• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias29/11/2021

Pacheco: Emenda de relator não é algo ilícito, é o que vai salvar muita gente

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo29/11/21 - 18h12min

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), defendeu a manutenção das emendas de relator e a ocultação dos nomes de quem apadrinhou o orçamento secreto nos dois últimos anos, contrariando uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), e insistiu no argumento de que não há registro dessas indicações.

A cúpula do Congresso age para aprovar ainda nesta segunda-feira, 29, um projeto mantendo o modelo e destravar as verbas suspensas por decisão do Supremo. O conteúdo da proposta é questionado por parlamentares e técnicos do próprio Legislativo. O patamar de emendas de relator pode chegar a R$ 17 bilhões em 2022, superando os valores deste ano.

Em entrevista coletiva em Curitiba, Pacheco afirmou que a corrupção na destinação de recursos públicos precisa ser combatida, mas desvinculou as emendas de relator, investigadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pela Controladoria-Geral da União CGU), das suspeitas.

"Há mecanismos de combate desses malfeitos, desses desvios e desses crimes, mas não é a existência da emenda de relator que é por sua natureza algo ilícito, porque definitivamente não é. Aliás, é o que vai salvar muita gente no Brasil, muitos municípios, muitos hospitais, é justamente os recursos que estão indicados pelo relator e que precisam ser destravados."

Pacheco insistiu no argumento de que é impossível divulgar os nomes dos autores das indicações das verbas de 2020 e 2021, como determinou o Supremo. De acordo com ele, "não há registros formais em relação a isso". A declaração, porém, contraria nota da consultoria do Senado. Para a consultoria, conforme o Broadcast Político antecipou, é possível divulgar os nomes por meio das informações do Legislativo organizadas pelo relator do Orçamento.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
Congresso