• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias27/10/2021

OIT: impacto da pandemia no emprego em 2021 será pior que o antes calculado

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo27/10/21 - 16h08min

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) adverte que o impacto da pandemia sobre os mercados de trabalho será "pior que o esperado", com uma recuperação global estacada nessa frente e "disparidades significativas" entre os países ricos e aqueles em desenvolvimento. As conclusões estão no relatório Monitor OIT, publicado nesta quarta-feira, 27.

Segundo a entidade, a perda de horas trabalhadas em 2021 por causa da pandemia será "significativamente mais elevada do que o estimado anteriormente", com uma recuperação em duas velocidades entre as nações ricas e em desenvolvimento "ameaçando a economia global como um todo".

A OIT projeta agora que as horas globais trabalhadas neste ano ficarão 4,3% abaixo dos níveis pré-pandemia (a base de comparação é o quarto trimestre de 2019), o equivalente a 125 milhões de empregos com jornada integral. Isso representa uma revisão "dramática" da projeção de queda de 3,5% calculada em junho, ressalta.

O relatório adverte que, sem medidas financeiras e técnicas concretas de apoio, continuará a haver uma "grande divergência" nas tendências entre os países desenvolvidos e os demais. No terceiro trimestre de 2021, as horas totais trabalhadas nos países de renda alta estavam 3,6% abaixo do quarto trimestre de 2019. Em contraste, a queda nas nações de renda baixa ficavam em 5,7% e nos países de renda média-baixa, eram de 7,3%.

Avaliando-se a perspectiva regional, a Europa e a Ásia Central tiveram as menores perdas de horas trabalhadas, em comparação ao nível pré-pandemia (2,5%), seguidas por Ásia e Pacífico (4,6%). África, Américas e Estados árabes mostraram declínios de 5,6%, 5,4% e 6,5%, informa a OIT. A grande divergência é motivada sobretudo por diferenças no ritmo de vacinação contra a covid-19 e no tamanho dos pacotes de estímulo fiscal, aponta ainda a entidade.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
coronavírus