Edição nº 165 18.02 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

O brasileiro já começa a questionar o bem-estar animal do produto que consome

Gabriel Reis

O brasileiro já começa a questionar o bem-estar animal do produto que consome

José Rodolfo Ciocca, gerente de Agropecuária Sustentável da World Animal Protection no Brasil, analisa relatório que avalia práticas de gigantes globais do agronegócio

Fábio Moitinho
Edição 04/03/2018 - nº 156

O movimento global por um consumo sustentável chegou definitivamente à cadeia da proteína animal. Os consumidores, cada vez mais bem informados, estão dizendo não para as práticas de manejo que levem sofrimento a bovinos, suínos e aves. Essas cadeias processam globalmente 262,7 milhões de toneladas por ano, e podem enfrentar daqui para frente uma forte barreira comercial, caso se descuidem do tema. A DINHEIRO RURAL entrevista, neste mês, o zootecnista José Rodolfo Ciocca, gerente de Agropecuária Sustentável da World Animal Protection, organização não-governamental inglesa que atua em todo o mundo na defesa de qualquer tipo de animal, de cães até elefantes. Desde 2013, a entidade apresenta o relatório anual Benchmark de Negócios do Bem-estar Animal na Fazenda (BBFAW, na sigla em inglês). “O Brasil é um grande responsável na produção global de alimentos, que começa a atender uma demanda de perfil de consumidores que são a favor de uma pegada mais ética e pode elevar ainda mais a sua importância”, diz Ciocca. Leia os principais trechos da entrevista.

DINHEIRO RURAL – Há novidades na edição 2018 do relatório sobre bem-estar animal?

JOSÉ RODOLFO CIOCCA − A novidade é que estamos vendo um grande movimento de empresas comprometidas com investimentos em bem-estar animal. O estudo avaliou 110 empresas de 18 países, ligadas à cadeia de produção e ao comércio de alimentos. No primeiro relatório havia 68 empresas de 12 países. No Brasil, foram avaliadas três empresas: a BRF, a JBS e a Marfrig. Elas estão incorporando mais a política de bem-estar animal. O plano é aumentar cada vez mais o número de empresas avaliadas, especialmente na América Latina e na Ásia.

RURAL − Como as empresas comprovam que estão mudando as suas práticas?

CIOCCA − A comprovação é feita por meio das informações que as companhias divulgam em seus relatórios anuais. Apesar de não ter uma auditoria, o BBFAW desenvolveu uma metodologia bem complexa, com cruzamento de todas as informações, o que evita margem de manobra. A pontuação de uma companhia sobe, à medida que a sua atuação envolve geograficamente outras regiões do mundo. Por exemplo, o McDonald’s. Na Inglaterra, a empresa afirma não usar mais ovos de galinhas confinadas em gaiolas. Mas, no Brasil, a empresa ainda não publicou esse compromisso. Nesse sentido, ela não vai ter uma nota elevada.

FORA DA GAIOLA: matrizes livres geram índices de melhor produtividade nas maternidades das granjas de suínos (Crédito: Nilton Fukuda)

RURAL − Pode-se confiar nas informações declaradas?

CIOCCA− Sim, porque essas empresas investem em fiscalizações internas. Uma auditoria feita por outras organizações comprovam que as companhias listadas no relatório estão cumprindo as metas de bem-estar animal. Essas informações acabam constando no relatório.

REVISTA RURAL − Qual foi o nível de classificação das empresas brasileiras?

CIOCCA − A BRF e a JBS foram classificadas no nível dois e a Marfrig, no nível três. O ranking que compõe o relatório parte do nível um, o melhor, ao nível seis, o pior.

RURAL − O que exatamente elas estão fazendo?

CIOCCA − A BRF se comprometeu com a criação de leitoas matrizes livres de gaiolas. Nós estamos desenvolvendo um projeto com a empresa para, aos poucos, ir adotando esse sistema em todas as regiões em que ela atua. A JBS também tem feito a mesma coisa. Então, vejo de forma explícita a evolução da agroindústria brasileira.

RURAL − Qual a repercussão desse tipo de política?

