Edição nº 163 10.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Paul Vriesekoopm

Os frigoríficos brasileiros precisam trabalhar mais, para mostrar que a carne produzida no País é boa

Daniel Smith/private news

Os frigoríficos brasileiros precisam trabalhar mais, para mostrar que a carne produzida no País é boa

Paul Vriesekoopm, presidente da Unidade de Negócios da CRV na América Latina, fala de gado, produção e pesquisa

Vera Ondei
Edição 08/11/2017 - nº 153

O executivo holandês, Paul Vriesekoop, 58 anos, já dirigiu por oito anos um dos institutos mais importantes de seu país, o Centro de Pesquisa da Universidade Wageningen, especilizado em pecuária. A experiência lhe valeu um desafio em 2014: mudar de lado do balcão para comandar, a partir do Brasil, o principal negócio da Cooperatie Rundvee Verbetering (CRV, em holandês) na América Latina. A CRV é uma das maiores empresas de genética animal do mundo. Somente no País, vende por ano 2,4 milhões de doses de sêmen bovino. São cerca de 20% do mercado brasileiro, estimado em R$ 300 milhões, sem colocar nessa conta o setor de serviços das empresas do setor. Para ele, a pecuária deve acelerar o passo. “A pecuária necessita de mais planejamento de longo prazo”, afirma o executivo. “Mas há tarefas imediatas. Os frigoríficos brasileiros precisam trabalhar mais, para mostrar que a carne produzida no País é boa.” Em entrevista à DINHEIRO RURAL, Vriesekoop disse que o País pode ganhar muito se melhorar a produção do gado, investir na pesquisa e na marcação de uma posição mais firme no mercado internacional de carne bovina.

DINHEIRO RURAL – Como é possível ser otimista na pecuária, em um ano no qual o setor passou por tsunamis, indo da Operação Carne Fraca à delação da JBS, com viés de preço em baixa para a arroba do boi gordo?
Paul Vriesekoop – São fatos, não dá para fugir deles. No caso da operação Carne Fraca, o Ministério da Agricultura fez um bom trabalho. Mas isso aconteceu agora. E oscilação do preço da arroba sempre vai existir, faz parte da cadeia. O mercado vai cair e se levantar sempre. Por isso, o pecuarista deve olhar a indústria da carne como um investimento de longo prazo e se planejar. Não importa se um fazendeiro tem 100 vacas ou 5 mil, ele toma decisões, agora para um produto que estará pronto muito tempo depois. Uma vaca demora nove meses para parir um bezerro que vai ser abatido em 2,6 anos. Então, como tomar uma decisão, hoje, baseada no preço de uma mercadoria que será vendida em cerca de três anos e meio? O preço da arroba é baixo agora, mas não significa que será também lá na frente.

RURAL – Que tipo de pecuária é praticada por quem planeja no longo prazo?
VRIESEKOOP – A ordem é estocar comida e ter uma visão total do pasto, dos animais, da sanidade e de tudo que envolve a criação. O futuro é de quem acredita que a produção do País deve ser mais eficiente. É preciso pensar em quilos de carne produzidos por hectare, o custo por hectare e como elevar a margem de lucro. Não dá mais para ter como medida quilos de carcaças de boi produzidos em uma propriedade. É precido também saber como é possível melhorar o pasto da fazenda para que no fim a margem seja suficiente por hectare.

 

Na visão de muitos europeus, o Brasil produz carne na Amazônia de forma destrutiva

Carne: gado confinado da raça angus, na qual as pesquisas vão mostrar quais têm os melhores desempenhos

RURAL – Até que ponto o Brasil está fadado a permanecer como um mercado de commodities, com pouca ascensão sobre aqueles que demandam por carne de qualidade?
VRIESEKOOP – O padrão de mercado da Europa, que demanda por carne de qualidade é muito pequeno, é um nicho. Não deve ser esse o foco para volume. O Brasil tem um rebanho de vacas muito grande. Pode produzir muito mais carne e muito melhor. Mas é o frigorífico que acessa o mercado, não é o fazendeiro. É a indústria que tem nas mãos as linhas de demandas, não apenas para a Europa, mas para os Estados Unidos, a China ou qualquer outro país. O mercado global é muito grande e o volume em toneladas também. Mas a ideia da commodity como uma simples venda em tonelada deve ser abandonada como visão de futuro. É preciso produzir o que é bom, com qualidade e com margem para os produtores. Isso significa mercado de qualidade. Trabalhei com suínos nos anos 1980, na Holanda, inclusive em empresas ligadas ao Brasil. Tudo era commodity naquela época. Mas vimos que o Japão, que demanda por uma carne mais avermelhada, não era atendido. Esse mercado interessante levou os frigoríficos na Holanda a contratarem fazendas para produzir o suíno adequado. Ganhamos muito dinheiro buscando um mercado e fazendo um produto específico.

