o uso de internet das coisas e inteligência artificial, o sistema Vaca Conectada pode monitorar toda a cadeia produtiva da pecuária leiteira


Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

Embrapa

Centro de inteligência e mercado em aquicultura reúne informações da área

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

Crédito

Crédito

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívida do produtor e inclui fornecedor

A inovação da moeda no campo

Fintechs

Fintechs

A inovação da moeda no campo

As fintechs chegam ao agronegócio e revolucionam a forma com que trabalhadores rurais lidam com o dinheiro


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça


Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Bem-estar animal

Dispositivo eletrônico não invasivo avalia conforto térmico de bovinos

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão

Selo Arte

Mapa abre consulta pública sobre boas práticas agropecuárias para concessão


Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

Conferência Internacional Datagro

Evento destaca o etanol como grande protagonista do setor sucroenergético

 Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

Hackathon da Embrapa

Oportunidades para o surgimento de startups no setor agropecuário

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

Fabio Matuoka Mizumoto, Eugênio Spers e Ricardo Nicodemos

O que esperar da nova geração de produtores do agro?

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.