• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 183 30.11Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Economia30/11/2021

Pecuária ameaçada

Renata Duffles
Renata Duffles30/11/21 - 16h29min

Lá se vão dois meses desde que casos de encefalopatia espongiforme bovina, doença conhecida como o mal da vaca louca, foram identificados nos estados do Mato Grosso e de Minas Gerais. A exportação de carne para a China foi imediatamente suspensa. E ainda não foi retomada, mesmo após os casos serem identificados como “atípicos”, ou seja, ocorreram de forma natural e espontânea em animais com mais de oito anos. Os prejuízos, no entanto, estão se avolumando e preocupam os pecuaristas.

INTERNACIONAL

Com base em dados preliminares da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), o Instituto Mato-Grossense de Carne (Imac) divulgou, no dia 26 de outubro, que a média mensal de exportação brasileira de carne bovina caiu 36,7% quando comparada aos dados do mesmo período de 2020. Em volume foram exportadas 83.489 toneladas, mas esse montante é quase 49% inferior ao de outubro do ano passado. Só para o estado do Mato Grosso, o prejuízo com os embargos chineses pode chegar a R$ 1,4 bilhão.

Os impactos da suspensão já começam a preocupar produtores. A pecuarista Chris Morais, responsável por um rancho em Barretos (SP), disse que a demora na retomada das atividades está causando prejuízos diários ao setor, influenciando inclusive no preço da arroba do boi gordo. Após atingir R$ 320 na metade do ano, o valor da commodity caiu para R$ 270 no início de outubro, 13% abaixo do registrado em setembro, segundo dados divulgados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia (Cepea).

“A demanda mundial continua firme e os preços internacionais não devem cair tão cedo”, afirmou Marcos Fava Neves, professor da USP Ribeirão Preto e da FGV-SP. Em sua opinião, se a situação durar mais tempo, haverá uma troca de canais, mas não uma queda de preços. Afinal, os custos da produção e do transporte continuam elevados. Já no mercado interno há uma possibilidade de queda no preço das carnes à medida que os estoques destinados à exportação forem remanejados.

PREJUÍZO BILATERAL Há muita especulação sobre o que estaria prolongando o embargo. Já se falou até em uma possível retaliação do governo chinês às declarações do presidente Jair Bolsonaro. Em maio, Bolsonaro afirmou que a pandemia fazia parte de uma “guerra biológica” iniciada pela China. Em outubro, o presidente chegou a fazer uma imitação preconceituosa dos chineses em uma live. Especialistas em agronegócio, como Henrique Dau, economista do Insper, no entanto, dizem não acreditar que a suspensão das exportações esteja relacionada a problemas diplomáticos anteriores à identificação da doença da vaca louca. “A China é muito visceral nessas suspensões. Os britânicos ficaram um ano sem retomar as exportações para a China em razão de um embargo que eles sofreram”, afirmou Dau.

“Se as exportações não retornarem, os preços das carnes na China podem sofrer inflação e prejudicar seu próprio consumidor’’

Neves, da FGV, também diz não acreditar que a atual situação esteja ligada às declarações do presidente. Para ele, os embargos não devem demorar muito para cair, pois tanto brasileiros quanto chineses saem perdendo com o prolongamento da situação. “Se as exportações não retornarem, os preços das carnes na China também podem sofrer inflação e prejudicar seu próprio consumidor. São países que têm uma relação comercial cada dia mais vigorosa e essa lentidão não foi um bom sinal da China”, disse.