Edição nº 163 10.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

O importante é saber como usar bem um remédio

Marco Ankosqui

O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun, presidente da americana Corteva Agriscience no Brasil, divisão agrícola da DowDuPont, fala sobre o bilionário mercado de defensivos e sementes

Béth Mélo
Edição 04/06/2018 - nº 158

O Brasil é um dos maiores consumidores globais de sementes e de agroquímicos. No mundo, esses setores movimentam US$ 65 bilhões e US$ 11 bilhões, por ano, respectivamente. Mas são segmentos que, nos últimos anos, têm passado por um profundo processo de fusões e de aquisições, nunca visto no agronegócio. Como é o caso das americanas Dow AgroSciences e DuPont, que se uniram para criar a DowDupont, empresa avaliada em quase US$ 150 bilhões. Sua divisão agrícola, que será uma empresa independente a partir de junho de 2019, foi batizada de Corteva Agriscience, com sede em Wilmigton, no Estado de Delaware. As operações no Brasil estão nas mãos de Roberto Hun, 50 anos, um executivo experiente que já passou por bancos como ABN Amro Bank, da Holanda, e Royal Bank, no Canadá, e por empresas como a a montadora Autolatina (fusão da Volks com a Ford) e a administradora de cartões de crédito Credicard. Na DuPont, Hun estava desde 1995. “Na agricultura ainda há muito espaço para crescer”, diz ele. “As empresas são atraídas, justamente, pelo tamanho do mercado brasileiro e por oportunidades.” Nesta entrevista para a DINHEIRO RURAL, ele fala de política para o setor, de tecnologias e de desafios.

DINHEIRO RURAL – O que o sr. tem a dizer sobre defensivos agrícolas que já foram abolidos em outras partes do mundo, mas que continuam a ser vendidos no Brasil?

ROBERTO HUN – O Brasil é um dos mercados mais criteriosos em legislação para defensivos agrícolas. O processo brasileiro é baseado em pesquisa e informação. Nós temos órgãos como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, além do Ministério da Agricultura e Pecuária, que buscam todas as informações para ajudar a regular o mercado. E não só para as moléculas existentes, como também na aprovação de novos princípios ativos.

RURAL – Como informar o consumidor, que está no final da cadeia, sobre o papel dos defensivos agrícolas na produção de alimentos?

HUN – Se eu tivesse que explicar de uma forma didática, diria que o defensivo é o remédio da planta, que ele atende as necessidades para que uma planta cresça e se desenvolva. O importante é saber como usar bem um remédio. Nós estamos comprometidos em criar uma nova imagem perante o consumidor e vamos fazer isso.

RURAL – Como será a atuação nessa cadeia da informação?

HUN – Queremos melhorar o diálogo com o consumidor de alimentos para que ele entenda os desafios da produção, da pressão de pragas que existem no ambiente tropical. Para isso, vamos realizar mesas de discussão para esclarecer as dúvidas e as preocupações do público final e mostrar as alternativas que existem no mercado para a sua proteção. Esse diálogo é importante para levar informação a toda a cadeia, para mostrar o propósito da companhia nas parcerias com a sociedade.

Controle: órgãos do governo se apoiam na pesquisa e na informação para regular o mercado de proteção de cultivos (Crédito:Istock)

RURAL – De que maneira esse diálogo deve acontecer?

HUN – Serão painéis de discussões, conversas com ativistas e organizações não governamentais e também com o governo. Para nós, será muito importante ter um papel, uma cadeira nessas mesas. Como Dow e DuPont, nosso foco era muito forte no cliente, nos parceiros comerciais, como cooperativas, distribuidores e produtores. Por isso, se tomada toda a cadeia, tivemos uma presença menor. Agora, queremos estar mais próximos do consumidor de alimentos.

RURAL – Qual o papel da informação no segmento de agroquímicos?

HUN – É fundamental o trabalho de comunicação. É importante investir em tecnologia, mas se isso ficar escondido em casa ninguém vai se beneficiar desse investimento. Por isso, é preciso ter equipes fortes para promover as experiências em áreas de plantio, realizadas para demonstrar os benefícios da genética, de novos híbridos de milho, de novas variedades de soja, de novos fungicidas para o controle da ferrugem asiática, por exemplo. São dados que mostram a performance no campo, porque toda a genética de sementes tem sido desenvolvida para a realidade do mercado brasileiro.

