Edição nº 157 06.04 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“O investimento global em pesquisa e desenvolvimento disparou”

“O investimento global em pesquisa e desenvolvimento disparou”

Vera Ondei
Edição 08/03/2017 - nº 145

Aos 64 anos, o agrônomo americano Robert Fraley traz em sua bagagem a paternidade das sementes geneticamente modificadas, criadas pela gigante americana de biotecnologia Monsanto, empresa comprada pela farmacêutica alemã Bayer por U$ 66 bilhões no ano passado. Fraley, vice-presidente global da Monsanto, e diretor geral de Tecnologia, está na companhia desde 1981, época em que ela começava a colher os primeiros resultados das pesquisas em engenharia genética aplicada à agricultura. Desde então, já assinou cerca de 100 publicações e pedidos de patentes de biotecnologias agrícolas. O pesquisador e executivo concedeu a seguinte entrevista à DINHEIRO RURAL:

Que elementos o sr. acredita que são preponderantes para acelerar a transformação pela qual a cadeia agrícola passa?

Ainda hoje os nossos alimentos e a forma como eles são cultivados estão atravessando uma evolução sem precedentes, graças aos incríveis avanços na ciência. Ao mesmo tempo, a agricultura está iniciando uma transformação muito necessária, alimentada por uma onda de novas startups, bem como por diversas fusões de empresas existentes e novas combinações de negócios. A combinação destes fatores está trazendo um pensamento inovador para a indústria, expandindo e diversificando projetos de pesquisa e desenvolvimento e aumentando os recursos disponíveis para financiá-los.

Quais serão os impactos dessas mudanças aos agricultores, indústria e consumidores?

Essas mudanças são boas para a indústria, os agricultores, os consumidores e absolutamente fundamentais para atender as necessidades alimentares de nossa crescente população mundial. No caso da fusão entre a Bayer e a Monsanto, em particular, significa mais inovações agrícolas que vão trazer benefícios para a cadeia produtiva, do produtor ao consumidor. As duas empresas têm produtos complementares. Juntas, elas podem melhorar o ritmo e o escopo da inovação, ajudando a identificar novas soluções para o campo.

Como o sr. analisa o portfólio das duas empresas?

O negócio da Monsanto está focado em sementes, em biotecnologia e nas ciências de dados. A Bayer tem um foco maior em ferramentas de proteção de culturas. Combinadas, elas ajudarão grandes e pequenos produtores a otimizarem soluções integradas e a melhorarem a rentabilidade e a sustentabilidade nas suas propriedades rurais. Isso porque haverá uma maior uma variedade de insumos, com foco mais preciso.

Em que medida essa combinação melhora o ritmo das inovações que vão ao campo?

Ao combinar as inovações em sementes e biotecnologia, com as novas ferramentas de proteção de culturas, vamos sim melhorar o ritmo das inovações agrícolas, por uma questão simples. Trabalhar juntos, como uma empresa, significa desenvolver ambos os produtos simultaneamente, reduzindo o tempo de desenvolvimento. Acredito que este tipo de trabalho coordenado, de pesquisa e de desenvolvimento, trará produtos melhores e mais sustentáveis para o campo, mais rápido do que nunca, ajudando os agricultores a melhorarem o uso dos recursos naturais em suas propriedades.

Como essa nova empresa pode atender os agricultores?

Ela se concentrará em investir, pesquisar e trazer inovações para milhões de agricultores em todo o planeta. A combinação criará oportunidades que nos permitirão aumentar os investimentos em pesquisa e desenvolvimento, em novas categorias de ciência de dados e de soluções biológicas melhoradas. Além de poder entregar essas soluções aos agricultores mais rápido do que qualquer um de nós poderia fazer sozinho. Outro fato é que a força comercial da Monsanto está nas Américas, enquanto a Bayer tem uma presença mais forte na Europa e na Ásia.

inovação: os investimentos em tecnologias agrícolas saltaram de US$ 400 milhões, em 2010, para US$ 4,6 bilhões em 2016
Inovação: os investimentos em tecnologias agrícolas saltaram de US$ 400 milhões, em 2010, para US$ 4,6 bilhões em 2016

O sr. acredita que os agricultores enxergam benefícios nesta fusão?

Quando converso com produtores em todo o mundo, fica claro que eles compreendem e apreciam o importante papel que a inovação tem desempenhado para melhorar a sua sustentabilidade, produtividade e rentabilidade. Quando algumas empresas começam a inovar, isso incentiva outras empresas a aumentarem seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento, para manterem-se competitivas. Foi exatamente isso que aconteceu quando as culturas transgênicas foram introduzidas, uma tecnologia da qual eu tenho orgulho de dizer que tive uma participação em seu desenvolvimento.

Qual é o atual patamar de investimentos em pesquisa e desenvolvimento no setor agrícola?

