• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 187 08.08Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias20/12/2021

Petróleo fecha em queda de quase 3%, com Ômicron lançando dúvidas sobre demanda

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo20/12/21 - 17h19min

As preocupações com o descasamento entre oferta e demanda por petróleo, diante do avanço da variante Ômicron do coronavírus pelo mundo, pesou fortemente nas negociações da commodity nesta sessão. Os contratos futuros chegaram a cair ao redor de 6%, antes de reduzirem a queda pela metade no fechamento.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do WTI com entrega prevista para fevereiro recuou 2,98% (US$ 2,11), para US$ 68,61, enquanto o do Brent para o mesmo mês caiu 2,72% (US$ 2,00), a US$ 71,52, na Intercontinental Exchange (ICE).

"A crescente convicção dos investidores de que a variante Ômicron pode levar os mercados a um superávit, o que foi ecoado pelas expectativas da AIE, deve, em última instância, manter os preços sob pressão até que fique claro como as potências mundiais vão lidar com a variante. Nesse sentido, a transmissibilidade pode estar mais altamente correlacionada com bloqueios do que com a gravidade, o que mantém a demanda em risco", afirma a TD Securities em relatório enviado a clientes.

Para a Fitch, a demanda por petróleo deve continuar crescendo em 2022, mesmo diante das incertezas geradas pelo avanço da variante Ômicron do coronavírus. Em relatório, a agência de risco disse que considera que os lockdowns decorrentes da nova onda de infecções serão mais curtos e menos severos que em 2020, mas pondera que a recuperação do mercado pode ser revertida se a Ômicron ou outras variantes novas em potencial se mostrarem significativamente mais infecciosas ou perigosas, levando a novos bloqueios sincronizados prolongados.

"A Opep+ tem sido o principal fator de estabilização no mercado global de petróleo desde o início da pandemia e provavelmente permanecerá assim no curto prazo, mas suas políticas podem se tornar menos eficazes com o tempo, pois alguns membros da aliança (como Emirados Árabes Unidos e Rússia) estão considerando aumentar a produção para monetizar suas grandes reservas", observa a Fitch.

Olhando para frente, o Rabobank avalia que os gestores de ativos podem ter grande interesse na compra de futuros de petróleo, com a alta do dólar e/ou a volatilidade sendo revertidas no próximo ano. "Além disso, as preocupações com a inflação foram um dos principais impulsionadores de um ressurgimento do fluxo para o índice de commodity em 2021, e suspeitamos que essa tendência continue em 2022 e além."

Numa ação para tentar conter o avanço da mudança climática, o governo dos EUA anunciou que irá intensificar os padrões de eficiência de combustíveis, com entrada em vigor prevista para 2023.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
petroleo