Edição nº 165 18.02 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Luiz Gustavo Nussio

O discurso da bancada ruralista não ajuda a melhorar a imagem da agricultura

Claudio Gatti

O discurso da bancada ruralista não ajuda a melhorar a imagem da agricultura

Luiz Gustavo Nussio, reitor da Esalq, fala sobre as mudanças no ensino, o nascimento de um “Vale do Silício” em Piracicaba e critica as lideranças do setor

Fábio Moitinho, de Piracicaba (SP)
Edição 08/06/2017 - nº 148

O campus da Escola Superior de Agricul­tura “Luiz de Queiroz”, a Esalq/USP, em Piracicaba (SP), a mais famosa facul­da­de de engenharia agronômica do País e a quinta melhor do mundo em ciências agrárias, segundo o ranking da rede de mídia americana US News, tem um xerife atento a tudo o que ocorre ao seu redor. Trata-se de Luiz Gus­tavo Nussio, engenheiro agrônomo há 30 anos, que está no cargo desde 2015. Nussio coman­da o mai­or campus da Universidade de São Paulo. São 3,8 mil hectares, 48% de toda a área da USP, onde estão 12 departamentos, 130 laboratórios, dois mil alunos e 246 professores, dos quais 157 doutores. Ele é um crítico da universidade fechada sobre si mesma, gerando pouco impacto social. “Estamos atravessando um momento preocu­pan­te”, afirma o reitor. “Precisamos mudar a grade curricular das universidades inclusive na Esalq”, diz. Nussio também critica a ban­ca­da ruralista e a falta de um projeto amplo para vender uma imagem positiva do agronegocio ao público urbano. “É fato que o setor tem sido defen­dido por ela, mas é um grupo que se apresenta bem conservador”, diz ele. Neste mês, em que a Esalq/USP completa 116 anos, a DINHEIRO RURAL conversa com o reitor, que quer levar a agricultura a espaços inusitados, como a avenida Paulista, em São Paulo, símbolo máximo da vida cosmopolita das grandes cidades brasileiras.

DINHEIRO RURAL – A imagem do agronegócio continua muito ruim perante o público urbano?
LUIZ GUSTAVO NUSSIO – Quando se fala em agronegócio, a primeira expressão que vem à cabeça do cidadão urbano é agrotóxico. A segunda é risco ambiental e a terceira é trabalho escravo infantil.

RURAL – Como reverter essa imagem negativa?
NUSSIO – É preciso uma ação mais efetiva no que se refere ao desenvolvimento de políticas para o agronegócio. A agropecuária do País precisa ser repaginada e o Brasil tem poucas lideranças para isso. Esses líderes, que são necessários, poderiam ser políticos ou acadêmicos. Nos últimos tempos, por exemplo, creio que o ministro da Agricultura Blairo Maggi tem sido uma referência de liderança. Mas ele compõe uma massa crítica de poucos.

RURAL – A bancada ruralista no Congresso Nacional não tem esse papel de liderar?
NUSSIO – É fato que o setor tem sido defendido por ela, mas é um grupo que se apresenta bem conservador. O discurso da bancada ruralista não ajuda a melhorar a imagem da agricultura. Quando ela se reúne para defender o setor, por exemplo, o foco principal é a busca por angariar vantagens. É isso que passa para a sociedade. E não é o que queremos. A defesa da agropecuária deve ser pelas suas virtudes.

RURAL – Quais seriam?
NUSSIO – Por exemplo, lembrar sempre ao País que neste ano só haverá crescimento da economia por causa da agropecuária. Se não for pelo setor, o resultado do PIB brasileiro certamente indicará estagnação econômica. Esse tipo de informação não re­­cebe o seu devido destaque. Temos de mostrar que o campo está garantindo o emprego e a renda de milhares de pessoas. Mas o que o empresário rural enfrenta é o contrário. Ele é visto como o vilão da história.

RURAL – Qual tem sido a contribuição da Esalq?

 

A agropecuária do País precisa ser repaginada e o Brasil tem poucas lideranças para isso

Blairo Maggi: o ministro é considerado uma das poucas referências do setor agropecuário

NUSSIO – Estamos traçando um projeto voltado para o público urbano. Queremos fazer com que um indivíduo, ao ir numa feira, por exemplo, perceba que lá houve a participação da Esalq. Que ele enxergue que, se não existíssemos, não haveria batata o ano inteiro.

