• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Assine
Anuncie
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
Istoé Dinheiro Rural
MenuMenu
FECHAR
Capa da edição atual da revista
Edição da SemanaNº 185 08.04Leia mais
  • Home
  • Últimas notícias
  • Economia
  • Negócios
  • Carreira
  • Estilo no campo
  • Tecnologia
  • As melhores da Dinheiro Rural
  • Siga-nos:Facebook
Notícias24/01/2022

Petróleo recua cerca de 2%, pressionado por quadro de aversão global ao risco

Estadão Conteúdo
Texto por:Estadão Conteúdo24/01/22 - 17h46min

O petróleo fechou em forte baixa nesta segunda-feira. A commodity seguiu o quadro global de busca por segurança, desencadeado pelo conflito geopolítico entre Rússia e países do Ocidente, por conta da presença militar russa na fronteira da Ucrânia, e a expectativa pela decisão monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que será divulgada na quarta-feira, 26.

O barril do petróleo WTI com entrega prevista para março recuou 2,15% (US$ 1,83) na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 83,31, e o do Brent para igual mês teve queda de 1,84% (US$ 1,62), a US$ 86,27, na Intercontinental Exchange (ICE).

A escalada das tensões entre EUA e países aliados e Rússia fez com que investidores retirassem posições de ativos atrelados ao sentimento por risco, como o petróleo. A resposta dos mercados veio à medida que os americanos e o Reino Unido ordenaram a retirada de seus funcionários que estavam na capital da Ucrânia, Kiev. Além disso, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) informou que enviou jatos e navios de combate para o Leste Europeu.

A busca por segurança ainda deu suporte ao dólar, cuja valorização costuma prejudicar commodities cotadas na divisa americana, como o petróleo, uma vez que o encarece e o torna menos atraente a investidores que negociam com outras moedas.

De acordo com o TD Securities, as tensões na fronteira da Ucrânia aumentam a incerteza quanto ao suprimento global do óleo, que ainda pode ganhar um acréscimo caso o acordo nuclear entre países desenvolvidos e o Irã seja retomado. Nesta segunda, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da nação asiática, Saeed Khatibzadeh, disse que o trato nunca esteve tão perto de ser concluído, mas questões pendentes com os EUA ameaçam a restauração do acordo.

Também compondo o quadro de cautela global, as expectativas para a reunião desta semana do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Fed apontam para o BC americano preparando o terreno para uma alta de juros em março. Em relatório, a Oxford Economics projeta ainda que o Fed começará a reduzir seu balanço de ativos em julho.

Saiba mais
+ Modelo brasileiro se casa com nove mulheres e vira notícia internacional
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Receita simples e rápida de asinhas de frango com molho picante
+ Conheça o suco que aumenta a longevidade e reduz o colesterol
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Vídeo de jacaré surfando em Floripa viraliza na internet
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
petroleo