• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
citaçãoCELSO MORETTI, PRESIDENTE DA EMBRAPA O Brasil não acordou para o potencial da bioeconomiaLana Pinheiro

O Brasil não acordou para o potencial da bioeconomia

Lana Pinheiro
Texto por:Lana Pinheiro17/10/21 - 11h27min

Com 70 milhões de hectares cultivados e um Valor Bruto de Produção projetado de US$ 1 trilhão em 2021, o brasileiro tem que lutar diuturnamente com a pecha de vilão do meio ambiente. Isso, afirma o presidente a Embrapa, Celso Moretti, a despeito de adotar práticas sustentáveis únicas no mundo. Entre elas o plantio direto e o modelo Integração Lavoura-Pasto-Floresta (ILPF). Ainda assim, para o executivo, há fahas como a miopia sobre a economia de baixo carbono e a falta de comunicação do setor com o mundo externo. “Durante muitos anos, falávamos só para o rural. Só que é fácil pregar para convertido. Temos que falar com o público urbano nacional e internacional”, disse à RURAL.

RURAL – Durante visita ao Brasil, o presidente da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 26), Alok Sharma, esteve na sede da Embrapa. Como foi o encontro?
celso moretti – Mais positivo, impossível. Foi uma fantástica oportunidade de mostrar ao presidente Alok Sharma e ao embaixador do Reino Unido no Brasil, Peter Wilson, o mundo real do agronegócio, um setor que alimenta 800 milhões de pessoas, exporta para 180 países e ainda preserva quase dois terços do território.

Que assuntos nortearam a conversa?
Comecei explicando sobre os seis biomas brasileiros com ênfase à informação de que a Amazônia não é um vazio demográfico como imaginam. Falamos também da história da agropecuária brasileira nas últimas cinco décadas, entrando em temas como tecnologia, plantio direto, fixação biológica de nitrogênio. Eles não conhecem o Brasil.

Falta ao País educar o mundo sobre o agro nacional?
O mundo e o brasileiro. Essa é uma mudança estratégica que estamos fazendo na comunicação da Embrapa. Durante muitos anos, falávamos só para o rural. Só que é fácil pregar para o convertido. Temos que falar com o público urbano nacional e internacional. Temos que mostrar que a ciência está no café-da-manhã, no almoço e no jantar das pessoas. Do pãozinho que tem o trigo desenvolvido com tecnologia da Embrapa até a alface que foi adaptada aos trópicos.

Mesmo com todas as tecnologias sustentáveis desenvolvidas pela Embrapa, o uso da terra continua sendo a maior fonte de emissões de gases de efeito estufa do Brasil. O que é preciso fazer para o agro passar a sequestrar carbono?
O Brasil já avançou bastante nos últimos anos. Hoje, dos 70 milhões de hectares cultivados, 50% já adotam o sistema de plantio direto, o que mantém o carbono no solo. Já ao se calcular o impacto da fixação biológica do nitrogênio, considerando apenas o cultivo da soja, chegamos a uma economia de mais de 100 milhões de CO2 equivalente (quantidade de GEE em termos equivalentes da quantidade de carbono) no ano passado. Ainda temos a Integração Lavoura-Pasto- Floresta (ILPF), a carne carbono neutro e outras. O que falta é aumentar a capacidade de levar a tecnologia de forma mais rápida aos pequenos produtores e incluí-los neste novo modelo produtivo. A inclusão produtiva é uma das frentes estratégicas da Embrapa.

Qual a situação da exclusão no campo?
Em 1991, o Brasil deixou o agro manco da perna da assistência técnica e extensão rural quando acabou com o Sistema Embrater. Se imaginarmos que 85% das propriedades são de pequenos produtores, fica fácil inferir que existe uma parcela grande que está fora do processo tecnológico.

Como o setor e a própria sociedade podem se articular para acelerar essa inclusão produtiva?
De fato só conseguiremos avançar na inclusão com a participação dos diversos atores. Desde as secretarias de agricultura municipais, passando pelas estaduais, pela Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), universidades, o Sistema S, a Embrapa e o setor privado. Lá fora, impressiona ver o quanto o setor privado participa do financiamento da indústria. Eles têm um sentimento de orgulho atrelado ao campo. Infelizmente, a gente não vê isso acontecer no Brasil.

Financiamento é um problema no Brasil?
De certa forma. Nos Estados Unidos, por exemplo, os próprios produtores criam fundos para financiar desenvolvimento de tecnologias em entidades e universidades. Eles trabalham juntos nos problemas.

Qual seria o maior desafio da inclusão? Falta de informação, de recursos ou de estrutura?
Realmente precisamos de investimento robusto e de uma organização dos atores, mas tem outro ponto: o uso do digital esbarra no fato de que hoje somente 30% das propriedades têm internet. Se não melhorarmos a conectividade no campo, não vamos chegar às 6 milhões de propriedades rurais que temos no Brasil.