RURAL – Mas, se a Europa paga mais pela carne e puxa outros mercados para cima, como mostrar a produção para que ela seja um tipo de garota-propaganda do Brasil?
VRIESEKOOP – O europeu comum pode não saber de nada, mas o importante é que tudo que coma venha de fonte natural. O conceito é de natureza da produção. E o que isso significa? Na visão de muitos europeus o Brasil produz carne na Amazônia, de forma destrutiva. Mas quem está na região produzindo boi já está fazendo de maneira certa. Qual a mensagem na comunicação do País? Mantemos nosso gado no pasto e depois ele vai para o abate. Agora, como a Argentina se comunica com o europeu? Eles apenas dizem “nós temos pastagens.” Isso é conceito. A maioria dos europeus não sabe a dimensão que tem a produção no Brasil. Mas eles sabem da Argentina, da Irlanda e dos Estados Unidos. Os frigoríficos que querem exportar mais têm de trabalhar para que as pessoas saibam que o produto brasileiro é produzido com respeito à natureza. O europeu não sabe que no Brasil há fazendas com 25 mil vacas. É importante eles entenderem que a produção no País é natural e o foco é a vaca pasto.

RURAL – Até que ponto é ruim e atrapalha essa corrida por mercados o País não possuir um sistema oficial de classificação e de tipificação das carcaças bovinas após o abate?
VRIESEKOOP – Até pode ser bom para o Brasil ter um programa oficial. Mas ele não foi feito, ainda, porque não precisou de fato e o frigorífico faz esse serviço. No fundo, em essência, isso não é determinante. O frigorífico não vai pagar por um produto que não foi feito. Mas acho que a indústria frigorífica no Brasil deve avançar também. Gerir melhor a demanda dos mercados. Os frigoríficos brasileiros precisam trabalhar mais, para mostrar que a carne produzida no País é boa.

RURAL – Qual foi o maior desafio nos anos em que comandou um instituto de pesquisa?
VRIESEKOOP – Como diretor, tive de transformar um instituto praticamente dependente do governo em um organismo que trabalha muito fortemente com as empresas. Na época, entre os anos de 2003 e de 2012, o governo da Holanda decidiu não mais fornecer grandes volumes de dinheiro para as pesquisas. E determinou para quem quisesse pesquisar que fizesse parceria com as empresas. Somente a partir daí o governo ajudaria no processo.

RURAL – Que lições isso deixou ao sr. e que conselho daria por aqui?
VRIESEKOOP – Eu não quero entrar em conflito com a Embrapa, mas é importante dizer por que o governo da Holanda tinha uma estratégia forte para passar de um modelo concentrado de pesquisa a um baseado em parcerias público-privada. As pesquisas não custavam muito dinheiro para o governo, não era esse o caso. Mas era importante que os seus resultados fossem utilizados mais rápido e fortemente pela sociedade. Quando uma pesquisa fica confinada apenas nas mãos do governo a sua aplicação leva mais tempo. Mundialmente, a CRV tem um relacionamento muito forte com a universidade de Wageningen, em muitas parcerias. Como sabemos o que queremos para o futuro, ao trabalharmos com os pesquisadores da universidade, as novidades são repassadas aos nossos clientes mais rapidamente.

O Brasil pode produzir muito mais e muito melhor

Carcaças: o frigorífico realiza todo o trabalho de classificação e tipificação, mas não informa o mercado

 

 

RURAL – O imediatismo na pesquisa sustentada por uma empresa não é conflitante com o longo prazo comum nas descobertas científicas?
VRIESEKOOP – Mas as empresas sabem que precisam investir em conhecimento, não para amanhã, para dois anos, mas olhando bem mais para a frente. E em determinados temas e ideias elas podem trabalhar em consórcios até determinado ponto e depois seguirem sozinhas. Isso gera competição entre as empresas, o que melhora a qualidade da pesquisa.

