Edição nº 163 10.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

FELIPE GABRIEL

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, CEO da Cargill, fala sobre os planos e os desafios da companhia

O presidente da Cargill no Brasil, Luiz Pretti, 59 anos, é um executivo cauteloso. Raramente se excede, embora jamais deixe uma pergunta sem resposta. A voz de uma das maiores companhias globais de alimentos, com receita de US$ 110 bilhões no ano passado, sabe que todo passo dado pela empresa tem repercussão no mercado. Mas, nos últimos tempos, Pretti tem quebrado essa regra de ouro na companhia. Não por acaso, a Cargill foi a primeira multinacional a se colocar publicamente contra o tabelamento do frete, após a greve dos caminhoneiros em maio. “O Brasil não está fácil”, diz ele. “Se nos perguntam sobre investimentos, pela primeira vez não temos respostas.” A declaração foi dada poucos dias antes do anúncio de investimentos da ordem de R$ 550 milhões na construção de uma nova fábrica no Brasil. Também se especula que a Cargill poderia comprar unidades de processamento de grãos da brasileira Granol, que atua na área de óleos, farelos e biodiesel. Em entrevista exclusiva à DINHEIRO RURAL, ele fala sobre a posição da companhia no Brasil e no mundo, seus próximos passos e como ela vem se organizando em uma nova ordem econômica mundial, pautada pelo protecionismo. Confira:

DINHEIRO RURAL – Por que, contra o tabelamento do frete após a greve dos caminhoneiros, a Cargill saiu para a briga antes de outras empresas do setor?
LUIZ PRETTI – A Cargill precisava se posicionar. A empresa é quase brasileira, está aqui há 53 anos e tem muitos investimentos no País. Na greve, as empresas e a população ficaram reféns de uma situação. Fomos pegos de surpresa, foram dias caóticos. Normalmente, nesse tipo de questão, a Cargill se posiciona através de instituições, como Abag, Abiove, Anec, Abia, Fiesp. Mas, no tabelamento de frete, a solução encontrada é tão sem nexo que não vimos outra alternativa. Concordar com ela significa que estamos perdendo a livre concorrência e estimulando um cartel. Vem logo aí pela frente uma superssafra e está todo mundo inseguro. Além disso, com essa guerra comercial entre os americanos e os chineses, a Cargill fica ainda mais decepcionada com o cenário. Porque quando se começa a colocar uma barreira aqui, outra ali, isso é ruim para o crescimento mundial.

RURAL – Mas o Brasil está surfando uma onda de bons preços por causa dessa guerra comercial.
PRETTI – Mas isso é muito pequeno. Tenho certeza que ela não vai continuar. Porque uma hora os chineses vão se acertar com o governo Donald Trump, como vai acontecer com os europeus e mesmo com o Brasil. Mas o País, infelizmente, é uma parte muito pequena do comércio mundial. A guerra pode ser boa, no curto prazo para a soja brasileira, mas acho que vai ser ruim para todo mundo. É um momento difícil.

Aberto para o mundo: a produção agropecuária brasileira é exportada para cerca de 180 mercados, o que leva o País a exercer um papel de destaque no cenário global (Crédito:Shutterstock)

RURAL – A Cargill sempre mostrou que os seus investimentos não dependem de governo. No Brasil, eles são quase R$ 1 bilhão por ano. Como ficam as apostas no País?
PRETTI – Sim, os investimentos no Brasil são de muito longo prazo. Mas confesso que devido ao cenário atual, dessa incerteza e da polarização de atitudes – que para nós é uma quebra de regras –, se nos perguntam sobre investimentos, pela primeira vez não temos respostas. Nunca dissemos isso a ninguém, falo isso pela primeira vez. Temos um ambiente de incertezas que me deixa, como executivo, incomodado em levar projetos para nossos líderes globais. E olha que temos uma total autonomia como liderança local, porque a direção da Cargill acredita nas nossas práticas.