RURAL – O produtor tem feito a lição de casa de forma correta ao usar um agroquímico?

HUN – O Brasil até se diferencia como um dos países de maior índice de recuperação das embalagens vazias de defensivos utilizados do campo. Esse é um dos exemplos positivos. Mas na parte de aplicação ainda é importante o trabalho de educação, de preservação das tecnologias e de rotação de produtos. É preciso um manejo correto para evitar o desenvolvimento de resistência aos defensivos. Nessa questão, vale destacar o esforço conjunto dos produtores, das empresas e dos canais de distribuição para orientar sobre a utilização de produtos.

RURAL – Mas os produtos piratas ainda são uma forte realidade no campo.

HUN – Os defensivos ou as sementes ilegais representam um perigo para a agricultura. Eles colocam em risco a saúde e a segurança dos agricultores, além de prejudicar o crescimento econômico do País. O uso desses produtos também afeta a inovação e a capacidade de continuar o desenvolvimento dos negócios desses setores. E contribui para a perda de plantios e do rendimento, pela origem desconhecida do produto. Atualmente, trabalhamos com produtores e associações do setor para coibir o comércio de produtos ilegais. O caminho são os treinamentos e o desenvolvimento de programas de apoio aos agricultores, além da vigilância e proteção de direitos de propriedade intelectual.

RURAL – Entre os desafios de manejo, a deriva, que é a dispersão de agroquímicos durante a sua aplicação, ainda é uma fronteira a ser vencida?

HUN – Já há tecnologia que garante uma precisão maior na aplicação de defensivos agrícolas e pode ajudar a melhorar a eficiência para reduzir o impacto da deriva, que é o desvio de produtos. Por exemplo, herbicidas com gotas maiores e com maior peso fazem com que o produto atinja somente a área aplicada. Mas, além disso, é preciso considerar as condições climáticas, como temperatura, vento e umidade relativa do ar no momento da aplicação. O equipamento utilizado também conta, como o tipo, as regulagens e velocidade de aplicação.

RURAL – Por que o agronegócio brasileiro continua sendo um desafio gigante para as empresas, embora boa parte já atue por aqui há muito tempo, como era o caso de Dow e DuPont, agora Corteva?

HUN – As empresas são atraídas, cada vez mais, justamente pelo tamanho do mercado brasileiro e pelas oportunidades. E as oportunidades para que o País possa ser o celeiro do mundo têm aumentado. O Brasil possui um enorme potencial porque a área dedicada à agricultura ainda pode crescer muito. Há muitas áreas de pastagens a serem convertidas para a agricultura de uma maneira bastante sustentável. Mas o ambiente é de muitos desafios de manejo. A pressão de pragas e de doenças nos cultivos é grande, situação distinta de um mercado como o americano. Lá, a temporada de cultivo bem marcada por um inverno com neve ajuda muito os produtores a controlar o ambiente.

RURAL – Como o sr. enxerga o futuro dos setores de sementes e de defensivos ?

HUN – Eles se tornarão cada vez mais complementares. Apostamos nisso. A biotecnologia e a proteção de cultivos são ferramentas para ganhos de produtividade e de gerenciamento de riscos na lavoura. Enxergo um futuro próximo em que todos os desenvolvimentos de produtos e de oferta ao mercado estarão atrelados a serviços digitais muito robustos. Eles serão capazes de gerar tomadas de decisão mais precisas no dia a dia do agricultor, por meio de softwares que conectem o forte conhecimento técnico das equipes das empresas do setor com a inovação avançada em biotecnologias, moléculas, germoplasmas e maquinários agrícolas.

Sob medida: toda a genética das sementes que vão para o campo é desenvolvida para a realidade do País (Crédito:Shutterstock)

RURAL – O senhor acredita nas políticas para esses dois setores?

HUN – Reconheço os esforços das autoridades para modernizar as legislações relevantes para a agricultura. Acho que a cadeia produtiva entende que as reformas da Lei de Proteção de Cultivares e do Marco Regulatório dos Defensivos Agrícolas são importantes e necessárias. Autoridades, produtores, indústria e outros atores vêm discutindo esses temas de maneira organizada. No entanto, são legislações complexas que exigem reflexões profundas para que as decisões sejam positivas para todos os elos do setor agrícola.

