Edição nº 164 23.01 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“O melhor subsídio do governo para o agronegócio é investir em infraestrutura”

“O melhor subsídio do governo para o agronegócio é investir em infraestrutura”

Luís Artur Nogueira
Edição 16/12/2016 - nº 143

O agronegócio é recheado de exemplos de sucesso que deveriam ser copiados pelos demais setores da economia brasileira. Essa é a avaliação do presidente do instituto de ensino Insper, o economista Marcos Lisboa. O Insper tem promovido diversos estudos e debates para mostrar que os ganhos de produtividade é que determinam o sucesso ou o fracasso de um país. Um dos itens fundamentais é abrir mais a economia, processo ao qual o agronegócio foi exposto ao longo de décadas. “O agronegócio é uma história fascinante”, diz Lisboa, que foi secretário de política econômica do Ministério da Fazenda no Governo Lula. “É uma combinação de vantagens naturais, renovação tecnológica, pesquisa, empreendedorismo e competição.” Em entrevista à DINHEIRO RURAL, o economista defende a adoção de uma agenda de micro reformas que tenham foco na eficiência e deixem as empresas ruins quebrarem. Antes, porém, o mais urgente é arrumar o caos fiscal do País, premissa básica para o resgate da confiança dos investidores nacionais e estrangeiros.

Dinheiro Rural – Por que o agronegócio vem obtendo desempenhos superiores aos da economia brasileira, em média, há vários anos?

Marcos Lisboa – O agronegócio é uma história fascinante. É uma combinação de atributos. O Brasil tem vocação para a agricultura, mas não é só isso. É uma combinação de vantagens naturais, renovação tecnológica, pesquisa, empreendedorismo e competição. É essa combinação de eventos que permite esse desempenho notável do setor, que é exportador e compete com os produtos estrangeiros da mesma maneira que a indústria.

RURAL – Ou seja, a agronegócio enfrenta os mesmo gargalos que a indústria, mas consegue brilhar…

LISBOA – Exatamente. É uma história longa que começa nos anos 1970, quando o Brasil adota uma postura inovadora de apoiar pesquisa para adaptação de culturas. A soja no Centro Oeste, o café no cerrado mineiro etc. A tecnologia foi avançando desde essa época. No fim do Governo Sarney e no começo do Governo Collor, a grave crise fiscal forçou um corte abrupto dos subsídios à agricultura e a abertura da economia ao comércio exterior. O País estava mais pobre.

RURAL – Foi um período de transição difícil?

LISBOA – Muito difícil. Muitos setores e empresas não aguentaram a situação tanto na indústria quanto no agronegócio, que viveu um grande processo de consolidação. Por outro lado, quem sobreviveu teve ganhos de produtividade. O brasileiro passou a fazer o que os empreendedores faziam, ou seja, a comprar as melhores máquinas que existiam no mundo. Nos anos 2000, a agricultura brasileira continuou se desenvolvendo e se consolidando, e nós assistimos a uma série de melhorias na gestão. A sofisticação na gestão da agricultura permitiu ganhos de produtividade. O resultado é que, entre 1970 e o começo desta década, a agricultura cresceu a sua produtividade de 4% a 5% ao ano.

RURAL – Esse processo foi diferente na indústria?

LISBOA – Sim. Isso contrasta com o que ocorreu na indústria que, de meados da década passada para cá, pediu proteção, subsídios e vem decaindo. A indústria, que já representou 36% do PIB, hoje não passa de 9%. Em vez de uma agenda para o aumento de produtividade e para a integração na cadeia global de produção, a indústria do Brasil acabou optando pela proteção e o fechamento da economia.

RURAL – Essa diferença entre a agricultura e a indústria é ruim para o Brasil?

LISBOA – O problema do País é não conseguir ganhar produtividade de uma forma geral. É um sinal de que o País está ficando mais pobre. Por que a produtividade da indústria e do setor de serviços não consegue avançar?

RURAL – Falta tecnologia de ponta?