RURAL – Quanto a CRV investe em pesquisa?
VRIESEKOOP – Sem divulgar valores, a média é de 15% anual da receita. Isso, constantemente. A genética também é no longo prazo na pecuária, como a criação. Hoje trabalhamos muito fortemente com genoma. Nos anos 2000 já investíamos nesse segmento, mesmo não sabendo muito o que fazer na época.

RURAL – Hoje, qual a principal pesquisa realizada pela empresa no Brasil?
VRIESEKOOP – Estamos começando uma pesquisa em parceria com o criador da raça angus Paulo de Castro Marques, há 17 anos selecionador de gado, para saber quais as diferenças entre linhagens da raça e entre touros. Queremos saber qual touro transmite a melhor produção econômica nos produtos de cruzamento industrial. Vamos levantar os dados até o frigorífico. Em cerca de quatro anos teremos os primeiros números. Serão analisados dados econômicos e reprodutivos de 300 animais por ano, como ganho de peso, tolerância ao calor, aparelho reprodutivo, musculosidade, conformação de carcaça. A análise genômica servirá para aumentar a confiabilidade desses dados.


Se o clima favorecer, safra de 2019 pode chegar bem próximo de recorde

IBGE

Se o clima favorecer, safra de 2019 pode chegar bem próximo de recorde

Com 3,6 milhões de toneladas, produção de café é a maior da história

Grãos

Com 3,6 milhões de toneladas, produção de café é a maior da história


Safra 2018/19 será de 275,75 milhões de caixas, aponta 3º levantamento

Laranja

Safra 2018/19 será de 275,75 milhões de caixas, aponta 3º levantamento

Exportação sobe 26,93% em volume e 36,64% em receita

Algodão

Exportação sobe 26,93% em volume e 36,64% em receita

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro

Meio ambiente

Meio ambiente

Prazo de inscrição no CAR se encerra dia 31 de dezembro


Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

cacau

Volume de vendas da Barry Callebaut cresce 6,3% no ano fiscal de 2017/18

Açúcar e Bioenergia

Biosev tem prejuízo de R$ 155,567 milhões no 2º trimestre da safra 18/19

São Martinho:

Não há planos no curto prazo de grandes investimentos

Máquinas Agrícolas

CNH Industrial registra no 3º tri lucro de US$ 231 mi, alta de 285%


Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Achou que estávamos brincando quando falamos em revolucionar os genéricos?

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups

No campo

No campo

CNA monta comitê para mapear inovações no agronegócio por meio de startups


Especial - Logística em pauta

Uma nova ordem nas estradas

Frete

Frete

Uma nova ordem nas estradas

O tabelamento do frete impõe novos desafios para empresas e produtores rurais. Saiba quais são as estratégias para superar esse jogo

A linha de montagem do futuro

Indústria

A linha de montagem do futuro

Como as indústrias estão criando caminhões cada vez nais seguros e inteligentes

Inteligência artificial nas estradas

revolução digital

Inteligência artificial nas estradas

Como a revolução digital pode livrar os nós logísticos do País

Os trilhos do desenvolvimento

Novos caminhos

Os trilhos do desenvolvimento

Ainda pequeno, o modal ferroviário tem um grande potencial para elevar o fluxo logístico nacional

Expectativa de mais recursos

Expectativa de mais recursos

Entidades e representantes do agronegócio promovem diálogo com o Governo Federal sobre aumento do volume para o Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

Ampliando a capacidade produtiva

Ampliando a capacidade produtiva

Cooperativas agrícolas do País apostam no crédito rural para agregar valor ao produto e sair na frente na corrida por inovações sustentáveis

De olho no custeio antecipado

De olho no custeio antecipado

Com preços em queda e boas taxas de crédito, produtores rurais podem apostar na antecipação da compras de insumos para a safra 2018/2019

O PoupaTerra do século 21

Plantio Direto

Plantio Direto

O PoupaTerra do século 21

O produtor paranaense Franke Djikstra é um dos pais da técnica de plantio direto, um sistema conservacionista que ajuda o agricultor a melhorar a produtividade de sua lavoura e no qual o brasil é o campeão mundial, com 32 milhões de hectares. Saiba como sua adoção pode significar uma economia de pelo menos R$ 12,3 bilhões por safra