RURAL – Qual o peso das pesquisas para a companhia que nasce da fusão DowDuPont?

HUN – A Corteva mundial está comprometida com 10% de seu faturamento global para pesquisa e desenvolvimento de produtos. No ano passado foram US$ 1,4 bilhão, do total de US$ 14,3 bilhões da receita de 2017 da divisão agrícola DowDuPont. E também está comprometida com a introdução de quatro mil novos produtos até o fim de 2020. Somente no Brasil são dez centros de pesquisa e laboratórios para soja, milho, sorgo, pastagem, cana-de-açúcar e hortifruti.

RURAL – O que o Brasil representa para a Corteva?

HUN – O Brasil é fundamental para o futuro da companhia porque ele já é o maior faturamento fora dos Estados Unidos. No ano passado, do faturamento global, a América Latina registrou uma receita de cerca de US$ 3 bilhões, incluindo o Brasil.

Tereza Cristina tem conhecimento técnico e respaldo político

ABPA

Tereza Cristina tem conhecimento técnico e respaldo político

‘Recebemos da melhor forma Tereza Cristina como futura ministra’

Abag

‘Recebemos da melhor forma Tereza Cristina como futura ministra’

Confirmado pelo Twitter que Tereza Cristina será ministra da Agricultura

Bolsonaro

Confirmado pelo Twitter que Tereza Cristina será ministra da Agricultura


Comunicação

DINHEIRO RURAL vence 32º Prêmio Veículos de Comunicação

Revista Especializada

Revista Especializada

DINHEIRO RURAL vence 32º Prêmio Veículos de Comunicação


Entrevista

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho

Jacyr Costa Filho

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho, diretor do grupo Tereos Brasil e presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp, fala sobre as eleições no País e o ambiente de negócios para o setor


Índice de Commodities do Banco Central cai 6,11% em outubro ante setembro

Mercado

Índice de Commodities do Banco Central cai 6,11% em outubro ante setembro

Tribunal barra venda de produtos com agrotóxicos no Mercado Livre

Comércio

Tribunal barra venda de produtos com agrotóxicos no Mercado Livre


Fogo nas relações entre Brasil e China

Internacional

Fogo nas relações entre Brasil e China

Na mitologia chinesa, o dragão foi um dos quatro animais convocados para ajudar na criação do mundo. Além de tudo que representa na cultura do maior país asiático, como poder e audácia, ele também simboliza o controle das águas em terras de agricultura. Nada mais natural, já que tratar da proteção do alimento é uma questão de sobrevivência em uma nação de 1,4 bilhão de pessoas.

Churrasco queimado

Argentina

Churrasco queimado

Os produtores argentinos voltam a pagar sobretaxas sobre a exportação, levando o campo a perdas que podem chegar a US$ 6 bilhões


Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

cacau

Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

Açúcar e Bioenergia

Biosev tem prejuízo de R$ 155,567 milhões no 2º trimestre da safra 18/19

São Martinho:

Não há planos no curto prazo de grandes investimentos

Máquinas Agrícolas

CNH Industrial registra no 3º tri lucro de US$ 231 mi, alta de 285%


Especial - Logística em pauta

Uma nova ordem nas estradas

Frete

Frete

Uma nova ordem nas estradas

O tabelamento do frete impõe novos desafios para empresas e produtores rurais. Saiba quais são as estratégias para superar esse jogo

A linha de montagem do futuro

Indústria

A linha de montagem do futuro

Como as indústrias estão criando caminhões cada vez nais seguros e inteligentes

Inteligência artificial nas estradas

revolução digital

Inteligência artificial nas estradas

Como a revolução digital pode livrar os nós logísticos do País

Os trilhos do desenvolvimento

Novos caminhos

Os trilhos do desenvolvimento

Ainda pequeno, o modal ferroviário tem um grande potencial para elevar o fluxo logístico nacional

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

Ampliando a capacidade produtiva

Ampliando a capacidade produtiva

Cooperativas agrícolas do País apostam no crédito rural para agregar valor ao produto e sair na frente na corrida por inovações sustentáveis

