• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias28/08/2021

O desafio de apagar um incêndio sem usar água

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo28/08/21 - 18h40min

Cinco homens. Contra eles, a mata fechada e seca, o vento e o fogo - fora de controle. No meio do Pantanal, em meio a uma das piores estiagens que atingem a região em décadas, eles disputam cada palmo de uma área que se estende do Maciço do Urucum em direção à fronteira com a Bolívia. Falta a eles, no entanto, o fundamental: água.

Ali, às margens da BR-262, na região de Corumbá, os brigadistas do Ibama correm de um lado para o outro para evitar que o fogo destrua ainda mais o bioma e para que fique longe da estrada. Nem sempre conseguem. Nesta semana, um carro da Polícia Rodoviária Federal foi destruído pelas chamas que atingiam a BR-060, em Sidrolândia.

Sem água, lutar contra o fogo é como jogar xadrez com a natureza. "Aqui não vai chegar, é muito fechado para entrar com carro-pipa", diz o chefe de esquadrão dos brigadistas. É José Roberto Brandão, de 38 anos, quatro temporadas de incêndios no Pantanal. Dois salários mínimos e meio por um trabalho que não costuma durar o ano inteiro.

A enxadadas, ele retira o que pode da vegetação seca do caminho das chamas. Cria uma barreira natural com o solo nu. Não basta. O vento muda de direção. Atinge os galhos de uma árvore pequena e torta, desce pelo tronco e pula a barreira criada pelo homem. O que parecia controlado se acende, o calor aumenta em segundos. Zé Roberto recua.

Galão de gasolina na mão, trata de deixar longe das chamas. O combustível é para o soprador. A máquina presa às costas de um dos brigadistas é a mesma com que se juntam folhas em jardins com a força do vento. No combate aos incêndios, serve para tentar mudar a direção do fogo.

Da estrada, a um quilômetro, o que se ouve é o barulho forte dela e das chamas estourando o capim seco. Ora um, ora outro mais forte. Golpe e contragolpe.

"Entra por aqui, passa aquela cerca e vai até aquelas árvores. De lá, segue uns 700 metros, vai olhando de onde vem a fumaça e ouvindo o fogo", ensina Ciney Cunha o caminho à reportagem. Ele acabara de sair da mata para comer, se hidratar e ficar de olho na caminhonete do Ibama. Nem sempre os agentes do Ibama são bem-vindos.

Quando a reportagem encontra os brigadistas no meio da mata, eles já estão por ali há ao menos cinco horas. "Vamos passar a noite aqui. A ideia é controlar até ali na frente (aponta para área mais aberta a cerca de 500 metros) e deixar longe da BR", diz Zé Roberto.

O problema para ele, e os outros brigadistas, é que essa não é a única área que está queimando naquela mesma região. Do lado de lá da BR, a fumaça nas encostas do morro do Urucum denuncia o fogo que atingiu a área da mineradora Vale. Há dois dias, brigadistas e bombeiros trabalhavam nesse foco.

De lá viram o fogo começar em outro ponto e ameaçar o fluxo da rodovia que liga Corumbá a Campo Grande. Fosse só essa a ameaça e já seria um problema. O fogo caminha pelo Pantanal e deixa um rastro de destruição e animais mortos. "Cateto, cobra, mas o que você imaginar morre aí nesse fogo", diz Zé Roberto.

"Esse fogo" ninguém sabe como começou. Tampouco o chefe dos brigadistas se atreve a adivinhar. Certo é que no Pantanal incêndio começa sem causas definidas - ou definidas mas sem responsabilidade atribuída. O dono da área, particular, não foi localizado.

Ontem, o Corpo de Bombeiros de Corumbá se dividia em operações na estrada do Carandazal, Abobral, Nabileque, Urucum e Nhecolandia. As dez brigadas de incêndio mantidas por iniciativas privadas, como a Pantanal SOS, também atuavam em pontos distantes da mata. Corumbá é o município de maior extensão em todo o Mato Grosso do Sul. A brigada do Ibama também fazia o rescaldo de mais de uma semana de incêndio na terra do povo kadiwéu, a cerca de 200 km de Corumbá, Pantanal adentro.

Chuva

No começo da noite, alguns pingos prometiam chuva. Naquela hora, quando Zé Roberto e os outros quatro brigadistas continuavam a disputar terreno com o fogo, uma equipe de bombeiros deslocada de outra operação estacionou às margens da BR-260. Desceram quatro homens. Em minutos se embrenharam na mata fechada e seca. Com eles, dois reservatórios de água portátil preso às costas. Até que acabe o recurso, a disputa vai ficar um pouco mais equilibrada. A chuva não veio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
incêndio