Entrevista

Antonio Mello Alvarenga Neto

“O agronegócio deslancharia com a venda de terras para estrangeiros”

FOTO: FELIPE GABRIEL

“O agronegócio deslancharia com a venda de terras para estrangeiros”

Marcela Caetano
Edição 11/11/2016 - nº 142

O produtor rural Antonio Mello Alvarenga Neto, 63 anos, é um dos homens mais influentes do agronegócio e sempre é procurado pelos grandes empresários do setor para dar suas opiniões sobre os mais diversos temas. Não é para menos. Há seis anos ele comanda a Sociedade Nacional da Agricultura (SNA), uma das principais entidades do setor, próxima de completar 120 anos de história. Alvarenga Neto também integra a Academia Nacional de Agricultura, da qual fazem parte os ex-ministros Roberto Rodrigues, Izabela Teixeira, Alysson Paolinelli, Rubens Ricúpero, Francisco Turra e Antonio Delfim Neto. Em entrevista à DINHEIRO RURAL, ele fala sobre infraestrutura, seguro rural e a polêmica autorização para estrangeiros comprarem terra por aqui. Acompanhe:

O governo do presidente Michel Temer pretende fazer mudanças na legislação trabalhista. Que impacto elas teriam no agronegócio?

De uma forma geral, a legislação trabalhista brasileira é uma catástrofe e precisa de mudanças tanto na cidade quanto no campo. Para resolver o problema, é preciso terceirizar. Temos processos trabalhistas demais na justiça, que é muito paternalista. Além disso, questões como a das horas “in itinere.”, que é o tempo gasto no trajeto entre a casa do trabalhador a propriedade rural, precisam ser resolvidas. No campo, esse período em que o trabalhador está em trânsito já conta como hora de trabalho. É algo que não faz o menor sentido. E para mudar isso será preciso o apoio do Congresso.

Como na questão da venda de terras para investidores estrangeiros?

Sim. O mundo inteiro quer comprar terras no Brasil porque sabe que o País é um sucesso no agronegócio. Mas hoje os estrangeiros só podem investir em parceria com empresas nacionais e sem maioria de capital. Estão todos aguardando o projeto de lei 4059/12 ser votado na Câmara, onde está na pauta há mais de um ano. Isso é uma questão importantíssima porque o Brasil é um dos poucos países capazes de atender a demanda mundial por alimento, mas não tem dinheiro para isso. Não há como prescindir do capital estrangeiro. Sem receber investimentos, o País não atenderá a meta estipulada pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) de ampliar em 40% a produção de alimentos até 2050. O agronegócio deslancharia com a venda de terras para estrangeiros.

Quais benefícios o setor teria com essa abertura?

Esses investidores têm dinheiro e podem ajudar a construir a estrutura que nos falta. Ao investir na produção, eles também trazem aportes para a infraestrutura e para a agroindústria.

O sr. é a favor da entrada de estrangeiros no País em quais condições?

Em 2010, um parecer da Advocacia Geral da União (AGU) limitou a venda de terras a estrangeiros. Há quem defenda um novo parecer da AGU, mas acredito que isso é frágil. É preciso uma nova lei que estabeleça limites de onde e quanto de terra o estrangeiro pode comprar. Não estamos reivindicando que se venda o Brasil todo a um chinês, mas deve-se fazer uma liberação controlada

Que outras medidas ajudariam o setor a obter resultados ainda melhores?

Acho que o Brasil precisa exportar mais. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, está dando segmento ao trabalho de apresentar os nossos produtos no exterior, com uma série de viagens. Ele está certíssimo em fazer isso e mostrar que o Brasil pode comercializar produtos como a carne brasileira, por exemplo, em maior quantidade. Precisamos fazer isso com outros produtos de maior valor agregado.

Como mudar isso?

É bom que o País exporte muito produto primário, mas ainda não é o suficiente. Quando o Brasil vende a matéria prima não está de fato vendendo, mas está sendo comprado. Não tem esforço nenhum. O que tem que ser feito é mostrar para o mundo as nossas qualidades e tentar romper as barreiras comerciais para que as exportações aumentem.

Como o sr. avalia a infraestrutra brasileira para escoamento da produção?

Está melhorando de forma lenta. Devagar, os portos do Arco Norte já estão funcionando e ampliando a exportação. Esse ano, por exemplo, não se viu reclamação de filas nos portos. Claro que a infraestrutura ainda demanda muito investimento e o País está quebrado. Mas espero que o Programa de Parcerias e Investimento (PPI), coordenado pelo secretário Moreira Franco, permita o crescimento da área.

Insegurança: falta de subsídio ao seguro rural é um dos principais entreves para a produção agrícola brasileira
Insegurança: falta de subsídio ao seguro rural é um dos principais entreves para a produção agrícola brasileira

Qual a maior dificuldade do agronegócio brasileiro atualmente ?

Sem dúvida é o seguro rural. O Brasil tem hoje somente 13% de lavoura coberta, ou seja, quase nada. E o produtor rural não pode viver desse jeito. Ele é um empresário que, como os outros, enfrenta os riscos do negócio, como a flutuação no mercado internacional, praga e problema climático. Por isso, os governos, em qualquer lugar do mundo, dão subvenção ao seguro rural. No Brasil, é preciso que se institucionalize um bom seguro rural e que o governo aumente a subvenção do seguro rural, que ainda é ínfima.

O Centro de Inteligência em Orgânicos (CIO), da SNA, tem uma campanha para alertar sobre os “falsos” orgânicos. Como evitar esse tipo de problema?

Isso precisa ser proibido, é um crime e quem faz isso deve ser multado. Essa campanha é parte da função do CIO de incentivar o consumo e a produção de orgânicos e mostrar ao consumidor que ele não pode levar gato por lebre. O ideal é que o cliente compre em um local seguro, como um supermercado, onde tenha garatia de origem.

O que representa o mercado de orgânicos hoje no Brasil?

O segmento está crescendo no mundo inteiro, mas não acredito que será um mercado dominante. No Brasil, este segmento movimentou R$ 2,5 bilhões em 2015 e deverá superar R$ 3 bilhões neste ano. Há uma tendência de o consumidor
procurar alimento saudável e cultivado com responsabilidade social, o que os orgânicos oferecem. Além disso, o há uma vantagem para o produtor, já que o mercado de hortigranjeiros tende a remunerar melhor esses produtos. Há um público para esses produtos e não podemos prescindir de atendê-lo.

Veja também

+ Restaurante japonês que fez festa de swing lança prato chamado “suruba”
+ Cantor Ovelha abre frangaria em São Paulo com a ajuda de Ratinho
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mineral de Marte raro na Terra é achado na Antártida
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Atriz pornô é demitida de restaurante por causa de “cliente cristão”
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

X

Copyright © 2021 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.