Desde a introdução das culturas transgênicas houve um aumento constante nos investimentos públicos e privados em pesquisa e desenvolvimento. Mas nos últimos anos o investimento global disparou. Em 2010, os investimentos de capital de risco em tecnologias agrícolas totalizaram cerca de US$ 400 milhões, mas a partir de 2015, o nível de investimento saltou para US$ 4,6 bilhões, de acordo com o Relatório AgTech Investing publicado pela AgFunder Inc.

Ele está onde é necessário para aumentar a inovação na agricultura?

Segundo o relatório AgTech Investing, em 2016, mais de 1,3 mil empresas iniciantes estavam envolvidas no ecossistema agrícola, incluindo mais de 130 entidades diferentes que submeteram produtos biológicos para a aprovação regulatória nos últimos três anos. Embora este realmente seja um progresso incrível, acredito que nossa indústria ainda não está onde ela precisa estar, quando comparada a indústrias como a farmacêutica, a de ciências de dados e a automobilística.

Por quê?

A agricultura permanece altamente fragmentada. É composta por por quase quatro mil empresas, o que significa que relativamente poucas empresas agroalimentares têm a escala, a experiência em pesquisa e desenvolvimento e recursos financeiros para investir, significativamente, em tecnologias avançadas.

E o quê a indústria agrícola precisa para estar bem posicionada?

Já que outros setores da economia aumentaram os seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento, a agricultura tem a responsabilidade social de fazer o mesmo, sobretudo se queremos garantir aos nossos filhos, netos e aos mais de nove bilhões de pessoas que habitarão a terra em 2050 que possam desfrutar de alimentos mais seguros e mais acessíveis. Estou convencido de que as mudanças dinâmicas que estão ocorrendo no setor agrícola são a chave para impulsionar a inovação que os agricultores precisam e francamente merecem.


 Safra 2018 de café deve atingir recorde de 58 milhões de sacas

Conab

Safra 2018 de café deve atingir recorde de 58 milhões de sacas

Consumo de farinha cai 0,42% em 2017; previsão de 2018 é de recuperação

Abitrigo

Consumo de farinha cai 0,42% em 2017; previsão de 2018 é de recuperação

Produção de café do Peru deve crescer 5% para 4,3 mi de sacas

USDA

Produção de café do Peru deve crescer 5% para 4,3 mi de sacas

Previsão de moagem de cana é de 563 milhões de toneladas no Centro-Sul

Archer

Previsão de moagem de cana é de 563 milhões de toneladas no Centro-Sul

EUA vendem 281,9 mil toneladas de soja da safra 2017/18 na semana

USDA

EUA vendem 281,9 mil toneladas de soja da safra 2017/18 na semana

Investimento de peso e capacidade

Investimento de peso e capacidade

Com os juros em queda, a tendência é alta por projetos de construção de armazéns e crédito para estocagem de grãos


Fitch reafirma rating BBB- da BRF e revisa perspectiva de estável para negativa

Mercado

Fitch reafirma rating BBB- da BRF e revisa perspectiva de estável para negativa

Milho

Monsanto anuncia acordo de licenciamento com Corteva

Comércio

Fertilizantes Heringer espera consumo recorde no Brasil em 2018

Mansueto

Renegociação de dívida só poderá ser feita fonte orçamentária definida


Só na DINHEIRO RURAL


Só na DINHEIRO RURAL

Brasil ganha prêmio internacional de bem-estar animal

Pesquisa

Pesquisa

Brasil ganha prêmio internacional de bem-estar animal


Governo

Defensivos

Votação de parecer de Luiz Nishimori é adiada para 29 de maio


O brasileiro já começa a questionar o bem-estar animal do produto que consome

José Rodolfo Ciocca

O brasileiro já começa a questionar o bem-estar animal do produto que consome

José Rodolfo Ciocca, gerente de Agropecuária Sustentável da World Animal Protection no Brasil, analisa relatório que avalia práticas de gigantes globais do agronegócio

Quanto menos o governo atrapalhar, melhor ele é

Blairo Maggi

Quanto menos o governo atrapalhar, melhor ele é

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, fala de sua atuação na pasta, o que espera daqui para a frente e o que vai deixar para trás


Um lugar para todas as tribos

Luiz Pretti

Um lugar para todas as tribos

O engenheiro Luiz Pretti, CEO da multinacional Cargill, tem mostrado que o respeito à diversidade também é uma missão nas empresas do agronegócio

Uma questão de gênero

Congresso Mulheres do Agronegócio

Uma questão de gênero

As mulheres, que já fazem parte da história do agronegócio, querem ainda mais protagonismo. Elas estão buscando espaços como gestoras do negócio e como donas de seus próprios destinos

Os tributos do agronegócio

José Américo da Silva

Os tributos do agronegócio

Diferenciais do Brasil no mundo novo sem carbono

João Guilherme Sabino Ometto

Diferenciais do Brasil no mundo novo sem carbono

Os sete desafios da carne de cordeiro no Brasil

Guto Quirós

Os sete desafios da carne de cordeiro no Brasil

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.