CIOCCA − No caso da BRF, quando se comprometeu com a eliminação das gaiolas na criação de suínos, ela influenciou outras agroindústrias na adoção dessa postura. A proposta da BRF é que os produtores integrados criem soltas metade de seus plantéis de leitoas até 2025. Hoje estão todas em gaiolas. Isso vai significar um salto gigantesco no bem-estar desses animais.

RURAL − Quais são as outras parcerias da World Animal Protection?

CIOCCA − Trabalhamos diretamente com instituições que consigam dar uma base científica para o bem-estar animal. Não é algo abstrato. Estamos desenvolvendo projetos com a Embrapa Suínos e Aves, de Concórdia (SC), incentivando a realização de projetos de criação mais humanitária dos animais. Essa será a demanda do consumidor daqui para frente. Há, também, parcerias com universidades, como a UFRJ, a Unesp e a UEL.

RURAL − Com poucas empresas, como o Brasil é avaliado no relatório?

CIOCCA − Apesar do número pequeno de empresas avaliadas, a pesquisa mostra que o País ocupa uma posição interessante. Isso porque o relatório leva em conta o conjunto de empresas avaliadas, que, no caso do Brasil, são três muito bem posicionadas. Ao contrário dos Estados Unidos, onde foram avaliadas cerca de 30 empresas, com notas variadas. Mas é necessário que o Brasil avance em certas questões. O País está produzindo um animal visando ao bem-estar, mas destinado apenas aos europeus. Por que isso? Na maioria das vezes, o brasileiro nem chega a consumir os produtos vindos desse tido de criação.

RURAL − É preciso inverter essa lógica?

CIOCCA − Sim, porque o brasileiro já começa a questionar o bem-estar animal do produto que consome. As empresas devem se preparar para atender a exigência do consumidor local, pois ele também quer uma proteína animal de qualidade. Isso vai refletir, inclusive, em mais pontos e melhores níveis no ranking.

RURAL − Do ponto de vista do bem-estar animal, como o Brasil pode evoluir?

CIOCCA − Claro que ainda há muito para fazer, mas o Brasil é um grande responsável na produção global de alimentos. Principalmente de proteína animal. Nesse cenário, ele começa a atender uma demanda de perfil de consumidores que são a favor de uma pegada mais ética e pode elevar ainda mais a sua importância na produção de alimentos. O País tem potencial para garantir condições mais naturais de criação, com acesso do rebanho a pasto, luz e ar livre.

RURAL − Para o bem-estar animal, qual é a cadeia produtiva mais crítica?

CIOCCA − São duas, no caso, a de suínos e a de aves. Há três aspectos que identificam seus pontos críticos. Um deles é a longa duração de sofrimento a que um animal pode ficar submetido. O outro é o confinamento extremo e a alta lotação de animais em um mesmo espaço. E não menos importante são as práticas de mutilação. Na avicultura, por exemplo, há casos em que se cortam os bicos das aves. Na suinocultura, há o corte da cauda e dos dentes dos animais. Felizmente, há alternativas para melhorar isso tudo. São medidas que podem garantir uma produção mais sustentável.

RURAL − Que alternativas são essas?

CIOCCA − São métodos simples de bem-estar animal. Se dermos mais condições ambientais aos animais, eles expressam melhor o seu potencial produtivo. Por exemplo, a garantia de fontes de alimentos mais naturais, além de luz e vento. Menos estresse, com uma redução de lotação, pode se refletir em maiores ganhos econômicos na criação.

MANEJO: criações soltas em amplos espaços e alimentadas com uma dieta natural estão ganhando cada vez mais mercado (Crédito:Nilton Fukuda)

RURAL − Há algum exemplo de criação que está seguindo esse tipo de criação?

CIOCCA − Há sim. Temos acompanhado de perto um sistema de criação de suínos no Distrito Federal que está mudando o sistema de gestação na granja. Hoje são cerca de 2,1 mil matrizes criadas em gaiolas e outras 1,7 mil soltas. Trata-se de um grupo com alto nível de tecnologia, que investiu, inclusive, num sistema de alimentação automatizada para os animais. Eles estão percebendo a melhoria dos resultados, comparando os dos sistemas. O produtor está conseguindo produzir mais com as fêmeas no sistema de gestação livre. Isso significa não só um modelo de criação ético mas também econômico.