RURAL – Então as torneiras estão fechadas?
PRETTI – O Brasil não está fácil, mas os investimentos em andamento continuam. Isso não dá para parar. Ainda neste ano, por exemplo, estamos prestes a fazer um investimento de cerca de R$ 500 milhões. No País, a Cargill investiu quase R$ 5 bilhões nos últimos sete anos, em portos, transbordos, armazéns e fábricas.

RURAL – O movimento de concentração de grandes empresas do setor e de tradings não atrai a Cargill?
PRETTI – A gente torce para que ele avance, porque seria bom para o setor. Mas a Cargill não fará parte desse movimento porque ela já é muito grande. Teríamos problemas com o antitruste no mundo inteiro. Mas vamos supor que a ADM venha a se fundir com a Bunge, ou com Glencore, como já foi anunciado em vários canais, e eles precisem vender ativos para terceiros. A gente poderia entrar em um negócio como esse, em pequenos investimentos porque temos condicões para isso. A Cargill é uma empresa de 153 anos, familiar e muito conservadora, onde os controladores reinvestem 80% dos ganhos no negócio. E a gente gosta de concorrência porque ela é boa para a empresa.

RURAL – Que conselho o sr. daria para as empresas do agronegócio, em função do atual ambiente político e econômico tão conturbado?
PRETTI – A Cargill opera em 70 países. No Brasil, somos a maior empresa americana, com faturamos de R$ 36 bilhões e dez mil funcionários, em 80 municípios. Estamos entre os cinco maiores exportadores. E não somos somente trading. Temos 23 fábricas, seis portos, um banco. Atuamos nos mercados de grãos, óleos, chocolate, amidos e adoçantes, atomatados e açúcar. Estamos investindo na unidade de Uberlândia (MG), para que ela economize 30% da água que hoje necessita. Alimento é para ser produzido de forma segura e sustentável. Eu diria para as empresas que elas sigam em frente e não se desviem do caminho. Todos os dias, a gente ouve sobre escândalos no País. Nós também somos alvo. Em Santarém (PA), levamos dez anos para conseguir a licença ambiental para a construção do nosso sistema portuário. Depois, nos projetos seguintes, o processo foi mais rápido porque criamos fama: sabem que com a gente não tem acordo. Fazer as coisas direito dá mais trabalho, é mais caro, mas é o jeito certo e é como fazemos.

RURAL – Como o sr. vê o cenário para a safra que começa a ser plantada daqui a pouco?
PRETTI – O produtor brasileiro é um herói porque também trabalha em um cenário de muitas incertezas. Como trading, temos um papel muito importante no financiamento e na armazenagem. A empresa é destaque nessa cadeia, mas no fim das contas é o produtor e o consumidor final que seguram o setor. Os grandes produtores, com os quais nos relacionamos, não vão mudar de estratégias porque possuem um ativo que é a terra e ele precisa ser remunerado. Eles estão numa escalada e não vão parar.

RURAL – Essa disposição maior para o risco já está associada à ideia de que o Brasil é o celeiro do mundo e assim precisa produzir a qualquer custo?
PRETTI – Tem total influência. Há um dado muito significativo nessa história. Em 1990, a produção brasileira de grãos era de 50 milhões de toneladas. Hoje, estamos falando em 240 milhões. Em área plantada, de 2006 para 2017, o País subiu um delta de 3%. Em compensação, nesse período, a produção saiu de 117 milhões para os recordes atuais. E não é somente o produtor que está mais disposto para o risco. Junto, ele leva o setor de insumos, de material genética, as pesquisas e as tradings.

RURAL – Nesse crescimento, o Brasil tem construído uma força política externa forte para se posicionar lá fora?
PRETTI – Acho que não estamos totalmente posicionados. Empresas como as nossas, que são globais, vêem o mundo de uma maneira única. Queremos nutrir o mundo de maneira segura, sustentável e responsável. Por isso, com a ajuda da iniciativa privada esse posicionamento vai acontecer naturalmente. A demanda por alimentos é gigantesca. Tem a China, mas daqui a pouco a população da Índia será maior. No continente Africano, hoje, 950 milhões de pessoas vão passar a noite com fome. O Brasil é estratégico não somente na indústria de grão, mas na indústria de farelo, óleo, carne bovina, frango, suínos, açúcar, laranja, café. Então, apesar da gente não estar megapreparado, no mundo estaremos sempre organizados para a festa.