O caçador de negócios

Domingo Lastra

O caçador de negócios

Conheça a estratégia da trading americana Archer Daniels Midland, companhia global que fatura US$ 60 bilhões e que tem apostado em uma nova gestão corporativa para continuar crescendo no Brasil

A super cooperativa

Castrolanda, Frísia e Capal

A super cooperativa

As paranaenses Castrolanda, Frísia e Capal investiram quase R$ 700 milhões em um projeto para industrializar leite, processar suínos e moer trigo. Conheça o modelo inédito de intercooperação, que reúne 4,5 mil produtores e que fatura R$ 1,8 bilhão por ano

A corrida da bioenergia

Rafael Chang

A corrida da bioenergia

Pela primeira vez na história, uma montadora desenvolveu um carro híbrido que funciona movido a etanol e a eletricidade. saiba o que a Toyota e outras gigantes, como Raízen, Tereos e Copersucar, estão fazendo para tornar a matriz energética brasileira cada vez mais sustentável

Mais perto do campo

Octavio de Lazzari

Mais perto do campo

Os maiores bancos comerciais se aproximam cada vez mais do agronegócio. Saiba o que eles têm feito para atrair os produtores e conquistar definitivamente um lugar no segmento mais pujante da economia brasileira

A conquista do mundo

Paulo de Castro Marques

A conquista do mundo

Um campo para as franquias

José Carlos Semenzato e João Arantes Júnior

Um campo para as franquias

O empresário José Carlos Semenzato fez fortuna no mundo do franchising. Agora, ele quer transportar essa experiência para o agronegócio e se tornar vendedor de genética bovina. Conheça seus planos


Entrevista

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho

Jacyr Costa Filho

O Brasil precisa deixar de ser um país burocrático e regulado

Jacyr Costa Filho, diretor do grupo Tereos Brasil e presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp, fala sobre as eleições no País e o ambiente de negócios para o setor

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, da Cargill

Luiz Pretti, da Cargill

“O produtor brasileiro é um herói porque trabalha em um cenário de muitas incertezas”

Luiz Pretti, CEO da Cargill, fala sobre os planos e os desafios da companhia


O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun

O importante é saber como usar bem um remédio

Roberto Hun, presidente da americana Corteva Agriscience no Brasil, divisão agrícola da DowDuPont, fala sobre o bilionário mercado de defensivos e sementes

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil  não sabe o que quer da China

Marcos Jank

A China sabe o que quer do Brasil, mas o Brasil não sabe o que quer da China

Marcos Sawaya Jank, da Asia Brazil Alliance, fala de comércio internacional e dos desafios do País lá fora


Céu compartilhado

Aviação agrícola

Céu compartilhado

Como a aviação agrícola vai dividir suas tarefas com os drones

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

Blockchain

Sua fazenda um dia vai ser um bloco

O Blockchain está chegando para mudar as relações no agronegócio. Agora, é preciso entender o que a ferramenta pode fazer por uma propriedade


Mulheres do Agronegócio


Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Cenário

Pesquisa em 17 países mostra barreiras ao avanço das mulheres no agronegócio

Em levantamento da Corteva Agriscience, Divisão Agrícola da DowDuPont, produtoras rurais dizem que há progresso das mulheres no agro, mas ainda é lento. Disparidade financeira, falta de reconhecimento e pouco acesso a treinamentos são os principais entraves. No Brasil, 78% afirmam que existe discriminação de gênero

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas

Evento

3º Congresso Nacional Mulheres do Agronegócio está com inscrições abertas


Uma mulher à frente de seu tempo

Alida Bellandi

Uma mulher à frente de seu tempo

Como Alida Bellandi tomou as rédeas de sua carreira e se tornou presidente da Guarany, empresa de equipamentos agrícolas. Ela é uma das poucas executivas do agronegócio que chegou ao topo da carreira

A hora da virada

Álvaro Peixoto

A hora da virada

Por que executivos deixam companhias globais para trabalhar em empresas de menor porte e com menos exposição no mercado

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

José Luiz Tejon

José Luiz Tejon

Quem será o melhor ministro do agro brasileiro?

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Carlos Dutra

Carne bovina entra na mira dos “Impostos sobre o pecado”

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Fernando Sampaio

Por mais paisagens sustentáveis no campo

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

Carlos Alberto Forcelini

Uma análise das doenças da soja na safra 2017/2018

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.