No desafio imposto pelo ESG (ambiental, social e de governança), a agropecuária está sob escrutínio por estar associada à expansão de áreas de biomas nativos. É possível construirmos um modelo de desenvolvimento sustentável?
Apesar de algumas iniciativas, o Brasil não acordou para o potencial da bioeconomia. Temos 25% das espécies de fauna e flora do mundo. Só na Amazônia temos um estoque de microrganismos que ainda nem conhecemos e que podem ser a solução para vários problemas, inclusive do agro.

Temos exemplos na Embrapa?
Vários. Um deles é o biofertilizante chamado BiomaPhos. Na busca da solução para corrigir a carência de fósforo no solo brasileiro (hoje importamos mais de 80% da demanda), nossos pesquisadores encontraram duas bactérias do gênero Bacillus que atuam em dobradinha, uma no solo e a outra na planta, liberando o fósforo que está preso no solo para a planta absorver. Na safra 2019/20, esse biofertilizante foi utilizado em 300 mil hectares de milho e soja. Na safra 2020/21, em 1,5 milhão de hectares e na 21/22 a perspectiva é que chegue a 4 milhões de hectares. Nós avaliamos 238 áreas de produção de soja e o ganho líquido foi de 4 sacas/ha.

A Embrapa é uma ilha de excelência em um país que despreza a ciência em termos de financiamento e retenção de pesquisadores. Como a iniciativa privada pode suprir esse vazio?
O primeiro ponto é avaliar os resultados. Ao longo dos 48 anos da Embrapa mostramos que dá certo. Quando a gente mostra a economia associada ao uso de fertilizantes à base de nitrogênio, ou o quanto o zoneamento de risco climático pode evitar em desperdício de recursos para o Brasil, damos uma prova inequívoca de que vale investir no agronegócio nacional. E aí retomo o ponto que não temos essa visão no País. Já ouvi de empresários que eles já pagam muitos impostos, então se negam a financiar pesquisa porque acreditam que cabe somente ao governo este papel. O governo já faz um investimento de mais de R$ 3 bilhões na Embrapa para oferecer uma organização pronta para que a iniciativa privada use e ajude a financiar. Grandes marcas já estão conosco nessa jornada, mas tem espaço para mais.

Quando falamos em economia verde, o Brasil está sendo tachado de vilão. Os Estados Unidos estão na lista dos que mais atacam, mas há um documento produzido pelo agronegócio americano (Farms Here, Forest There) que alerta o governo sobre os impactos negativos da expansão brasileira. Como conciliar interesses?
Isso é do jogo. Os produtores americanos vão defender que os Estados Unidos sejam os grandes provedores de alimentos do mundo. Do nosso lado, temos que mostrar que nós produzimos mais e melhor do que qualquer outro país. E fazemos isso com sustentabilidade e com tecnologia. Hoje alimentamos 800 milhões de pessoas, com uma produção de mais de 260 milhões de toneladas de grãos (safra passada). Em cinco anos, a produção brasileira de grãos vai passar para 300 milhões, sem a necessidade de derrubar a floresta Amazônica ou a Mata Atlântica. Vamos fazer isso incorporando passagens degradadas e melhorando a produtividade nas propriedades rurais com agricultura de baixo carbono.

A população mundial passará de 7 milhões para 10 milhões de pessoas em 30 anos. Como garantir o Brasil como o principal provedor de alimentos?
Temos que atuar em duas frentes. Aumentar a produtividade e a eficiência, são juntas uma delas, e já estamos fazendo isso. Há 15 anos, a soja colhia cerca de 2 milhões de toneladas por hectare. Hoje, chega a 6 milhões. Devemos ter também um salto de produtividade com um trigo tropical desenvolvido pela Embrapa. De nossa demanda de 12 milhões de toneladas, produzimos somente metade em 2,3 milhões de hectares. A média de produtividade no Sul é de 2,9 toneladas. Já no Cerrado está chegando a 8 toneladas/ha graças à tecnologia. Não tem outro lugar do mundo com produção deste cereal em área tropical.

E a outra?
Aumento de produção. Vamos produzir mais. Temos no Brasil 90 milhões de hectares de pastagens com algum grau de degradação. Isso é 11% do território brasileiro. A nossa contribuição para alimentação global passará de 12% para 20% usando áreas já abertas, ou seja, sem avançar nas florestas.

Qual será o papel da agricultura nacional na economia de baixo carbono?
No Brasil estamos no segundo ciclo do Programa de Agricultura de Baixo Carbono e temos sete programas nessa linha. Entre eles estão o sistema ILPF, plantio direto, florestas plantadas, tratamento de dejetos de animais, entre outros. Se há um setor econômico de um país que pode afirmar de forma assertiva que está fazendo a descarbonização é o agro brasileiro.

Mas há um problema que foge a este cenário que são os ilegais que se beneficiam de um mercado interno que não consegue pagar pelo prêmio dos produtos sustentáveis.
A questão do problema social em que vivemos e da nossa incapacidade de fiscalizar são problemas postos. A solução é gerar renda e, em alguns casos, distribuir renda. Do ponto de vista de uma empresa de tecnologia e ciência, o que estamos fazendo é buscar soluções que sirvam aos pequenos, médios e grandes produtores.