RURAL – Como isso será feito?
NUSSIO – O projeto é montar em uma região central de São Paulo, uma vitrine permanente onde possamos contar a história da nossa agricultura. Uma espécie de horta vertical. Ela poderia ser montada, por exemplo, na avenida Paulista. Mas não pensamos em um lugar de compras, como existe no Japão. O lugar é para o cidadão urbano ouvir uma história sobre a agricultura e como ela é essencial para a sua vida.

RURAL – Seria a primeira grande investida?
NUSSIO – Não. Já estamos executando um projeto ousado, comparado ao trabalho da Universidade Stanford, na Califórnia, nos Estados Unidos, com a criação do Vale do Silício. Essa região possui uma economia consolidada que é maior que a economia do Brasil. Stanford cumpre bem suas funções lá e a Esalq quer chegar a esse mesmo patamar, incentivando a inovação tecnológica e atraindo ainda mais empresas para o nosso redor. Por isso, há dois anos criamos o Vale do Piracicaba.

RURAL – Como ele começou?
NUSSIO – Primeiro, criamos um conjunto de disciplinas para que o aluno compreendesse que o seu maior patrimônio é o conhecimento. A EsalqTec Incubadora Tecnológica já existe desde 1994. Nesse espaço o conhecimento é transformado em negócio. Mas, com a criação da marca Vale do Piracicaba, muitas empresas se mudaram para o local. Para se ter uma ideia, em 12 de meses saímos de 30 empresas incubadas para quase 100 empresas. Para essas empresas nos tornamos uma âncora de suporte do conhecimento.

RURAL – Que tipo de empresa há na incubadora?
NUSSIO – Temos muitas ideias sendo produzidas e que serão apresentadas em outubro deste ano no evento Esalq Show, uma feira de inovação. É algo inédito no País no segmento agropecuário. Teremos projetos como o uso de soluções biológicas para o controle de pragas e novidades sobre o sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta. Além disso, programamos um encontro com as cinco maiores universidades agrárias do mundo. A Esalq, mais representantes das universidades americanas da Califórnia e de Cornell, a holandesa Wageningen e a Universidade Agrícola da China.

RURAL – Há uma agenda em pauta para esse encontro?
NUSSIO – Vamos discutir a criação de uma aliança acadêmica em agricultura. A proposta é unificar a agenda das cinco universidades. Isso significa que os alunos de todas elas passarão a receber parte de sua instrução de modo coletivo. Já propusemos a disciplina que aborda uma visão global de agropecuária no mundo e que será oferecida nessas universidades. Com isso, o plano é fortalecer o intercâmbio de alunos.

RURAL – Qual o ganho na formação desses profissionais?
NUSSIO – O grande ga­­nho é uma visão integrada de mundo e um ponto de vista mais refinado e amplo sobre a agropecuária. Isso significa mais pessoas preparadas que serão colocadas no mercado de trabalho.

RURAL – O Brasil tem formado mão de obra qualificada para trabalhar nas fazendas?
NUSSIO – Hoje, estamos atravessando um momento preocupante do ensino no País e isso faz parte de um estudo que a Esalq está finalizando. Hoje, quando se discute o desenvolvimento da agro­­pecuária brasileira, os aspectos observados são apenas os físicos. Quer dizer, no mundo somos pleiteados como um promissor produtor global de alimentos porque temos água, solo, temperatura e condições de sustentabilidade do meio ambiente. A projeção da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês) diz que até 2050 o Brasil precisa aumentar em 40% a sua produção de alimentos para que o mundo seja abastecido. Mas essa projeção da FAO é punitiva ao Brasil. Na equação pautada somente em recursos naturais falta um componente muito importante que precisa ser respondida: o País tem mão de obra qualificada para cumprir essa missão?

RURAL – O que diz o estudo?
NUSSIO – Computamos dados de produção das principais commodities agrícolas nos últimos 30 anos. A política agrícola, nesse período, promoveu uma curva fantástica de produção. Não há o que se contestar sobre isso. Mas quando colocamos, por exemplo, o número de agrônomos contra essa curva de tempo, há um fato curioso. Em três décadas, a produtividade no campo, por agrônomo, ficou praticamente estática. Isso quer dizer que os ganhos proporcionados por indivíduo formado na universidade não são tão grandes. Isso é muito ruim.

