• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias05/01/2022

Petróleo fecha em alta, com queda no estoque dos EUA e alívio sobre Ômicron

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo05/01/22 - 17h28min

Os contratos do petróleo fecharam em alta no mercado futuro, refletindo a queda nos estoques nos EUA na semana passada e menores temores quanto ao impacto da variante Ômicron do coronavírus sobre a demanda. O enfraquecimento do dólar ante rivais também contribuiu para o avanço, embora a retração da moeda tenha sido reduzida já no fim da sessão, com a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed).

O petróleo WTI com entrega prevista para fevereiro fechou com ganhos de 1,11% (US$ 0,86), a US$ 77,85 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), enquanto o Brent para março teve alta de 1,00% (US$ 0,80), a US$ 80,80 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

Nos EUA, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) informou queda de 2,144 milhões de barris de petróleo. O resultado ficou abaixo da expectativa de recuo feita por analistas ao Yhe Wall Street Journal. Os ativos chegaram a perder fôlego após o dado, mas logo recuperaram os ganhos. Analista da Capital Economics, Caroline Brain pondera que talvez o mercado já estivesse preparado dada a estimativa de alta nos derivados, como a gasolina, divulgada ontem pelo American Petroleum Institute (API).

Com a manutenção do ritmo de aumento da oferta pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) e à medida que a "destruição" da demanda pela Ômicron é menor do que o esperado, uma forte demanda por combustíveis pode alcançar um pico no inverno (do hemisfério norte), prevê o TD Securities, com os preços do petróleo subindo US$ 5 por barril.

O Julius Baer, por sua vez, vê o mercado do petróleo em uma fase transitória, na qual o crescimento da oferta caminha para superar o da demanda em uma recuperação pós-pandêmica. No longo prazo, o banco espera que os preços dos ativos caíam, mas assume que fatores contrários à oferta podem prevalecer no prazo muito curto e apoiar a valorização dos contratos. Os cenários para o mercado da commodity parecem divergir entre os vigias oficiais, como a Agência Internacional de Energia, diz o Julius Baer, em nota. "As fontes de incerteza incluem a pandemia, os soluços contínuos da cadeia de abastecimento e, especialmente, a política do petróleo, dada a mudança marcante de fundamentos", afirma o analista Norbert Rücker.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
petroleo