LISBOA – Não, nem tanto a tecnologia. Nós temos um ambiente institucional ruim. Há dados internacionais. Por que os Estados Unidos são mais ricos do que a Índia e China? Será que é porque têm mais indústrias, mais serviços, fazem mais iPads e menos cana-de-açúcar? Não. O principal fator não é a composição setorial. O que determina se um país é mais rico é a sua produtividade. Nos Estados Unidos, entre as empresas 10% mais eficientes em comparação com as 10% menos eficientes, a diferença entre elas é de duas vezes. Na Índia e na China, essa diferença é de cinco vezes. Conclusão: as melhores empresas americanas não são tão melhores que as piores. O problema é que na Índia e na China preserva-se uma massa de empresas pequenas ineficientes, a partir de medidas protecionistas. Isso reduz a produtividade média da economia.

RURAL – E no Brasil?

LISBOA – Aqui nós preservamos as empresas ineficientes e não deixamos que elas quebrem.

RURAL – Do total exportado pelo Brasil, 41% são minério de ferro, petróleo, carne, açúcar e soja. Essa pauta restrita a commodities é um problema?

LISBOA – Não necessariamente. Há países que são ricos com peso maior de commodities. O conceito de indústria está mudando muito. Produzir um iPad é uma montagem. Qual é o valor adicionado de se montar um iPad? Ou de montar um carro? A sofisticação, hoje, está muito mais na inteligência de desenhar o novo produto. A própria fronteira entre o que é indústria e serviço está cada vez mais tênue. A agricultura tem muita tecnologia. Pegue o caso da safrinha do milho. É impressionante. Deixou de ser safrinha e é do tamanho da safra de milho, dobrando a produção. Enfim, o que torna o Brasil mais pobre é o fato de nós fazermos de uma forma pior as diversas atividades da economia, dos serviços mais simples aos mais sofisticados. Somos menos eficientes e as causas são muitas.

“A agricultura tem muita tecnologia. A safrinha do milho deixou de ser safrinha, dobrando a produção”

LAVOURA: nas últimas décadas, Centro-Oeste se transformou em uma das maiores regiões produtoras de grãos do mundo

 

 

RURAL – Oferecer taxas de juros subsidiadas para o financiamento da safra agrícola é correto?

LISBOA – A agricultura brasileira já tem menos subsídios que nos demais países, mas eu sou um crítico de crédito subsidiado. Temos de melhorar as garantias para reduzir os juros. O melhor subsídio do governo para o agronegócio é investir em infraestrutura. Melhorar os portos. Como é que os nossos portos são tão ineficientes e tão caros? As nossas estradas, a nossa logística. Precisamos resolver da porteira para fora. Se nós conseguirmos resgatar a confiança nas regras do jogo, criar um marco regulatório estável, que dê confiança aos investidores de longo prazo, e que defina com clareza o papel das agências regulatórias, isso tem um impacto positivo sobre as demais atividades seja da indústria, seja da agricultura. O que é prejudicial para o País é a agricultura melhorar a atividade do campo, mas perder na estrada, perder no porto, perder no transporte.

DINHEIRO RURAL – A crise fiscal preocupa?

MARCOS LISBOA – Nós já estamos assistindo às consequências do descontrole das contas públicas no Brasil. Houve um processo grave, nos últimos oito anos, de expansão de diversas políticas sem que fosse observada a sua sustentabilidade. Houve um descontrole fiscal nos governos federal e estaduais. Somam-se a isso alguns problemas estruturais.

“A intervenção do governo em diversos setores foi desastrosa. Isso afeta a credibilidade do País”

USINA DE ETANOL: a indústria de biocombustíveis precisa de uma política clara para voltar a crescer

 

 

RURAL – O governo Dilma destruiu o setor de etanol?