RURAL − Esse tipo de produção não leva a preços mais altos nos supermercados?

CIOCCA − Teoricamente não. Não há uma relação direta entre o fato de o animal ter um bem-estar melhor e o aumento de preço para o consumidor. O que pode acontecer, no princípio, são as redes varejistas se aproveitarem disso e querer ganhar em cima dessa produção baseada no bem-estar.

RURAL − Essa cadeia de valor dos alimentos tem muito a amadurecer ainda?

CIOCCA − Creio que sim. Isso porque ainda é novo no País esse modelo de criação, que leva em conta todas as recomendações de bem-estar animal. Faz parte de um processo natural e que aconteceu em outros países, como na Europa. Lá também houve essa preocupação inicial de que os alimentos ficariam mais caros. Começou como um nicho de mercado, mas a tendência é a produção ganhar escala. Com isso é criada a estabilização do valor do alimento. No caso da produção de ovos de galinhas livres de gaiolas, esse custo inicial pode parecer mais alto, mas quando a produção ganha escala, o preço se normaliza. Em alguns países que produzem mais ovos de galinhas livres do que no sistema tradicional, a diferença de preço ao consumidor é muito pequena.

 

Volume processado em janeiro em MT cresce 7,25%, diz Imea

Soja

Soja

Volume processado em janeiro em MT cresce 7,25%, diz Imea

Média diária de exportação está 24,2% maior

Carne bovina

Média diária de exportação está 24,2% maior

Incidência na safra de café pode reduzir produção

Ferrugem asiática

Incidência na safra de café pode reduzir produção

Abiove e Aprobio querem aumento de biodiesel

Preços

Abiove e Aprobio querem aumento de biodiesel

Contratação de crédito agropecuário tem alta de 13%

Mais recursos

Mais recursos

Contratação de crédito agropecuário tem alta de 13%

Crédito agropecuário será, no mínimo, igual a 2018

Financiamento

Crédito agropecuário será, no mínimo, igual a 2018

Inflação está em níveis “confortáveis”

Copom

Inflação está em níveis “confortáveis”

Índice volta para patamar positivo depois de um ano

Clima Econômico

Índice volta para patamar positivo depois de um ano

Nestlé vê melhora, mas progresso está precificado

Alimentos

Alimentos

Nestlé vê melhora, mas progresso está precificado

Friboi faz parceria e adota Protocolo Nelore Natural nas unidades

Carne de qualidade

Friboi faz parceria e adota Protocolo Nelore Natural nas unidades

Preços da rede americana sobem após pressão dos fornecedores

Whole Foods

Preços da rede americana sobem após pressão dos fornecedores

Minerva habilita três unidades para exportar ao Japão

Boi

Minerva habilita três unidades para exportar ao Japão


Uma corrida pela igualdade

Mulheres no agronegócio

Uma corrida pela igualdade

As mulheres, que já administram 35% das propriedades rurais do País, avançam na organização desse estrato social

I-UMA abre inscrições em pós no agronegócio para 2019

Ensino

I-UMA abre inscrições em pós no agronegócio para 2019


Animais mais precoces no abate

Circuito Nelore de Qualidade 2018

Animais mais precoces no abate

Em 2018, número de etapas cresceu 37,5% e o de animais avaliados saltou 49,1% ante 2017

Cesb lança livro sobre  produtividade

Soja no Brasil

Cesb lança livro sobre produtividade

Comitê ajudou os produtores a atingirem recordes de produção no período


Entrevista

"Resolver o seguro rural é um marco que quero deixar no próximo governo"

Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Tour DSM de Confinamento comprova rentabilidade deste sistema em 2018

Tour DSM de Confinamento comprova rentabilidade deste sistema em 2018

As 11 etapas da 4ª edição do Tour DSM registram 2,5% de retorno ao mês de rentabilidade no confinamento e confirma decisão pelo investimento em tecnologia

Como a Europa está tentando erradicar a doença

Diarreia Viral Bovina (BVD)

Como a Europa está tentando erradicar a doença

Junto com o produtor

Antonio Galvan

Junto com o produtor

Jerusalém e o agronegócio brasileiro

Rafael Marconcini

Jerusalém e o agronegócio brasileiro

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.