Edição nº 172 03.09 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Roberto Jaguaribe

O agronegócio está na mira da Apex

Claudio Gatti

O agronegócio está na mira da Apex

Roberto Jaguaribe, presidente da Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) fala sobre os projetos para 2018

Béth Mélo
Edição 07/02/2018 - nº 155

No comando da Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), o embaixador Roberto Jaguaribe tem algumas prioridades para 2018 e o agronegócio é uma delas. Em entrevista exclusiva à DINHEIRO RURAL, ele diz que a sua missão é estreitar ainda mais as relações comerciais com os países asiáticos, principalmente com o mercado chinês, hoje o principal destino de todas as exportações brasileiras. A Apex, que também possui projetos para incentivar outros setores, como máquinas e equipamentos, moda, tecnologia e saúde, quer atrair recursos estrangeiros para logística e infraestrutura, considerados setores críticos para o campo. Sanar problemas desse tipo pode levar ao aumento da participação do agro no comércio internacional, que já responde por US$ 90 bilhões, 45% das exportações totais do País. Jaguaribe também fala de programas para melhorar a imagem do País no Exterior e como facilitar o acesso a mercados.

Dinheiro RURAL – O sr. acredita que possa ocorrer uma onda de investimentos estrangeiros no País, agora que a economia começa a dar sinais de recuperação?

Roberto JAGUARIBE – Sim. Hoje, toda a equipe da Apex está conectada com órgãos do governo federal para trazer investidores ao País, em especial para processos de concessão em parcerias público-privadas. Como o governo está comprometido com o controle fiscal, certamente isso facilitará a entrada de investidores externos, ou mesmo brasileiros. A agricultura é o segmento mais afetado pela falta de infraestrutura logística e de transporte, e esses recursos vão beneficiar diretamente o setor. Essa é uma prioridade, mas também estamos interessados em outros segmentos, como recursos para financiamento, seguro e aquisição de máquinas e de implementos.

Porto seguro: a China é o maior comprador de commodities do País, entre elas a soja, mas tem potencial para comprar muito mais (Crédito:Orlando Kissner)

RURAL – Quais os desafios do agronegócio ao acessar mercados internacionais?

JAGUARIBE – As principais dificuldades estão nas barreiras técnicas, sanitárias e fitossanitárias, porque são de difícil combate. E hoje, além do protecionismo que vigora no setor agrícola, e que prejudica o avanço dos negócios, há ainda os problemas de imagem agravadas após a Operação Carne Fraca e a delação dos executivos da JBS, fatos ocorridos no ano passado. Mas o agronegócio está na mira da Apex-Brasil, porque é um setor com alta competitividade global e que ainda possui um grande potencial de exportação a ser explorado.

 

RURAL – Como melhorar a imagem do País?

JAGUARIBE – Nós temos algumas ações nessa linha. A mais recente foi a criação do Conselho do Programa de Imagem e Acesso a Mercados do Agronegócio Brasileiro (Pam Agro), lançado em dezembro. Dentro de um contexto mais amplo – tanto para o agro, como para qualquer outro setor –, há o projeto Be Brasil, que trabalha a imagem do País e tem como mensagem central “seja sustentável, competitivo, diversificado e incluso”. Esses são alguns valores em evidência no mercado internacional que queremos capitalizar.

RURAL – Há alguma parceria estratégica para desenvolver ações desse tipo?

JAGUARIBE – Sim, os programas em parceria com setores representativos do agronegócio formam a base dessas ações. O Pam Agro, por exemplo, é o resultado do esforço conjunto entre o governo e o setor privado. Além dos ministérios da Agricultura e das Relações Exteriores, também fazem parte a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec) e a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Este é um programa no qual a Apex jogou todas as fichas e está depositando muitas esperanças. Os investimentos estão estimados em R$ 7,5 milhões para aproximar os vários setores da economia. A ideia é discutir estratégias comerciais para aumentar a participação dos produtos brasileiros no mercado externo e todas as cadeias precisam se posicionar. Nesse início de 2018, o projeto está voltado, principalmente, para o mercado asiático. Foi justamente para dar fluxo a programas desse tipo que no ano passado a Apex criou a gerência de agronegócio. Hoje, há 16 projetos e 130 ações para promover o setor.

 

RURAL – Qual o montante de recursos da Apex que está indo para o agronegócio?

JAGUARIBE – Não temos isso definido, apesar da importância do agronegócio para o País. Mas a nossa ação tem levado a uma expansão das exportações, e isso medimos pelo desempenho das empresas apoiadas pela Apex. Em 2017, as vendas externas de produtos das empresas ligadas à entidade foram de US$ 61,9 bilhões, o equivalente a 28% de participação nas exportações totais brasileiras. No ano passado, foram investidos US$ 1,6 bilhão em 17 novos projetos e em 38 eventos, em todas as áreas de atuação da entidade. Os destaques foram as ações na China, nos Estados Unidos e na Espanha. No Brasil, as parcerias ocorreram com os ministérios do Trabalho, da Indústria e do Comércio, da Agricultura e dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

RURAL – Além das commodities de destaque, como soja, milho e proteína animal, como a Apex tem atuado em mercados mais sensíveis e que exigem um trato diferenciado?

JAGUARIBE – No caso das frutas, um setor importante, a Apex já tinha projetos, mas decidiu trabalhar de forma mais agressiva e criou, também em dezembro do ano passado, o projeto setorial Abrafrutas. A iniciativa reúne a Apex, a CNA e a Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados, entidade que responde por 80% das frutas frescas exportadas pelo Brasil. Além de missões de negócios e da defesa de interesses do setor, estão previstas ações em 2018 e 2019 na Fruit Logística, uma das mais importantes feiras do setor, realizada em Berlim, na Alemanha. Também vamos participar de eventos destinados aos distribuidores de frutas na Europa, no Oriente Médio e na Ásia. A expectativa é que a receita com as exportações de frutas brasileiras chegue a US$ 1 bilhão anual em 2019, ante US$ 870 milhões no ano passado.