Brasil paralisado: também chamada de Crise do Diesel, a greve dos caminhoneiros, que começou no fim de maio, trouxe um impasse que parece não ter solução fácil para o agronegócio (Crédito:MIGUEL SCHINCARIOL)

RURAL – Mesmo em um movimento global por alimentos mais naturais e não processados, como o da agricultura regenerativa?
PRETTI – Isso tem fundamento e a Cargill apóia esses movimentos. Não é porque somos gigantes que vamos ficar de fora. Há espaço para todo mundo. Se uma pessoa quer comer alimentos não processados e tem tempo para se dedicar a isso, achamos certa a decisão. Mas também somos favoráveis e apoiamos as pesquisas genéticas de sementes. Não somos contra os alimentos transgênicos.

RURAL – Apoiar o mercado de não processados vai de encontro ao que a Cargill faz.
PRETTI – Mas somos pelo livre mercado também para o consumidor. Ele deve decidir. Não dá para radicalizar. Nós fornecemos ingredientes para serem consumidos por vários segmentos na indústria de alimentos. E eles são seguros e saudáveis.

RURAL – A indústria pode dar respostas, por exemplo, ao ataque às gorduras trans nos produtos processados?
PRETTI – A indústria de alimentos vai entregar produtos cada vez melhores e mais saudáveis. Por exemplo, o centro de inovação da Cargill, em parceria com a Universidade de Campinas (SP), desenvolveu uma linha muito leve em gorduras trans, que está sendo usada em recheios de biscoitos, em sorvetes e outros alimentos. Dá para fazer e estamos fazendo aquilo que acreditamos. No ano passado, desenvolvemos 81 projetos de inovação, dos quais 41 foram demandas de indústrias.


Se o clima favorecer, safra de 2019 pode chegar bem próximo de recorde

IBGE

Se o clima favorecer, safra de 2019 pode chegar bem próximo de recorde

Com 3,6 milhões de toneladas, produção de café é a maior da história

Grãos

Com 3,6 milhões de toneladas, produção de café é a maior da história


Safra 2018/19 será de 275,75 milhões de caixas, aponta 3º levantamento

Laranja

Safra 2018/19 será de 275,75 milhões de caixas, aponta 3º levantamento

Exportação sobe 26,93% em volume e 36,64% em receita

Algodão

Exportação sobe 26,93% em volume e 36,64% em receita

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro

Meio ambiente

Meio ambiente

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro


Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

cacau

Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

Açúcar e Bioenergia

Biosev tem prejuízo de R$ 155,567 milhões no 2º trimestre da safra 18/19

São Martinho:

Não há planos no curto prazo de grandes investimentos

Máquinas Agrícolas

CNH Industrial registra no 3º tri lucro de US$ 231 mi, alta de 285%


Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups

No campo

No campo

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups


Especial - Logística em pauta

Uma nova ordem nas estradas

Frete

Frete

Uma nova ordem nas estradas

O tabelamento do frete impõe novos desafios para empresas e produtores rurais. Saiba quais são as estratégias para superar esse jogo

A linha de montagem do futuro

Indústria

A linha de montagem do futuro

Como as indústrias estão criando caminhões cada vez nais seguros e inteligentes

Inteligência artificial nas estradas

revolução digital

Inteligência artificial nas estradas

Como a revolução digital pode livrar os nós logísticos do País

Os trilhos do desenvolvimento

Novos caminhos

Os trilhos do desenvolvimento

Ainda pequeno, o modal ferroviário tem um grande potencial para elevar o fluxo logístico nacional

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

Ampliando a capacidade produtiva

Ampliando a capacidade produtiva

Cooperativas agrícolas do País apostam no crédito rural para agregar valor ao produto e sair na frente na corrida por inovações sustentáveis

De olho no custeio antecipado

De olho no custeio antecipado

Com preços em queda e boas taxas de crédito, produtores rurais podem apostar na antecipação da compras de insumos para a safra 2018/2019

