• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias08/01/2022

‘O centro deverá definir o resultado das eleições’, diz sócio da Arko

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo08/01/22 - 17h30min

O cientista político Lucas de Aragão, sócio da Arko Advice, uma consultoria de Brasília, diz que, em 2022, o centro deve ser decisivo mais uma vez para o resultado das eleições. Mesmo que um candidato da chamada "terceira via" não decole, segundo Aragão, o centro deve ser o fiel da balança, como em eleições anteriores. Nesta entrevista, ele fala também que é preciso reduzir a tensão política e buscar o consenso, "que sempre trouxe resultados positivos". Confira a seguir os principais trechos da entrevista.

Em 2022, o Brasil está entrando de novo num período eleitoral com um cenário político e econômico complicado. Em sua visão, o que acontece? Por que o Brasil fica "patinando" e não consegue deslanchar?

Há uma série de motivos. A gente vem de uma situação fiscal complicada há alguns anos, que talvez seja um dos grandes impeditivos para o País crescer. Hoje, a credibilidade internacional do Brasil é baixa, o que afeta o fluxo de investimentos externos, apesar de o País ainda ser um destino relevante. Além disso, passamos por uma pandemia brutal e o ambiente político está muito agressivo. No Brasil, as soluções sempre vieram do consenso político, até porque não tem como ser diferente. O Brasil é politicamente muito fragmentado e tem um Congresso que ganhou força nos últimos anos. Ainda assim, houve imensos avanços. Eu não compro a ideia de que tivemos uma "década perdida". Acredito que o Brasil é muito pior do que deveria ser, mas melhor do que parece.

Que avanços são esses que o sr. mencionou?

Houve uma série de medidas de modernização nos últimos anos, como a reforma da Previdência, o teto de gastos, que, apesar de ter sido "furado", ainda é melhor do que nada, a reforma trabalhista, o novo marco do saneamento, a Lei do Gás e a PEC do Mar, que podem trazer muitos investimentos para o País. Só que as boas notícias são constantemente soterradas pelas más. A maioria das boas notícias que aconteceram no Brasil nos últimos anos tem impacto estrutural. Demora para produzir efeitos. Enquanto tudo isso está acontecendo, as notícias conjunturais são muito ruins e causam desconfiança no mercado. No meio de todos esses avanços, tivemos uma crise fiscal forte, uma pandemia que desarranjou o País e muita tensão política.

Como o País pode superar essa tensão política?

É preciso buscar o consensualismo, que sempre trouxe resultados positivos. Até as vitórias eleitorais dependem do centro. O que fez o Bolsonaro ganhar em 2018 não foi o bolsonarismo. Foi o centro. O bolsonarismo o colocou em pé. Mas a vitória veio com o apoio do centro. Com o Lula foi igual. Quando ele ganhou em 2002, já tinha uma base que o deixava competitivo, mas não lhe dava a vitória. Foi só quando conseguiu ganhar o centro que ele foi eleito.

Toda eleição é importante, mas muitos analistas têm dito que esta eleição é "a mais importante" para o Brasil. O sr. também pensa assim?

Eu não vejo desta forma. Toda eleição é mais importante do que a anterior e menos importante do que a próxima. Talvez esta seja mais interessante porque será menos polarizada. Em 2018, havia duas narrativas, a do Bolsonaro e a do PT. Hoje tem três: a do Bolsonaro, a do PT e a do "não quero nenhum dos dois". Agora, se você perguntar por que esta eleição é mais importante, todo mundo vai dizer que é por causa da democracia, das instituições, do não sei o quê. Mas toda eleição tem um fato que parece o mais importante até que venha a próxima.

Nós falamos sobre obstáculos presentes na vida política e econômica do País. Que oportunidades o sr. vê no horizonte?

Talvez a grande boa notícia dessa polarização que a gente tem visto é que, de uma forma ou de outra, os principais candidatos já entenderam, por mais que uma parte da sociedade ache isso feio, que não há saída a não ser negociar com todas as forças políticas. Goste-se ou não dessa questão de dividir o poder com partidos de centro, o Brasil é multipolarizado. Ninguém manda no Brasil sozinho. Muita gente manda no Brasil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
Arko Advice