• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias16/12/2021

Petróleo fecha em alta diante de fraqueza do dólar após decisões de BCs

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo16/12/21 - 17h19min

O petróleo fechou em alta nesta quinta-feira, apoiado um dólar enfraquecido após decisões monetárias do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), na quarta-feira, e do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), neste quinta. A baixa da divisa norte-americana ante rivais tende a beneficiar commodities cotadas na moeda, pois as tornam mais baratas e, portanto, mais atraentes a detentores de outras divisas.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do petróleo com entrega prevista para janeiro avançou 2,13% (US$ 1,51), a US$ 72,38, enquanto o do Brent para o mês seguinte subiu 1,54% (US$ 1,14) na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 75,02.

"O dólar está amplamente mais fraco e isso forneceu suporte à alta do preço do petróleo de hoje", comenta o analista da Oanda Edward Moya. Em relatório, Moya destaca que o movimento ocorre após mais decisões de bancos centrais de países desenvolvidos nesta quinta, desta vez na zona do euro e no Reino Unido.

"O BoE surpreendeu muitos operadores ao elevar a taxa de juros e, apesar de um posicionamento mais cauteloso do BCE, as previsões de crescimento do BC comum sugerem que a perspectiva da demanda por petróleo provavelmente não se deteriorará muito mais depois que a onda da variante Ômicron acabar", completa o analista.

O TD Securities comenta ainda que os movimentos do mercado após as decisões dos BCs fez com que investidores deixassem de lado as preocupações com a Ômicron e seus potenciais impactos sobre a atividade global.

O banco canadense ainda avalia que a perspectiva de excesso na oferta em 2022 em face de um enfraquecimento da demanda por causa da cepa está incorreta. "Afinal, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados (Opep+) continua com dificuldade para cumprir o aumento em suas cotas de produção de referência, com a produção de novembro ainda lutando para subir o suficiente para cumprir as cotas, já que a produção na África Ocidental e na Malásia estão substancialmente abaixo do estimado", explica.

Este cenário, de acordo com a casa, denota o curto espaço que a Opep+ tem para elevar a produção no ano que vem, em esforço que ficaria dependente de Arábia Saudita, Rússia, Emirados Árabes Unidos e Iraque. "Enquanto os países da Opep não compensarem os subprodutores, a capacidade ociosa parece estar esticada", completa o TD Securities.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
petroleo