LISBOA – A intervenção do último governo em diversos setores foi desastrosa. Essa volta ao intervencionismo discricionário, que escolhe setores e que mexe em regras, é um prejuízo imenso ao País no longo prazo. Qual é a segurança que um empresário que quer investir no Brasil tem de que a regra vai valer? Foi o caso do etanol. Eu monto uma grande usina e amanhã vem o governo e intervém no preço da gasolina, muda tudo. Isso afeta a credibilidade do País e a confiança dos empresários. Essas intervenções oportunistas são muito ruins para a geração de emprego. E são intervenções incompetentes, que prejudicaram a produção de etanol , de óleo e gás, energia etc.

RURAL – O agronegócio pode ser considerado um exemplo do Brasil que dá certo?

LISBOA – A história do agronegócio também é a história de vários empreendedores de sucesso. Isso mostra o melhor do mercado funcionando. Empreendedores que saíram do Paraná, do Centro Oeste, que foram adaptar o café no cerrado mineiro. É essa combinação de um mercado aberto, competição, deixando o melhor da economia de mercado, empreendedores, que explica a fórmula do sucesso. Vários fracassaram e os que deram certam foram copiados. Há uma quantidade impressionante de histórias de sucesso no agronegócio. Essas histórias deveriam ser o exemplo para o País. Não a história de conseguir proteção via viagem a Brasília.

Os vencedores de 2018

Os vencedores de 2018

Conheça as empresas, cooperativas e produtores rurais que se destacaram em práticas sustentáveis de gestão financeira e corporativa


Campeã em Agronegócio Direto Conglomerado

BRF

Campeã em Agronegócio Direto Conglomerado

Campeã em Gestão Corporativa em Agronegócio Direto Grupo Especial

TEREOS

Campeã em Gestão Corporativa em Agronegócio Direto Grupo Especial


Cooperativa paranaense é vencedora entre as Mega Cooperativas

COAMO

Cooperativa paranaense é vencedora entre as Mega Cooperativas

Campeã em Agronegócio Indireto Conglomerado

AMBEV

Campeã em Agronegócio Indireto Conglomerado


Genética Aditiva é campeã em Genética Nelore

Genética Aditiva é campeã em Genética Nelore

Fazenda 3R é campeã em Gado de Produção

Fazenda 3R é campeã em Gado de Produção

Granja do Cedro é campeã em Produção de Aves

Granja do Cedro é campeã em Produção de Aves

Fazenda Figueiredo é campeã em Gado Leiteiro

Fazenda Figueiredo é campeã em Gado Leiteiro

Lourenço Miguel Campo é o destaque em Leilões

Lourenço Miguel Campo é o destaque em Leilões

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro

Meio ambiente

Meio ambiente

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro


Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

cacau

Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

Açúcar e Bioenergia

Biosev tem prejuízo de R$ 155,567 milhões no 2º trimestre da safra 18/19

São Martinho:

Não há planos no curto prazo de grandes investimentos

Máquinas Agrícolas

CNH Industrial registra no 3º tri lucro de US$ 231 mi, alta de 285%


Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups

No campo

No campo

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups


Especial - Logística em pauta

Uma nova ordem nas estradas

Frete

Frete

Uma nova ordem nas estradas

O tabelamento do frete impõe novos desafios para empresas e produtores rurais. Saiba quais são as estratégias para superar esse jogo

A linha de montagem do futuro

Indústria

A linha de montagem do futuro

Como as indústrias estão criando caminhões cada vez nais seguros e inteligentes

Inteligência artificial nas estradas

revolução digital

Inteligência artificial nas estradas

Como a revolução digital pode livrar os nós logísticos do País

Os trilhos do desenvolvimento

Novos caminhos

Os trilhos do desenvolvimento

Ainda pequeno, o modal ferroviário tem um grande potencial para elevar o fluxo logístico nacional

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

Ampliando a capacidade produtiva

Ampliando a capacidade produtiva

Cooperativas agrícolas do País apostam no crédito rural para agregar valor ao produto e sair na frente na corrida por inovações sustentáveis

De olho no custeio antecipado

De olho no custeio antecipado

Com preços em queda e boas taxas de crédito, produtores rurais podem apostar na antecipação da compras de insumos para a safra 2018/2019