De olho no custeio antecipado

De olho no custeio antecipado

Com preços em queda e boas taxas de crédito, produtores rurais podem apostar na antecipação da compras de insumos para a safra 2018/2019


Reportagens de capa


Reportagens de capa

O caçador de negócios

Domingo Lastra

O caçador de negócios

Conheça a estratégia da trading americana Archer Daniels Midland, companhia global que fatura US$ 60 bilhões e que tem apostado em uma nova gestão corporativa para continuar crescendo no Brasil

A super cooperativa

Castrolanda, Frísia e Capal

A super cooperativa

As paranaenses Castrolanda, Frísia e Capal investiram quase R$ 700 milhões em um projeto para industrializar leite, processar suínos e moer trigo. Conheça o modelo inédito de intercooperação, que reúne 4,5 mil produtores e que fatura R$ 1,8 bilhão por ano

A corrida da bioenergia

Rafael Chang

A corrida da bioenergia

Pela primeira vez na história, uma montadora desenvolveu um carro híbrido que funciona movido a etanol e a eletricidade. saiba o que a Toyota e outras gigantes, como Raízen, Tereos e Copersucar, estão fazendo para tornar a matriz energética brasileira cada vez mais sustentável

Mais perto do campo

Octavio de Lazzari

Mais perto do campo

Os maiores bancos comerciais se aproximam cada vez mais do agronegócio. Saiba o que eles têm feito para atrair os produtores e conquistar definitivamente um lugar no segmento mais pujante da economia brasileira

A conquista do mundo

Paulo de Castro Marques

A conquista do mundo

Um campo para as franquias

José Carlos Semenzato e João Arantes Júnior

Um campo para as franquias

O empresário José Carlos Semenzato fez fortuna no mundo do franchising. Agora, ele quer transportar essa experiência para o agronegócio e se tornar vendedor de genética bovina. Conheça seus planos

JBS Biolins amplia capacidade de geração de energia limpa e fontes 100% renováveis

TERMELÉTRICA

TERMELÉTRICA

JBS Biolins amplia capacidade de geração de energia limpa e fontes 100% renováveis

Nos próximos cinco anos, o Brasil vai parar de vacinar bovinos

Nos próximos cinco anos, o Brasil vai parar de vacinar bovinos

Guilherme Henrique Figueiredo Marques, diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa, fala sobre os próximos passos para a erradicação total da febre aftosa no País


O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun

O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun, presidente da americana Corteva Agriscience no Brasil, divisão agrícola da DowDuPont, fala sobre o bilionário mercado de defensivos e sementes

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil  não sabe o que quer da China

Marcos Jank

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil não sabe o que quer da China

Marcos Sawaya Jank, da Asia Brazil Alliance, fala de comércio internacional e dos desafios do País lá fora

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups

No campo

No campo

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups


Céu compartilhado

Aviação agrícola

Céu compartilhado

Como a aviação agrícola vai dividir suas tarefas com os drones

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

Blockchain

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

O Blockchain está chegando para mudar as relações no agronegócio. Agora, é preciso entender o que a ferramenta pode fazer por uma propriedade


Mulheres do Agronegócio


Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Cenário

Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Em levantamento da Corteva Agriscience, Divisão Agrícola da DowDuPont, produtoras rurais dizem que há progresso das mulheres no agro, mas ainda é lento. Disparidade financeira, falta de reconhecimento e pouco acesso a treinamentos são os principais entraves. No Brasil, 78% afirmam que existe discriminação de gênero

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas

Evento

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas


Uma mulher à frente de seu tempo

Alida Bellandi

Uma mulher à frente de seu tempo

Como Alida Bellandi tomou as rédeas de sua carreira e se tornou presidente da Guarany, empresa de equipamentos agrícolas. Ela é uma das poucas executivas do agronegócio que chegou ao topo da carreira

A hora da virada

Álvaro Peixoto

A hora da virada

Por que executivos deixam companhias globais para trabalhar em empresas de menor porte e com menos exposição no mercado

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

José Luiz Tejon

José Luiz Tejon

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Carlos Dutra

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Fernando Sampaio

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

Carlos Alberto Forcelini

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.