O PoupaTerra do século 21

Plantio Direto

Plantio Direto

O PoupaTerra do século 21

O produtor paranaense Franke Djikstra é um dos pais da técnica de plantio direto, um sistema conservacionista que ajuda o agricultor a melhorar a produtividade de sua lavoura e no qual o brasil é o campeão mundial, com 32 milhões de hectares. Saiba como sua adoção pode significar uma economia de pelo menos R$ 12,3 bilhões por safra

O caçador de negócios

Domingo Lastra

O caçador de negócios

Conheça a estratégia da trading americana Archer Daniels Midland, companhia global que fatura US$ 60 bilhões e que tem apostado em uma nova gestão corporativa para continuar crescendo no Brasil

A super cooperativa

Castrolanda, Frísia e Capal

A super cooperativa

As paranaenses Castrolanda, Frísia e Capal investiram quase R$ 700 milhões em um projeto para industrializar leite, processar suínos e moer trigo. Conheça o modelo inédito de intercooperação, que reúne 4,5 mil produtores e que fatura R$ 1,8 bilhão por ano

A corrida da bioenergia

Rafael Chang

A corrida da bioenergia

Pela primeira vez na história, uma montadora desenvolveu um carro híbrido que funciona movido a etanol e a eletricidade. saiba o que a Toyota e outras gigantes, como Raízen, Tereos e Copersucar, estão fazendo para tornar a matriz energética brasileira cada vez mais sustentável

Mais perto do campo

Octavio de Lazzari

Mais perto do campo

Os maiores bancos comerciais se aproximam cada vez mais do agronegócio. Saiba o que eles têm feito para atrair os produtores e conquistar definitivamente um lugar no segmento mais pujante da economia brasileira

A conquista do mundo

Paulo de Castro Marques

A conquista do mundo

Um campo para as franquias

José Carlos Semenzato e João Arantes Júnior

Um campo para as franquias

O empresário José Carlos Semenzato fez fortuna no mundo do franchising. Agora, ele quer transportar essa experiência para o agronegócio e se tornar vendedor de genética bovina. Conheça seus planos


Entrevista

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho

Jacyr Costa Filho

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho, diretor do grupo Tereos Brasil e presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp, fala sobre as eleições no País e o ambiente de negócios para o setor

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, da Cargill

Luiz Pretti, da Cargill

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, CEO da Cargill, fala sobre os planos e os desafios da companhia


O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun

O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun, presidente da americana Corteva Agriscience no Brasil, divisão agrícola da DowDuPont, fala sobre o bilionário mercado de defensivos e sementes

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil  não sabe o que quer da China

Marcos Jank

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil não sabe o que quer da China

Marcos Sawaya Jank, da Asia Brazil Alliance, fala de comércio internacional e dos desafios do País lá fora


Céu compartilhado

Aviação agrícola

Céu compartilhado

Como a aviação agrícola vai dividir suas tarefas com os drones

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

Blockchain

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

O Blockchain está chegando para mudar as relações no agronegócio. Agora, é preciso entender o que a ferramenta pode fazer por uma propriedade


Mulheres do Agronegócio


Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Cenário

Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Em levantamento da Corteva Agriscience, Divisão Agrícola da DowDuPont, produtoras rurais dizem que há progresso das mulheres no agro, mas ainda é lento. Disparidade financeira, falta de reconhecimento e pouco acesso a treinamentos são os principais entraves. No Brasil, 78% afirmam que existe discriminação de gênero

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas

Evento

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas


Uma mulher à frente de seu tempo

Alida Bellandi

Uma mulher à frente de seu tempo

Como Alida Bellandi tomou as rédeas de sua carreira e se tornou presidente da Guarany, empresa de equipamentos agrícolas. Ela é uma das poucas executivas do agronegócio que chegou ao topo da carreira

A hora da virada

Álvaro Peixoto

A hora da virada

Por que executivos deixam companhias globais para trabalhar em empresas de menor porte e com menos exposição no mercado

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

José Luiz Tejon

José Luiz Tejon

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Carlos Dutra

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Fernando Sampaio

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

Carlos Alberto Forcelini

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.