RURAL – Qual a saída?
NUSSIO – Acho que precisamos olhar para a grade curricular das faculdades e universidades e promover reformas, inclusive na Esalq. Temos de olhar para uma carga horária menor dentro das salas de aula, permitindo maior tempo de interação do aluno com a sociedade, em atividades de campo, lidando na prática com o que ele vai ver no mercado de trabalho.

RURAL – É muito difícil dar esse passo?
NUSSIO – Sim, até porque há uma estrutura que define a grade curricular dos cursos de agrárias, na qual estão o Ministério da Educação e seus Conselhos. Mas também há resistência das universidades para fazer isso, inclusive na Esalq. Porém, é algo que precisa ser feito. O profissional deve sair da universidade como um gerador de riqueza. E ele deve continar assim, mesmo passados 30 anos de sua colação de grau. Essa mudança já ocorre nas universidades lá fora.

RURAL – Como a Esalq poderia sair da quinta colocação e chegar à primeira no ranking mundial das universidades?
NUSSIO – Precisaríamos de investimentos maciços para a geração de um ambiente educacional de caráter internacional. Isso significa criar um ambiente cosmopolita, tendo a língua inglesa como a principal em todas as disciplinas da Esalq. Mas isso esbarra na reestruturação do ensino no País, ainda precário nesse sentido.

Volume processado em janeiro em MT cresce 7,25%, diz Imea

Soja

Soja

Volume processado em janeiro em MT cresce 7,25%, diz Imea

Média diária de exportação está 24,2% maior

Carne bovina

Média diária de exportação está 24,2% maior

Incidência na safra de café pode reduzir produção

Ferrugem asiática

Incidência na safra de café pode reduzir produção

Abiove e Aprobio querem aumento de biodiesel

Preços

Abiove e Aprobio querem aumento de biodiesel

Contratação de crédito agropecuário tem alta de 13%

Mais recursos

Mais recursos

Contratação de crédito agropecuário tem alta de 13%

Crédito agropecuário será, no mínimo, igual a 2018

Financiamento

Crédito agropecuário será, no mínimo, igual a 2018

Inflação está em níveis “confortáveis”

Copom

Inflação está em níveis “confortáveis”

Índice volta para patamar positivo depois de um ano

Clima Econômico

Índice volta para patamar positivo depois de um ano

Nestlé vê melhora, mas progresso está precificado

Alimentos

Alimentos

Nestlé vê melhora, mas progresso está precificado

Friboi faz parceria e adota Protocolo Nelore Natural nas unidades

Carne de qualidade

Friboi faz parceria e adota Protocolo Nelore Natural nas unidades

Preços da rede americana sobem após pressão dos fornecedores

Whole Foods

Preços da rede americana sobem após pressão dos fornecedores

Minerva habilita três unidades para exportar ao Japão

Boi

Minerva habilita três unidades para exportar ao Japão


Uma corrida pela igualdade

Mulheres no agronegócio

Uma corrida pela igualdade

As mulheres, que já administram 35% das propriedades rurais do País, avançam na organização desse estrato social

I-UMA abre inscrições em pós no agronegócio para 2019

Ensino

I-UMA abre inscrições em pós no agronegócio para 2019


Animais mais precoces no abate

Circuito Nelore de Qualidade 2018

Animais mais precoces no abate

Em 2018, número de etapas cresceu 37,5% e o de animais avaliados saltou 49,1% ante 2017

Cesb lança livro sobre  produtividade

Soja no Brasil

Cesb lança livro sobre produtividade

Comitê ajudou os produtores a atingirem recordes de produção no período


Entrevista

"Resolver o seguro rural é um marco que quero deixar no próximo governo"

Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Tour DSM de Confinamento comprova rentabilidade deste sistema em 2018

Tour DSM de Confinamento comprova rentabilidade deste sistema em 2018

As 11 etapas da 4ª edição do Tour DSM registram 2,5% de retorno ao mês de rentabilidade no confinamento e confirma decisão pelo investimento em tecnologia

Como a Europa está tentando erradicar a doença

Diarreia Viral Bovina (BVD)

Como a Europa está tentando erradicar a doença

Junto com o produtor

Antonio Galvan

Junto com o produtor

Jerusalém e o agronegócio brasileiro

Rafael Marconcini

Jerusalém e o agronegócio brasileiro

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.