O PoupaTerra do século 21

Plantio Direto

Plantio Direto

O PoupaTerra do século 21

O produtor paranaense Franke Djikstra é um dos pais da técnica de plantio direto, um sistema conservacionista que ajuda o agricultor a melhorar a produtividade de sua lavoura e no qual o brasil é o campeão mundial, com 32 milhões de hectares. Saiba como sua adoção pode significar uma economia de pelo menos R$ 12,3 bilhões por safra

O caçador de negócios

Domingo Lastra

O caçador de negócios

Conheça a estratégia da trading americana Archer Daniels Midland, companhia global que fatura US$ 60 bilhões e que tem apostado em uma nova gestão corporativa para continuar crescendo no Brasil

A super cooperativa

Castrolanda, Frísia e Capal

A super cooperativa

As paranaenses Castrolanda, Frísia e Capal investiram quase R$ 700 milhões em um projeto para industrializar leite, processar suínos e moer trigo. Conheça o modelo inédito de intercooperação, que reúne 4,5 mil produtores e que fatura R$ 1,8 bilhão por ano

A corrida da bioenergia

Rafael Chang

A corrida da bioenergia

Pela primeira vez na história, uma montadora desenvolveu um carro híbrido que funciona movido a etanol e a eletricidade. saiba o que a Toyota e outras gigantes, como Raízen, Tereos e Copersucar, estão fazendo para tornar a matriz energética brasileira cada vez mais sustentável

Mais perto do campo

Octavio de Lazzari

Mais perto do campo

Os maiores bancos comerciais se aproximam cada vez mais do agronegócio. Saiba o que eles têm feito para atrair os produtores e conquistar definitivamente um lugar no segmento mais pujante da economia brasileira

A conquista do mundo

Paulo de Castro Marques

A conquista do mundo

Um campo para as franquias

José Carlos Semenzato e João Arantes Júnior

Um campo para as franquias

O empresário José Carlos Semenzato fez fortuna no mundo do franchising. Agora, ele quer transportar essa experiência para o agronegócio e se tornar vendedor de genética bovina. Conheça seus planos


Entrevista

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho

Jacyr Costa Filho

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho, diretor do grupo Tereos Brasil e presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp, fala sobre as eleições no País e o ambiente de negócios para o setor

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, da Cargill

Luiz Pretti, da Cargill

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, CEO da Cargill, fala sobre os planos e os desafios da companhia


O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun

O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun, presidente da americana Corteva Agriscience no Brasil, divisão agrícola da DowDuPont, fala sobre o bilionário mercado de defensivos e sementes

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil  não sabe o que quer da China

Marcos Jank

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil não sabe o que quer da China

Marcos Sawaya Jank, da Asia Brazil Alliance, fala de comércio internacional e dos desafios do País lá fora


Céu compartilhado

Aviação agrícola

Céu compartilhado

Como a aviação agrícola vai dividir suas tarefas com os drones

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

Blockchain

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

O Blockchain está chegando para mudar as relações no agronegócio. Agora, é preciso entender o que a ferramenta pode fazer por uma propriedade


Mulheres do Agronegócio


Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Cenário

Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Em levantamento da Corteva Agriscience, Divisão Agrícola da DowDuPont, produtoras rurais dizem que há progresso das mulheres no agro, mas ainda é lento. Disparidade financeira, falta de reconhecimento e pouco acesso a treinamentos são os principais entraves. No Brasil, 78% afirmam que existe discriminação de gênero

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas

Evento

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas


Uma mulher à frente de seu tempo

Alida Bellandi

Uma mulher à frente de seu tempo

Como Alida Bellandi tomou as rédeas de sua carreira e se tornou presidente da Guarany, empresa de equipamentos agrícolas. Ela é uma das poucas executivas do agronegócio que chegou ao topo da carreira

A hora da virada

Álvaro Peixoto

A hora da virada

Por que executivos deixam companhias globais para trabalhar em empresas de menor porte e com menos exposição no mercado

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

José Luiz Tejon

José Luiz Tejon

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Carlos Dutra

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Fernando Sampaio

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

Carlos Alberto Forcelini

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.