• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 186 26.05Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Finanças25/05/2022

O compliance transforma o agro

Everton Sylvestre
Texto por:Everton Sylvestre25/05/22 - 17h02min

TRABALHADORES

Com o recrudescimento da agenda ESG (Ambiental, Social e de Governança) nos últimos anos, uma série de novos conceitos se tornou frequente nas conversas dos produtores rurais dentro e fora da porteira. Compliance é um deles. Se até pouco tempo atrás seu raro uso era justificável, pois parecia não ter muita relação com a lavoura ou rebanhos, agora a situação é outra. Uma vez que o agro se aproxima da Faria Lima e do mercado de capitais, a tendência é que o termo rapidamente se popularize. E o motivo para isso é que compliance é risco. “Vai desde um olhar sobre as operações para as melhores práticas, até um contexto maior de gestão de riscos”, afirmou a advogada sócia especialista em agronegócio da KPMG, Giovana Araújo.

85% dos produtores afirmam que governança é relevante

MEIO AMBIENTE:

Ainda que a jornada rumo à governança seja certa à medida que o negócio cresce, para boa parte dos produtores as dificuldades continuam sendo muitas. De acordo com a pesquisa Governança no Agronegócio: Percepções, Estruturas e Aspectos ESG nos Empreendimentos Rurais Brasileiros, realizada pela KPMG em parceria com o grupo de trabalho Agro do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), 52% dos entrevistados indicam que mapear os riscos corporativos e operacionais é um dos maiores desafios que enfrentam. Em seguida, aparecem a necessidade em promover a melhoria no ambiente de controles internos e compliance (51%), formalizar papéis e responsabilidades (50%) e políticas e procedimentos internos (42%). Mas, independentemente dos desafios que vão enfrentar, 85% dos entrevistados classificam a governança como importante ou muito importante para seus empreendimentos.

"O compliance vai desde um olhar para as melhores práticas até gestão de riscos”

A JORNADA Para quem não sabe por onde começar o trabalho, os sócios do escritório Trench Rossi Watanabe, Heloísa Uelze e Felipe Ferenzini, são categóricos no conselho de “comece pelo básico”. Ou seja, cumpra a lei brasileira com rigor e use ferramentas como os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas como framework para planejar a estratégia. “Não ter trabalho escravo, não ter menor trabalhando, não ter poluição ao meio ambiente na sua cadeia produtiva”, afirmou Heloísa. Mas não basta não fazer, é preciso comprovar ações e resultados. No curto prazo, o processo pode sair caro para o bolso devido aos altos custos com advogados, ferramentas de gestão, especialistas para montar a estrutura de governança e a contratação de profissionais especializados para cuidar da agenda na propriedade. Mas, sem esse esforço inicial, o resultado pode ser bem mais desastroso no longo prazo. Afinal, afirmou Heloísa, uma série de regras de compliance “já começa a ser exigida pelos países da Europa”. Quem não fizer perderá mercado.

"A adoção de melhores práticas pelos concorrentes gera um ciclo positivo no mercado”

Para Ferenzini, é certo que a movimentação rumo aos mais altos níveis de adequação está intensa no Brasil. As empresas veem os concorrentes evoluindo e colocando a conformidade como diferencial e passam a ter mais interesse no processo. “Isso gera um ciclo positivo no mercado”, afirmou. O mesmo vem acontecendo com entidades e cooperativas, o que, segundo o advogado, promove um incentivo maior pela busca da integridade de maneira coletiva. Outro ponto é que a governança gera novas oportunidades de negócio, especialmente aquelas relacionadas a estruturas financeiras mais complexas e com mais riscos, como o mercado de crédito de carbono. “As empresas que querem investir, antes de comprarem créditos, procuram o escritório para avaliar os possíveis parceiros, para verificar se não estão envolvidos com grilagem”, diz.

PRÁTICAS

EXEMPLO Competir com grandes multinacionais é impossível, mas produtores rurais que estejam procurando benchmarking inspiradores podem olhar para a indústria. Na Basf, por exemplo, o programa de compliance tem mais de duas décadas. Segundo o head jurídico da Divisão de Soluções para Agricultura da Basf na América do Sul, Lucas de Oliveira e Silva, ainda que haja ajustes para cada mercado, as molas mestras do compliance são comuns: limites, barreiras e capacitação. “Quem entra na empresa já recebe os treinamentos de compliance e anticorrupção.” E, mais recentemente, questões ligadas à diversidade. “Tentamos ser um exemplo e inspirar nossos parceiros em todas as áreas", afirmou.

A porta está aberta com exemplos, literatura e especialistas para ajudar o produtor nesta jornada. No entanto, mais do que uma cartilha de regras e normas, o compliance tem que ser introjetado nos valores e cultura da propriedade. Do contrário, serão dinheiro e oportunidade jogados fora.