Marketing: a participação de entidades como a Abiec, em feiras internacionais, tem atraído um público cada vez mais interessado no País

RURAL – Pela dinâmica do agro brasileiro, há outros setores a serem considerados como potenciais exportadores?

JAGUARIBE – Acredito que a aquicultura seja uma área de interesse para o comércio internacional. O Brasil é o país mais bem posicionado para ser o maior produtor de peixe do mundo, pela abundância de água doce e salgada, e pela disponibilidade de alimentos. Por isso mesmo, a Apex reuniu todos os órgãos relevantes e está iniciando um grande programa para incentivar a produção e a exportação de pescados. Mas, além de competência tecnológica e logística, precisamos criar mecanismos ambientalmente seguros. Uma empresa de consultoria já foi contratada para um estudo sobre esse mercado.

 

RURAL – Nesse ambiente de tantos projetos, há algum mercado considerado prioritário para o Brasil?

JAGUARIBE – Não descartamos nenhuma possibilidade, tanto que para 2018 definimos 22 mercados prioritários, que incluem países de todos os continentes. Mas a Apex tem um olhar especial sobre a China, um país investidor de grande relevância no Brasil e no mundo. Em 2017, por exemplo, o mercado chinês foi o principal destino das exportações das empresas associadas. No total, o valor das vendas ao país asiático foi de US$ 11,2 bilhões, bem à frente dos Estados Unidos, o segundo colocado, com US$ 7,7 bilhões. Há demanda certa na China. Por que, por ser um mercado gigantesco, ela quase sempre compromete toda a sua produção para atender o consumo interno. Soma-se a isso o crescimento projetado da população, principalmente o da classe média, que deve consumir ainda mais, principalmente proteína animal. É nesse contexto que o Brasil se insere como fornecedor estratégico. Em relação a outros mercados estamos interessados nos países árabes e em investidores tradicionais, como Estados Unidos, Japão e Europa. Além disso, estamos de olho nos fundos soberanos, como os de Singapura e nos países do Golfo Pérsico.

 

RURAL – O sr. tem acompanhado o movimento das startups brasileiras?

JAGUARIBE – Sim e acredito no potencial dessas empresas em vários segmentos, inclusive do agronegócio. Também acredito muito nas startups de serviços. Elas podem interessar ao mercado externo. De olho nesse setor, no final de 2017, a Apex lançou o StartOut Brasil, programa de internacionalização de startups. Para facilitar o acesso global, o projeto financia viagens e realiza a capacitação dessas empresas. A iniciativa foi realizada junto com os ministérios da Indústria e Comércio Exterior e com o de Relações Exteriores, mais o Sebrae e a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. O primeiro grupo de empresas selecionadas embarcou para Paris em dezembro. Neste ano, os destinos são Berlim, Miami e Lisboa.

 

EUA impõem novo revés ao Brasil ao manter veto à carne e frustram governo

Exportações

Exportações

EUA impõem novo revés ao Brasil ao manter veto à carne e frustram governo

Doria oficializa transferência de local da Ceagesp e concessão de entrepostos

Mudança

Mudança

Doria oficializa transferência de local da Ceagesp e concessão de entrepostos


Recorde de estudantes no Vacathon, o hackathon do movimento Ideas For Milk

Inquietos

Recorde de estudantes no Vacathon, o hackathon do movimento Ideas For Milk

O movimento feminista do agro é por poder

A nova onda

O movimento feminista do agro é por poder

Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio mostra o caminho que elas estão traçando


Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central

Embrapa

Cultivo do trigo beneficia sistemas de produção agrícola do Brasil Central


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL


Ligados pelo Araguaia

Movimento

Ligados pelo Araguaia

Na região de Mato Grosso, que já foi chamada de “vale dos esquecidos”, fazendeiros unem forças para provar que produçãocombina, sim, com conservação,intensificação e novos negócios

Aqui não tem carne

Revolução na mesa

Aqui não tem carne

Começou uma verdadeira revolução na produção de alimentos. Carnes vegetais, hambúrguer à base de ervilha, filés feitos com células de boi. Estamos na era dos alimentos sem abates de animais, um negócio que pode movimentar mais de US$ 1 trilhão


Associativismo

Mapa

Ministério fiscalizará rastreabilidade de vegetais em 7 centrais de abastecimento

Opinião

Para Salles, postura de Bolsonaro tem de ser aplaudida na questão da Amazônia

Angus Beef Week terá agenda em São Paulo, Porto Alegre e Curitiba em 2019

Pecuária

Pecuária

Angus Beef Week terá agenda em São Paulo, Porto Alegre e Curitiba em 2019

Prejuízo líquido  cresce 130% no 3º tri para R$ 53,337 milhões

Terra Santa

Terra Santa

Prejuízo líquido cresce 130% no 3º tri para R$ 53,337 milhões

Sementes e agroquímicos

Corteva registra prejuízo líquido de US$ 494 milhões no 3º trimestre

ostreicultura

Interditado o cultivo de ostras e mexilhões na Ponta do Papagaio, em Palhoça

A transformação digital e o agronegócio

Antonio Carlos de Oliveira Freitas

Antonio Carlos de Oliveira Freitas

A transformação digital e o agronegócio

A agenda do clima

João Guilherme Ometto

A agenda do clima

“Não será tão simples descumprir o que acordamos com o nosso planeta”


Agroindústria


Agroindústria


X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.